terça-feira, 12 de setembro de 2017

Adeus dona Maria

São ovos fresquinhos, selecionados, direto da granja para sua mesa.
Venha correndo aproveitar dona Maria, é o carro do ovo passando na sua porta
São trinta ovos por apenas onze reais.
Pode chegar dona Maria, pode examinar sem compromisso
Que hoje a senhora leva trinta ovos por apenas onze reais
Venha correndo aproveitar dona Maria
Ovos graúdos de qualidade
É o carro do ovo passando na sua porta dona Maria

Desci para o passeio matinal do cãozinho e quase ocasionei um acidente: seu Sidney, o porteiro vinha entrando segurando uma bandeja de papelão verde-azulado contendo 30 ovos que quase foram parar no chão, quando eu e ele nos encontramos no estreito portão.
Risos, pedidos de desculpas e a recomendação por parte dele de que os ovos eram mesmo dos bons.

Eu já tinha ouvido o tal carro do ovo, mas nunca pus reparo realmente nele. Ou melhor, no som que sai por um alto-falante.
O carro é uma belina, cor de chumbo cintilante e fica lá estacionado por um tempo chamando, lembrando a dona Maria de comprar ovos. E que venha correndo dona Maria.

Foi seu Sidney que me falou do carro que chama por dona Maria. Eu sou Donana e achei bem ultrapassado o tal carro do ovo.
Não por ser belina. Por generalizar homens e mulheres, por reduzir-nos todos a dona Maria, por faltar com gentileza à todas as Marias.

Retrato de uma época a fala gravada que sai do alto-falante.
Um passado que não foi bom e serve para nos ensinar.

Meu pai, que Deus o tenha, já baixou ligeiro a manivela do vidro de sua brasília ocre e mandou um "vá cozinhar feijão dona Maria".

Retrato de uma época que não deveria ter existido, mas já que houve, sirva para nos ensinar a não reproduzir o mesmo erro do passado.

E por falar em ovos...
Adorei a novidade que eu trouxe do supermercado: uma caixa de ovos lindamente ilustrado com patinhas ( ou seria pezinhos de galinhas ) azuis escrito em letra bonita: galinhas livres de gaiolas.

Tem também a opção "passeio livre no campo", porém esse custa mais caro.

Penso em lançar produto similar escrito em cor laranja, que é a minha predileta:

Galinhas confortavelmente acomodadas em leiteiras antigas
Assim ó




sábado, 2 de setembro de 2017

Folhas caídas


Sentei-me num banco próximo a essa jovem árvore e fui tomada por um encantamento: suas pequenas folhas avermelhadas estavam banhadas pelo sol do final da tarde. Era uma luminosidade tão apaziguadora. Eu estava sem possibilidade de fotografar, não havia levado qualquer dispositivo.
Voltei na tarde seguinte e fui surpreendida novamente.
As folhas estavam todas no chão. Sobrara apenas uma ou outra.
Uma bela lição...

Assim foi também com o blog e o mês de agosto. Queria escrever, postar; deixei para depois e quando vi já estava no chão a folha destacável do calendário. Setembro se faz presente.

O que escrever, ou algo relevante a escrever, não tenho.
Só o anseio em voltar, interagir aos poucos.