segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Maritacas e flores

Saí para fotografar maritacas. Antes, porém, que alguém se empolgue em ver as fotografias das tais aves, aviso de antemão que não consegui.

Ano passado, exatamente à esta época, primavera caminhando para o verão, eu avistei as maritacas dependuradas numa árvore a comer seus frutos.
Eu que só avistava pardais e bem-te-vis na outra cidade em que morávamos, fico deslumbrada em ver os bichinhos assim tão próximos.

Pois esse ano assim que vi os frutinhos perfumados da árvore, lembrei-me que logo elas estariam ali para se alimentar. Numa tarde abafada, ouvi a algazarra.

Fui para casa, peguei a máquina fotográfica e voltei com a intenção das fotos.
Só que...
Eu levei como companhia nosso cachorro.
Algazarra das maritacas, latidos do cão e foram-se todas empoleirar em outros cantos distantes.

No retorno caminhamos por uma outra rua e encontrei flores por entre árvores.

Não fiz as fotos dos alegres bichos de plumagem verdes, mas trago flores para alegrar nossa semana!






domingo, 18 de novembro de 2018

Solidão na maternidade


Participando do projeto Na Casa da Vizinha, uma blogagem coletiva que ocorre no terceiro domingo de cada mês, organizada pelas meninas Cris Philene do blog Prosa de Mãe e Tê Nolasco do Bolhinhas de Sabão para Maria, que hoje traz o tema Solidão na Maternidade.

Assim que vi o tema proposto para essa blogagem, imediatamente lembrei-me de um lindo texto que me tocou à epoca da gestação da minha filha Júlia, hoje com treze anos.


"Um dos momentos mais especiais da minha vida foi o mês após o nascimento de Tara. Descobrir minha filhinha era observar o milagre do desabrochar diante dos meus olhos. Ela era o ser mais precioso, bonito e divino que eu jamais vira.
Mas havia um outro aspecto desse tempo que guardarei para sempre como um tesouro. Numa tradição seguida por muitos indianos, a parturiente e seu bebê recém-nascido ficam na casa dos pais durante 40 dias após o nascimento. Esta tradição se explica pelo fato de tanto a mãe quanto o bebê necessitarem de cuidados e carinho nessas primeiras semanas. Cuidada por sua própria mãe, a recém-mamãe pode então se concentrar nos desafios e descobertas desse primeiro momento e dar início ao relacionamento com seu bebê num ambiente estável.
Voltar com minha filha recém-nascida para a casa de meus pais foi uma experiência comovente e tocante. Passei com eles um tempo lindo e emocionante nessa nova fase da minha vida, com meu bebê nos braços. Eu era agora uma mulher adulta, expandindo a nossa família e despertando em todos sentimentos de um amor ilimitado. O amor e o orgulho nos olhos dos meus pais tanto por mim quanto por sua neta me fizeram descobrir que Tara era não só um dom para Sumant e para mim com também o presente mais sagrado que eles haviam recebido"           Mallika Chopra

Nossa solidão é cultural, geográfica. Comunidades indígenas, sertanejas, quilombolas, ribeirinhas, por exemplo, relacionam-se de outras maneiras que nós de comunidades urbanas.

Por horrível que isso possa soar, vivemos uma cultura de isolamento. Não sabemos pedir ajuda, não sabemos oferecer, por medo. Medo de se expor, medo de parecer ridículo, medo de que o outro não saiba fazer do "nosso jeito"e assim, uns com medo dos outros, seguimos isolados.

As amizades podem mudar; se antes saíamos para um bar, um noite de conversas, com um bebê fica mais difícil e amigos podem se afastar, mas também podemos fazer novos amigos por afinidades - bebês, escola, brincadeiras, passeios.
Precisamos de abertura, abrir-nos para outras possibilidade. Muitas vezes não incentivamos nossos filhos assim, seja numa praça, clube, festinha: "vai lá, fala com ele, empresta o brinquedo". Estamos dizendo "faça um amigo! "Precisamos repetir isso para nós mesmos e nos esforçar para olhar para essas pessoas que terão em comum conosco a maternidade.

Acho que temos uma ferramenta valiosa nesses tempos que são as redes sociais, a facilidade dessa tecnologia de comunicação que são nossos celulares e não a usamos em todo o seu potencial.

Eu acredito que a maioria de nós aqui dos blogs vive nessa cultura urbana, que traz em si mesma esse isolamento e por isso mesmo pede esse olhar cuidadoso porque há sim como remediar isso.

"Na contemporaneidade, existem formas alternativas de relacionamento, como as redes sociais, por exemplo, que se apresentam como uma boa sugestão de sociabilidade e trocas importantes"- Dr José Guilherme Cantor Magnani, antropólogo.

