segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Honestamente Halloween

Eu não curto Halloween, mas não impeço nem faço apologia contra caso meus filhos queiram fazer algo a respeito.
Neste ano, uma mãe aqui do prédio resolveu organizar uma festinha e o chamado foi correndo de boca em boca. As crianças sabiam que à noite teria festa e para participar teriam que contribuir com 10 reais.
Minha filha Júlia levou o dinheiro assim que soube. Bernardo estava jogando bola e resolvi perguntar se ele participaria. Disse sim e subiu para pegar o dinheiro.
Eu passei por lá para ver a arrumação e a animação das crianças e deixei-os se divertirem.
Quando Bernardo voltou para casa me contou que estava indignado e irritado com o que estava acontecendo: alguns meninos de idade próxima a dele, treze, quatorze anos, começaram a chamá-lo de trouxa porque ele havia pagado. Os "espertos" não pagaram, entraram na festa e comeram, beberam e estavam orgulhosos da esperteza em enganar.
Caso não tivessem dinheiro ( o que não era o caso ) tudo bem em entrarem e participarem. Bonito, solidário.
Tratava-se porém de ser esperto e debochar dos que tinham ajudado inclusive a preparar a festa.
As pequenas corrupções cotidianas.
O sentimento de poder, de grandeza em cima dos que agem honestamente.
Ser honesto pra quê, se eu entro e como e ainda tripudio sobre quem faz de maneira correta.

Outro dia assistindo a um programa de entrevistas e opiniões, uma escritora rebateu outros participantes que diziam que nosso país precisa de educação para acabar com a corrupção, que enquanto professores, escolas...
E aí ela os interrompeu e lançou: "mas esses grandes corruptos que estão hoje no poder, a maioria deles estudou em bons colégios que valorizavam seus professores, tiveram uma educação privilegiada em termos de cultura e aquisições acadêmicas. Não é só dessa educação que precisamos para mudar nosso país".

É o caso dos garotos espertalhões: estudam em bons colégios, têm celular "de maçã, ops, de marca" e dez reais eles teriam para colaborar com a festa.
Mas o pior não é entrar sorrateiro e pegar um cachorro-quente. É zombar, é xingar os que tem a honestidade como virtude em sua educação.

Um texto muito bom "Porque vale a pena ser honesto" -  clique aqui.

16 comentários:

✿ chica disse...

Puxa,Ana Paula! Sempre há os que se acham engraçadinhos em fazer coisas erradas. Mas falta mesmo educação, DE CASA! Dá uma raiva essas coisas,não? bjs, chica

Poesia do Bem disse...

E se fala tanto da corrupção no país,na política, mas os pais não ensinam os pequenos valores e a honestidade que começa nas coisas mais simples. Tbm já passei por isso aqui muitas vezes, tipo, um material no curso que o professor pede e deixa na sala e some e isso só com professores , outra vez a mãe de amiga do balé indignada pq as tias cobraram 5 reais para ajudar no almoço pois eles ficariam o dia na piscina, dai eu disse paguei pra mim e Alice, e ela: nossa mas era só 5! E eu falei que eram duas pessoas então 10 reais, e assim vai , a corrupção e a desonestidade nos mínimos detalhes mas

Mi F. Colmán disse...

Oi Ana! Há quanto tempo não venho aqui para comentar com decência! Saudades...
E claro, como sempre encontro um texto lúcido e... honesto. Por isso adoro te ler.
Olha amiga, eu sempre tive para mim que no nosso país, por não fazer parte da nossa cultura, o Halloween é uma coisa mais voltada aos góticos, muitos verdadeiros seguidores da bruxaria Wicca, que têm motivos para celebrar Beltane.
Mas... Como brasileiros sempre pega "onda" na dos gringos, contagiou também as crianças. É até saudável, é legal, mas o que vi foi um desprezo total ao Dia do Saci nas escolas aqui da cidade. Era só "abóbora" para todo o lado.
Poxa vida! Chatíssimo isso que ocorreu com teu filho. Agora sofre-se bullying até por ter honestidade, ser uma pessoa do bem e verdadeira. Como os valores estão deturpados não?
O tipo de Educação que estamos precisando não é essa educação acadênica (claro que ela também faz falta também na rede pública, senti isso na pele em Química do ENEM!) mas a de valores éticos mesmo.
Gostei muito do texto sugerido, da atitude da mãe em levar o filho para que ele comprovasse sua honestidade e os resultados da mesma.
Detesto o ditado "o mundo é dos espertos" proferido sempre que alguém sacaneia outro. E pior amiga, que ao contrário da defesa da consciência tranquila que o texto que sugeriu diz, tem gente que tripudia de boa os demais sem dor na consciência alguma. Aliás, que consciência?
Lamentável... :/
Beijos e uma semana de muitas bençãos e vitórias para ti! :))))

Rivotril com Coca-Cola

Mi F. Colmán disse...