No meu começo na internet eu ouvia muito o termo amigos virtuais versus amigos reais. Essa é uma barreira que já se transpôs. Quantas pessoas "virtuais" nós sentimos afinidade, preocupação, cuidado. E por que não dar um passo a mais, trocando e-mails, endereço, correspondências, WhatsApp com essas pessoas? Por que não se formar um grupo com essas pessoas que sentimos emanar um calor? Com um tema em comum, e fazer reuniões online para expor opiniões, trocar experiências, angústias, ir além de nossas fotos bonitas no instagram?
Grupos grandes, gigantes, dos quais a internet está cheia, não funcionam com esse propósito de aproximação, falo de quando a sentimos um pulsar ali na telinha!

Eu participo de reuniões semanais via Zoom, Skype e é muito enriquecedor.

O texto que eu postei acima, na minha opinião é lindo, porém é uma outra cultura. Pode servir de inspiração mas não pode servir como lamentação.

Os filhos estão, ainda bem, crescendo, conquistando a cada dia algo novo, relevante, como já dissemos em outra blogagem, estão ganhando asas, tomara sejam nossos amigos, companheiros de vida, mas terão seus próprios amigos, seus caminhos, cabe então a nós oferecermos essa abertura para que outros se aproximem e para nós mesmas possamos oferecer aconchego, colo para quem possa estar precisando.

Precisamos quebrar essa cultura de isolamento. Abertura, disposição e atitudes, são a possibilidade .

Um beijo e obrigada por mais essa possibilidade de participar em grupo com essa reflexão!


sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Medo da morte

Tenho medo. Estou com medo. Medo da morte. Medo da morte morrer.
Você leu direito sim, não é nenhum trocadilho - tenho medo da morte morrer.

Eu estava no supermercado quinta-feira, dia primeiro de novembro, o dia de todos os santos que na minha infância, lá no colégio católico no qual eu estudava, não havia aula, em respeito.
Lá no supermercado, estava uma moça bem jovem que falava ao celular, chamou-me atenção primeiro, a sua voz, a tonalidade daquela voz - mezzo soprano. Um tom grave, imponente e adocicado.
Ergui os olhos dos limões para olhar em direção à moça e pude ouvir a sequencia de sua conversa: 
"Amanhã eu farei uma feijoada lá em casa... sim. sim, só falta pegar limão pra caipirinha. Tá, te espero. Beijo."

Dos limões para a moça, meus olhos pousaram depois em seu cestinho de compras. Dois pacotes de feijão preto, carnes, couve.

Pensei comigo que aquela moça tão jovem sabe fazer feijoada e eu, com mais que o dobro da idade dela, não sei.

Amanhã ( que no caso é hoje, dia dois de novembro, feriado de finados ) vai ter feijoada na casa dela. Será que é para homenagear algum finado ancestral apreciador de feijoada com caipirinha?
...
Diário de hoje, dia dois de novembro, feriado de finados.

Saio cedo com o cachorro. As ruas estão vazias e silenciosas, numa combinação dos que foram viajar com os que estão dormindo um pouco mais por conta do feriado.

Há uma escola aberta, afinal o Enem bate às portas. Um estudante entra.

Sigo para uma praça. Quatro outros estudantes da mesma escola, escolheram ficar debaixo de uma árvore jogando cartas.
Esses não pensam no Enem nem na morte.

Mais à frente uma mesa dobrável acomoda vários itens de café da manhã. Um homem com um apito na boca e gestos firmes comanda ladeira acima um grupo de corredores.
"Falta mais três chegadas, pensem no café especial depois!"
Esses correm da morte.

A morte segue evoluindo em seus rituais.
Já achei engraçado as carpideiras. Já me emocionei ao ver pela tv a cobertura dos túmulos mais visitados nos cemitérios de São Paulo. O dia de finados era um dia triste, cabisbaixo. A cobertura da tv agora mostra o movimento nas praias.

Antes tinha só o cemitério, várias são as opções mais modernas - cinzas acomodadas em um bonito e sustentável recipiente que plantado se transforma em árvore, ou ainda a opção de encaminhar as cinzas do ente querido para seres transformadas em fogos de artifício.

Tem também a celebração mexicana que é mais colorida e cheia de vida.

Tem as novidades tecnológicas aliadas com a biologia, medicina que prometem o fim da morte, título de um livro - A morte da morte.

Tem o aceno de viver trezentos anos.

300 anos recebendo WhatsApp de brigas relacionados à políticos? 

Acho que prefiro uma boa morte!

Viver bem é imprescindível para um bom morrer.

Fiz preces, agradecimentos e agora inicio uma nova leitura.

Bom feriado para vocês!



"No início, você deveria ser perseguido pelo medo do nascimento e da morte, como um veado escapando de uma armadilha. No meio, você não deveria ter nada a se arrepender, mesmo que você morra neste momento, como um camponês que tenha trabalhado a sua terra com cuidado. No final, você deveria ser feliz, como alguém que completou uma tarefa imensa"
Matthieu Ricard

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Voltar a sorrir

Às terças, vou cedinho para a feira.
É uma pequena feira; para ser bem sincera, é minúscula. Uma dúzia de barracas apenas.
Na barraca de frutas, percebi a ausência da moça de traços orientais. Esperei, talvez na próxima terça, ou na próxima ainda.
Achando prolongada a ausência, perguntei à mãe dela. Achei que pudesse ter arrumado um outro emprego, pois sabemos como é difícil a vida de um feirante.

A resposta saiu com imensa dor da boca da mãe: perdeu o bebê, sete meses de gestação; uma cesariana às pressas, hemorragia, foi preciso retirar o útero, quase que ela morre também.

Silenciei por um momento e tudo que consegui balbuciar foi perguntar o nome da moça e dizer que faria oração por ela, era o que eu podia oferecer.

Passei dias a pensar nessa triste situação, fiz minhas orações e queria fazer algo concreto para oferecer solidariedade.
Foi então que me lembrei de um livro escrito por uma mãe que perdeu seu bebê e a partir da rede de apoio, de mensagens que ela recebeu, tornou a sua dor um relato sensível.

Fiz o pedido, li o livro para ter certeza de que era mesmo um presente a ser oferecido para a moça da feira.
E eu me encantei com a sensibilidade, a narrativa, as imagens delicadas. Achei que sim, caberia para esse momento. Embrulhei o livro e levei-o comigo para a feira.
Sua recebeu com ambas mãos, num gesto lindo.




Ao longo do livro, a mãe de José, o filho que partiu, vai conduzindo a narrativa da dor à primeira vez que ela sorriu espontaneamente depois de tanto luto.

Meu desejo é que a moça da feira, que eu só conheço de "bom dia, será que está doce?, boa semana" volte a sorrir.






domingo, 21 de outubro de 2018

Uma exposição

Neste domingo, dia 21, fomos, a filha e eu para uma exposição que veio do Japão sobre as bombas e seus horrores.
Não é fácil olhar para tudo aquilo, mas é tão necessário...



Mas, voltarei a esse tema em outro momento para deixar mais fotos, anotações, reflexões.

Saímos do pavilhão onde estava a exposição e fomos arejar um pouco.
Minha filha Júlia notou que haviam muitos fotógrafos no parque realizando seus ensaios.
Eu disse que devia ser pelo horário, final de tarde, que tem ma luz suave.
Então ela me disse: 
"Então já que estamos aqui, vamos fazer uma sessão também de fotos!


Fez graça para espantar um tantinho a tristeza anterior.



Aproveitamos a exposição e depois o entardecer entre fotos e poses!
Um beijo!



Maternidade sem competição


Participando mais uma vez do projeto "Na Casa da Vizinha", uma blogagem coletiva organizada pelas meninas Tê Nolasco e Cris Philene, hoje com o tema maternidade sem competição.

Uma blogagem coletiva é como uma colcha de retalhos, ou mesmo um quebra-cabeça, onde cada pedacinho vai se somando ao outro e temos, com cada participação, várias ideias que formam um todo muito enriquecedor.

Antes de escrever, já que estou publicando no final da noite, pude ler as participações e fica bem claro que não é positivo, não é saudável emocionalmente essa competição. Respeito ao tempo de cada criança é um ponto central na maternidade.

Quero contribuir com duas propostas ( não são minhas, são da sabedoria que pertence à nossa humanidade ) que podem mesmo ser chamadas de "antídotos".

Para quando sentirmos que nossos filhos são os únicos, os melhores do mundo; para quando acharmos que somos a mãe mais extraordinária de todas. Ou seja, se cairmos no modo exagero:

O agradecimento é o remédio, o antídoto.

"Ao agradecer reconhecemos que as condições que possibilitam a nossa existência dependem de um entrelaçamento imensurável de seres e circunstâncias. Nos prevenimos do isolamento, do autocentramento e da não apreciação". Fábio Rodrigues

Esse agradecer é reconhecer a nossa dependência de várias pessoas, de vários fatores para que nossa vida e a vida de nossos filhos flua.

A moça que aplicou a vacina, a funcionária da limpeza que higienizou o hospital onde ele nasceu, o caminhoneiro que fica tantos dias longe de seus filhos para transportar o arroz que nossos filhos comem. Uma teia incrível que deixamos de ver quando achamos que somos tão incríveis.