Nossa, ignore os erros de Português, digitei muito rápido!

Sonia Tolfo disse...

Com certeza a atitude vem de berço, ninguém tem esse comportamento de graça, em algum lugar aprenderam, infelizmente. São as pequenas corrupções diárias.
Abraço no seu filho e parabéns a você por ter compartilhado conosco e apoiado seu filho.
Sonia

Tina Bau Couto disse...

Surreal
Ser honesto, gentil, educado hj dá trabalho
Pequenos, médios a grandes
Não beber bebida alcoólica dá trabalho;
Achar um absurdo beber e dirigir dá trabalho;
Dizer que não curte tal cantor famosinho, dá trabalho;
Não querer refrigerante dá trabalho;
Não ser de panelinhas dá trabalho.
E mais um tantão de coisas certas tidas como fora de moda, que não dá like.

Ser esperto, descolado, antenado tem sentidos e condutas que variam ladeira abaixo.
Eu acho, cá com meus botões, que vale a máxima de que o passarinho que acorda cedo come a melhor minhoca, é fato, mas minhoca de boa, que acorda tarde, vive mais.

Não é o melhor que chega primeiro, mas quem chega mais longe.

lis disse...

Oi Ana
Sempre lamentamos quando assistimos situações com as descritas e que já de uma forma ou de outra já também presenciamos.
Estive fora do País e é comum observarmos e se nao tanto até compararmos com a nossa cultura o que vemos por lá . E, a decepção com nosso País aumenta porque há formas de fazer melhor e bem feito.
Nosso sistema de ensino é uma vergonha Ana e consequentemente ,todo o resto acompanha.
Seu texto fala de um festinha do Halloween e é bom que as crianças conheçam outras maneiras divertidas nas brincadeiras _não vejo porque esse anti =-americanismo sem causa.E, o que vemos são crianças vivenciando o que se vê a todo instante no País_ desonestidade em todos os momentos .
Obrigada Ana
estou voltando devagar.
beijo

Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Ah que triste, Ana Pula...
Os jovens reproduzem o que vivem em casa, o problema não é escola melhor ou pior, é o exemplo da família.
Infelizmente ainda existe a cultura do "levar vantagem", isso é que é pobreza...É assim que os políticos corruptos agem, e isso não começou de repente, foram pequenas malandragens que foram crescendo e se somando. O que precisamos é uma mudança de paradigmas e isso tem que vir desde cedo, na criação, no exemplo.
Bjs

Tina Bau Couto disse...

Quanto ao HAlloween eu curto as histórias da tradição, simbologias, o ser cultura compartilhada (bem podíamos exportar mais as nossas que não vivemos e conhecemos tanto quanto as importadas)
Vc conhece qual ou quais histórias sobre o HAlloween?

Francine Galiano Pinto disse...

Ah corrupção já vem do berço...é uma cultura tão arraigada na população brasileira, de que "ser esperto" é conseguir vantagem de modos escusos. "Passar a perna" é tido como algo bom. Tipo quando tomba um caminhão e vai todo mundo roubar a carga... São essas coisas que fazem nosso país corrupto e nunca permite o avanço. Triste!

http://nomundodafrancine.com.br

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Ana Paula
Meu netinho esteve numa no curso de inglês... trouxe até um doce pra mim... não se esqueceu... rs...
Tem sempre gente que se encosta nos demais... pais consentem até... que pena!
Estava em frente ao caixa pra passar uma comprinha e meu netinho pediu-me uma bananinha (doce) e ele não quis comer até que eu pagasse mesmo estando na frente da caixa que já havia consentido pois iria passar o código em seguida... tive que pagar primeiro...
Bjm fraterno

Tina Bau Couto disse...

Isso é a doce educação
Lindo e devia ser o comum

Ana Paula disse...

Tina, honestamente não sei nenhuma.
Apenas de ver e ouvir falar fui fuçar a saber o que era uma caveira mexicana e aprendi fazerem parte da festa que há no México para o dia dos mortos.
Bj!

Moro em um Kinder Ovo disse...

Sou de um tempo em que a honestidade fazia parte do DNA de uma pessoa e não era preciso "ser educada para tal". Tínhamos o exemplo em casa e era natural seguir os passos de nossos pais. Porém,tudo mudou e são em pequenos gestos como os do garoto que percebemos isto.

Pandora disse...

Me impressiona a falta de pudor das pessoas em se gabar de suas pequenas desonestidades, como se houvesse mérito em conseguir obter vantagens sobre a inocência do outros. E concordo que isso não é coisa de quem tem necessidades pecuniárias...

Filha de José disse...

Pois é Ana...
Também fico pensando o seguinte...
É desde pequeno, desde novo que uns crescem com essa mentalidade de "passar os outros pra trás". E, sinceramente, a instituição escola que temos hoje não é suficiente para incutir valores que as crianças e adolescentes devem aprender.
Dentro de um lar é que essas coisas começam.

Abraço.