Contemplar toda essa teia de apoio, muitas vezes invisível, vai trazendo um frescor ao nosso olhar - somos todos especiais porque estamos interligados! Se meu filho é o melhor pianista, quantas pessoas contribuíram para isso? Não há arrogância, exageros que resista!

Meu filho é um leitor exímio? Obrigada aos escritores das histórias, ao pessoal da gráfica, a quem plantou provavelmente eucaliptos que se tornaram papel, que viraram livros e que fazem meu filho um leitor voraz!

O outro antídoto é para quando nos sentirmos mal, culpados, inferiores perante o outro ou mesmo, para quando sentirmos inveja. 

Alegria empática é o remédio!
Antes de acessar as redes sociais, antes de ir para a pracinha, reunião da escola, antes de abrir o whatsapp, respire profundo e concentre-se em apreciar as virtudes, sucessos e alegrias de outras pessoas.
Se um outro pensamento vier, algo do tipo "nossa, meu filho não faz nada disso, ou, poxa, queria tanto ser como aquela mãe que faz tudo tão perfeito para criar seus filhos", apenas volte para apreciar o outro. Não julgue, não elabore.

Andou cedo, come pão de fermentação natural, fala três idiomas?- alegre-se com sinceridade.

Nossa vida fica mais leve, a alegria flui sem precisar de motivos!

Que a gente possa cultivar cada vez mais a alegria empática e olhar com profundidade para poder agradecer!

Um beijo!



sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Um tucano na cidade


Era para ser somente uma ida aos Correios.
Enquanto eu aguardava o semáforo para atravessar, avistei a majestosa ave voando e logo em seguida, um pouso suave na árvore bem a minha frente!
Só lembrava de tucanos em zoológicos. Vê-lo ou vê-la assim, livre, encheu-me de alegria.
Primeiro eu desejei que o semáforo se apressasse em fechar para os carros e pareceu-me uma eternidade...
Atravessei já com o celular na mão, coisa rara, diga-se, porque quase nunca levo o aparelho quando vou por perto.
Havia um outro edifício, não este da foto, bem defronte à ave. Ah! Queria habitar aquela janela no alto!
Depois desejei ter uma câmera fotográfica com lente potente para retratar toda a exuberante beleza.
Por fim, dei-me conta que eu estava ali apreciando a cena peculiar - um tucano na cidade!
Os carros passavam ligeiros. Um ônibus parou no ponto e eu pude ouvir "o que será que ela está vendo? ".
Abri um sorriso enquanto a ave batia asas novamente!
Alguém mais com um tucano urbano?!





domingo, 16 de setembro de 2018

Um convite, um chá

Recebi um convite.
Chegou-me por um meio de comunicação que tanto aprecio: a correspondência!
Eu li, reli, tanto alegrei-me, porém demorei em aceitar esse especial convite.

Seria uma viagem. Era preciso acomodar-me para que pudesse apreciar a paisagem.

Demorei para encontrar aquele espaço, aquele momento para que eu realmente abraçasse o convite e me lançasse nessa viagem.

Mas quando pude realizar essas palavras convidativas, foi mesmo uma viagem incrível!


Sou uma leitora - nada voraz - tenho um tempo meu, minhas fases para com os livros. Digo isto porque já me lancei em desafios do instagram de ler um livro por mês, depois um por semana e senti que não funciona comigo.  

Fazia um tempo que não lia um livro dessa forma,viajando e apreciando a paisagem!

Há pouco tempo entrei em uma livraria de shopping para procurar um livro. Não tinha nada definido. Queria mesmo andar por entre as prateleiras e encontrar algo que brilhasse para meus olhos.
Que decepção... As grandes livrarias foram tomadas por livros de séries, youtubers, pilhas e mais pilhas desses gêneros.

Se são ruins ou não, nem saberia dizer pois nunca os li. São na realidade uma tendência de mercado.

Saí da livraria sem comprar nada e alguns dias depois, os correios me entregam esse delicioso presente!

Fiz várias xícaras de chá para acompanhar a leitura e foi uma agradável viagem dia após dia, página a página!

Esse livro é uma dessas coisas incríveis que acontecem aqui pelos blogs!
Obrigada!

Filhos e o criar asas


Projeto: Na casa da vizinha, uma blogagem coletiva mensal organizada pelas meninas Tê Nolasco do blog Bolhinhas de Sabão para Maria e Cris Philene do Prosa de Mãe.

Esta será minha primeira participação e quero agradecer à Tê e Maria, que eu já conheço e também à Cris, que estou tendo a oportunidade de conhecer através dessa interação que as blogagens proporcionam! E claro será muito agradável conhecer outras mamães que estão participando. Sem contar que tem mamãe que também é avó e corta as asas se for preciso!!!

Filhos e o criar asas tão cedo

A vida me colocou uma experiência, que claro, a princípio foi de extrema dor - eu tinha doze anos quando minha mãe morreu e que depois a dor se tornou uma doce lembrança e me possibilitou ressignificar muitas coisas.
Essa experiência jogou luz na maneira como eu crio os meus filhos.

O "criar asas" sempre esteve à voltas nesse meu processo de maternidade, mas sem peso, sem tristeza, sem medo, foi algo simples e que acontece aos poucos.

Como sou filha única e não tenho família próxima, cada oportunidade que surgia, dos filhos dormirem fora, era algo muito positivo. Mas, como disse anteriormente, nós, os pais, respeitamos as individualidades: minha filha com dois anos já aceitava o convite, o filho, na época com quatro, simplesmente não queria.

Então passamos por todo o processo em que a escola tem um espaço grande, seja nos passeios, excursões, noite de pijama em casa de amigos, muito bem.

Sei que pode soar estranho, mas eu sempre fiquei muito tranquila, nada de coração na mão! Checada as condições de segurança e afins... eu me alegrava com a situação.

Quero nessa interação abordar a fase bem adolescente dos meus filhos e sei que a Chica passa pelo mesmo agora com o neto.
Meu filho tem 15 anos e a menina, 13.

E acho essa a idade mais difícil e perigosa e já falo disso logo mais.

Com 15 anos meu filho se locomove sozinho para a escola, pela cidade de ônibus e uber, porém isso só é possível porque aqui a cidade é segura. Esse é um dilema: como soltar numa cidade, num bairro inseguro, violento?

Esse soltar do meu filho foi acontecendo: um dia eu não pude ir buscá-lo no kumon e ele voltou sozinho para casa ( anteriormente eu o levava e comecei a ficar na esquina para que ele entrasse sozinho; depois combinei que esperá-lo em uma rua próxima e assim se deu até que ele veio sozinho para casa, disse ser tranquilo e passou então a ir e voltar só ).

Moramos próximo à escola da menina, no primeiro mês eu a levava, depois vendo várias crianças indo sozinhas também a deixei ir só.

Vez por outra eu peço uma passada na quitanda para que me tragam uma alface ( e chega em casa uma escarola! ), tem mocinho comprando seus próprios itens de higiene e assim vamos seguindo.

Junto a tudo isso, acho importante que essas asas que vão ganhando mundo encarem as limitações, as frustrações, as dificuldades. O crescimento e aprimoramento emocional é grandioso nesse processo.

O perigo das asas:

Como disse acima, acho essa a fase mais perigosa. Por quê?
Porque educar, criar, ensinar, cuidar é maravilhoso e é cansativo. Por mais que exultemos a maternidade, o cuidar, existe um cansaço que talvez nem seja físico. Então essa fase "adolescente grande" é maravilhosa para se ter um pouco de sossego - dê dinheiro ao seu adolescente e liberdade a ele e você terá momentos de paz...

Estou presenciando isso: muitos pais soltam completamente nessa fase e temos visto muitos adolescentes bebendo e usando drogas. Amigos de minha filha de 13 anos fazem "festinhas"em casa à base de vodca ( cadê os responsáveis ? ).

Não senti aperto no peito quando eram pequenos e sinto agora com o filho moldando seus sonhos, falando inclusive em ir morar fora do país.

Bem, aos menos não se precisa mais usar ficha DDI para ligações internacionais ( sou dessa época! )

Vou finalizar apresentando meus filhos!

Bernardo, quer ser engenheiro aeronáutico.


Júlia, começa o ensino médio ano que vem e nunca termina de assistir a série Grey's Anatomy ( e eu fico sem o computador )


Dar asas, podar um pouco as asinhas é viver!
E é maravilhoso viver com esses seres que nos inspiram dia a dia!


quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Qual o meu lugar mágico?


Hoje tem festa! Ou melhor, hoje começa a festa que promete durar por nove dias!
Estamos festejando o aniversário de blogue da querida Rosélia. São nove anos de blogosfera, de postagens e principalmente de interação.
Ainda não tive a oportunidade de abraçar a Rosélia pessoalmente, já vi e me alegrei pelos encontros que ela promoveu, participou.
Então meu desejo de que essa festa seja alegre, cheia de interações e que venham muitos mais anos de blog!

O tema proposto para essa festa com blogagem coletiva é: Qual o meu lugar mágico?

O silêncio é meu lugar mágico.
E eu fui ao longo de muitos anos aprimorando esse silêncio.
Primeiro era o som chiado que saía da boca da minha mãe com o dedo indicador em riste a frente dos lábios. O silêncio me chegava como reprimenda.
Lembro-me também dos quadros que haviam nos hospitais; uma enfermeira solicitando silêncio. Era um silêncio triste, sussurrado.
O silêncio como uma diminuição dos ruídos, trazia-me alento. Eram tantos os sons da grande metrópole, que um pouco de pausa, de menor volume, trazia alívio.
Hoje entendo o silêncio como um grande espaço no qual posso me recompor, descansar, ouvir, estar presente.
A ausência de ruído é quase impossível. Seja nas grandes cidades, seja num lugar isolado - lá sempre haverá um grilo, um pássaro... isso é som afinal!
Eu preciso estar em silêncio, silêncio interno para poder ouvir com amor os que estão a minha volta. 

E aqui eu quero contar algo que para mim foi um presente.

Certa vez, eu li em um outro blog, um comentário que a Rosélia deixou por lá e eu recolhi e guardei em meu coração.

Ela escreveu que era possível encontrar esse silêncio, fazendo às vezes, um pequeno retiro em nosso próprio quarto.

( Será que você se lembrará disso, Rosélia?! )

Foi um presente que ela me deu sem saber.

Muitas vezes, os blogs, as nossas palavras podem ser um presente, um alento, um sopro de ânimo para alguém.

Eu bem sei que estou mais ausente nesses últimos tempos, mas também tenho a certeza de que é nesse espaço dos blogues que as melhores coisas acontecem!

Parabéns Rosélia!


Se você quiser participar ou desejar os parabéns para essa grande amiga, passa lá!

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Crianças

Cresceram. São adolescentes, serão sempre crianças!
Uma das coisas agradáveis dos blogues, é que muitos, como esse meu, têm um pouquinho, ou muito, de fatos pessoais. E ao longo dos anos a gente vai acompanhando a vida, o cotidiano, o crescimento dos bebês, das crianças ( e deixa nosso envelhecer pra outra hora! ).
Perguntaram-me carinhosamente " E as crianças? "
Resposta fotográfica!













segunda-feira, 6 de agosto de 2018

A minúscula revolução

Mais alguns anos e eu terei meio século de vida. Tempo suficiente para poder olhar para as muitas mudanças, transformações pelas quais passam o mundo e nós também.
Durante muito tempo, eu achava que a grande mudança, por mim vivenciada, estava na era digital.
Do orelhão de ficha aos smartphones.
Da máquina fotográfica analógica e seus filmes a revelar para a instantaneidade das fotos digitais.
Não me esqueço também do escândalo das minissaias que moças de família não deveriam nunca usar, para a era dos "shorts". Fosse vivo meu pai, ele teria saudades das minissaias comparando-as com os shorts da atualidade!

Eu gosto de pedir para meu marido relatar a chegada do fogão à gás lá na infância dele.

"Ficamos todos os irmãos, doze, lado a lado ali na cozinha, dava para ouvir o coração disparado um do outro. Ah! E quando vimos a chama azul acesa..."

Grandes transformações políticas, sociais.
Silenciosas mudanças pessoais.

E eu tenho me deparado com uma minúscula revolução: a escrita com ausência de letras maiúsculas.

A primeira vez que soube de tal acontecido, foi em algum jornal impresso que falava de um autor português que lançara seu livro todo escrito em letras minúsculas.
Foi o suficiente para eu desgostar, sem mesmo conhecer o tal escritor.

Tenho motivos afetivos nascidos lá na minha infância.

Tia Sônia, a professora da primeira série, de letra absolutamente redonda, ensinou-nos com enorme paciência e creio, com enorme amor também.
"Três dedinhos"... ela repetia e demonstrava com sua mão. "Coloca junto à margem, essa linha vermelha aqui ( caderno encapado de xadrez vermelho em punho ) e faz uma bolinha com o lápis".

Assim se deu nossa iniciação no parágrafo sempre começado com letra maiúscula.

Era demorado o processo de posicionar os três dedinhos, depois fazer a bolinha. Eu fui advertida várias vezes: "Não precisa uma bola de futebol, faça um olhinho de formiga" ela me dizia com doçura na voz.

Passamos depois a usar apenas dois dedos e adiante, de maneira mágica, ou melhor, depois de muitas repetições, bastava o olhar e o lápis ficava na posições exata, sem necessidade de marcações.
Foi um longo processo.

Depois do escritor português que me neguei a ler ( depois li e me apaixonei e será um outro post! ) deparei-me nas telas do computador e do celular com várias pessoas escrevendo em minúsculas apenas.

O escritor português explicou que queria dar igualdade às letras quando concebeu seu livro.
Num site, o moço justificou-se utilizando seu conhecimento em design e estética - ele acha muito feio esteticamente a variação de tamanho das fontes. Passou ele mesmo a escrever apenas em letras minúsculas.

E agora, especialmente na plataforma instagram, tenho encontrado muita gente escrevendo sem fazer uso de letras maiúsculas. Modismo? Facilidade? Rapidez?

Essa minúscula revolução tem mexido comigo.
Sigo aberta a olhar, compreender, reproduzir, questionar.

Além da saudade desse cantinho que é formado por vocês amigos que me lêem, também quero saber: já aderiu à essa minúscula revolução? Gosta, desgosta, nunca, talvez? Me conta e também me desculpa por tanta ausência!

Beijo

*beijo especial para a menina Aleska que foi um sopro de inspiração!

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Com amor

Sem amor é o título de um filme que concorre ao Oscar 2018 na categoria de filme estrangeiro.
Não sei absolutamente nada sobre a premiação desse ano. Não assisti a nenhum dos filmes indicados, apenas um comentário num programa de tv falando e mostrando algumas cenas do "sem amor". Pais sem conexão alguma com o filho, sem o mínimo de afeto. Não senti vontade de assistir ao filme, embora deva ser interessante. Infelizmente não se trata de uma história inédita. Há mais crianças, filhos sem amor do que a gente queira saber...

Mas eu quero mesmo falar é da cena de filme que vi há pouco na rua, enquanto passeava com o cachorro. 
Fosse um filme, o melhor título seria : Com amor e com torcicolo.

Enquanto eu esperava o cachorro terminar a sua "cheiração"num pedaço de grama, avistei ainda distante uma bicicleta que vinha titubeando, tipo eu, depois de trinta anos sem pedalar!
À medida que a bicicleta se aproximava, recolhi-me mais ao canto para dar passagem, num misto de receio e curiosidade.

O homem estava bem equipado "de ciclista". Capacete, roupas. Pareceu-me mesmo alguém experiente nos pedais. Mas por que o ziguezague?

Bem mais próximo, notei e exclamei!
Havia uma cadeirinha própria de levar crianças acoplada logo atrás do homem.
Ali sentada estava sua filhinha. Também devidamente equipada: capacete de ciclista-mirim, cinto de segurança.

Mas...

A pequena adormecera. Talvez o embalo, talvez o cansaço das brincadeiras, enfim, ali no banco de trás da bicicleta, uma menininha dormia.
O pai, segurava com o braço direito o guidão. O esquerdo, se contorcia para trás segurando a cabecinha da criança.

Passou meio vagaroso e cambaleante por mim e ao ouvir minha exclamação sobre o adormecer da garotinha, ele disse, entre o desconforto da situação e um certo orgulho do heroísmo: "Minha filhinha dormiu!"

Amanhã certamente ele acordará com torcicolo!

Com amor, que assim sejam os pais!

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Um presente, uma celebração

Nas proximidades do Natal, chegou-me um pequeno texto que me fez brilhar os olhos.
Pensei em transcrevê-lo naquelas semanas de compras, correrias, para refletirmos sobre o significado de um presente.
Desisti.
Eu não estaria sendo verdadeira, uma vez que não faria nada daquilo que teria escrito.
Entrei no meio da correria, da confusão das ruas e lojas, do consumismo.
Presentear é algo que eu desejo realmente melhorar.
Não quero presentear a partir de listas, ou como tenho feito aqui em casa, a partir de necessidades - um tênis de presente porque assim já fica para a escola...
Quero presentear como o texto que me chegou.
Quero presentear como o presente que me chegou e já já conto sobre ele!

[...] Os americanos construíram uma base no próprio polo Sul. Cientistas e equipes de manutenção moram ali por meses a fio, completamente isolados do mundo. Houve um ano em que noventa e nove pessoas comemoraram o Natal na base. Uma delas tinha levado noventa e nove pedras e as distribuiu como presentes de Natal, guardando uma para si. Ninguém  via uma pedra havia meses. Alguns não as viam fazia mais de ano. Nada além de neve, gelo e objetos criados pelo homem. Todos ficaram parados, sentindo a pedra entre os dedos. Segurando-a na mão, sentindo o peso, sem dizer nada. *

E foi de maneira surpreendente que chegou um recado avisando-me que, ela, uma blogueira querida havia se deparado com algo que tinha tudo a ver comigo, era a minha cara. Não hesitou em comprar e me presentear, assim sem motivo, sem datas especiais.

O carteiro seria o responsável por trazer-me a preciosidade!




Ah! Que especial foi abrir aquele pacote!
Fui presenteada com significado! E amei cada detalhe, do recado, a espera do correio, a vontade de abrir tudo rasgando pacote feito criança, mas queria fotografar para dividir a alegria aqui!

Então com essa alegria quero celebrar com vocês o sétimo ano do blog.
Nestes sete anos tanta coisa se transformou. Aqui já foi uma varanda, uma sala cheia de visitas no meio da tarde, e eu oferecendo café, chá e suco. Correndo nas vizinhas também para um dedo de prosa, ou uma escuta demorada.
Seguidores, comentários, blogagens coletivas, polêmicas, incômodos, alegrias maiores que tudo.
Desanimei, parei um tempo por motivos além de minha vontade, percebi que parando, a gente vai perdendo a mão.
Já fiz críticas aos que trocaram essa agradável praça por outras. Hoje compreendo, e hoje também vejo o quanto gosto desse ambiente, desse formato, dessas pessoas que aqui perseveram.
Os anos nem importam mais. Importa a continuidade ( mesmo que minha frequencia aqui seja descompassada! )

Quando comecei com o blog, sentia realmente que aqui era um espaço virtual, apenas isso.
A convivência foi me enriquecendo. Aprendi a aplaudir ideias de afinidade, a respeitar e refletir nas ideias divergentes. Fui aos poucos percebendo o jeitinho de cada um e o que era virtual, expandiu-se para um calor, uma vontade de abraçar!

E as costuras que nos unem de um blog a outro são incríveis!
Meu presente foi feito à mão por um outro blog que eu adoro estar!
Nunca imaginei que o mundo é pequeno aqui entre os blogs também, e hora dessas a gente se esbarra e se abraça e celebra a alegria que os blogs nos proporcionam!


Leitores queridos, é muito bom essa partilha por aqui!

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

As surpresas da vida


Escrevi a uma amiga, uma breve carta por esses dias onde eu desnudava a minha incapacidade de compreender a imensidão do que é ser avó, avô.
Tenho teorias, livros lidos, programas, filmes, tudo muito discursivo, mas o sentimento me é distante.
Meu velho pai, como encontrava energia, disposição para cuidar-me?
Queria ouvir a resposta pelas palavras dele. De certa forma também sei que a resposta se resumiria em uma palavra - amor.
Penso que meu pai adotando-me em avançada idade para aquela época, era um  pai-avô. Possuía algo que costuma ser típico dos avós, muita paciência!
Levava-me a passear todos os domingos. Tenho muitas fotos, algumas lembranças dos parque aonde íamos.
Esse da foto é o Parque da Água Branca em São Paulo.

Eu não sei muitas coisas sobre meu pai. E ele nunca soube de algo sobre mim.
Eu tinha cinco anos de idade e lembro-me bem pois foi exatamente nessa época que um revés financeiro, levou-nos a morar na casa de meus avós paternos.
Talvez o semblante de meu pai deva ter se entristecido tanto, perdido brilho ou algo que eu nem mesmo soube, mas eu olhava para meu pai e pensava com desespero em sua morte.
Minha mãe colocava-me na cama e logo depois papai aparecia no quarto para dar-me um beijo.
Eu esperava ansiosa por esse momento e assim que ele saía e encostava a porta, eu me punha silenciosamente a chorar deixando-me ser tomada por esses pensamentos de que logo ele não estaria mais comigo.

Nunca perceberam meu choro. De alguma forma eu sentia que não devia contar-lhes essa angústia e ela ficou comigo por vários anos.

Passou, depois vieram-me as orações em meu auxílio e por fim o maior de todos os ensinamentos trazido pelas mãos de ninguém menos que, a própria vida.

Enquanto eu tinha um medo avassalador da morte aproximar-se de meu pai, ela, a morte, chegou sorrateira e tomou as mãos de minha mãe. Minha jovem mãe que era 27 anos mais nova do que ele.

Foi uma das lições mais duras que recebi em tenra idade. Não há controle. A vida surpreende com seus mistérios.

Tristeza? Não só.
Teve muita música! E daquelas de arrastar sandálias!


Era sanfoneiro e dos bons meu querido papai José Augusto!






segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

O velho pai

Já deve estar fazendo uns dois anos que li uma crônica em que o autor descrevia sua felicidade por ter adotado, aos 80 anos, uma linda bebê.
Interrompi a leitura ali mesmo no primeiro parágrafo para mentalmente bradar que ele era insano, que adotar uma filha bebê aos oitenta anos era absolutamente um ato de loucura.
Até que algo dentro de mim gritou também - ei, ei...

Quando eu cheguei na vida de meu pai, também adotada, ele tinha 56 anos.

As estatísticas de expectativa de vida medidas pelo IBGE começam na década de 40 marcando uma média de vida de 45,5 anos.
Pesquisas indicaram que os nascidos em 1900 viviam em média 33 anos.
Sendo assim, para papai José Augusto nascido em 1915,  literalmente já estava vivendo em bônus, de lambuja, no tempo extra como se diria na gíria. Tão louco, tão insano quanto o cara da crônica.

Ambos, papai e o cronista, e tantos outros, deixaram as estatísticas de lado para se basearem em uma única fórmula, o amor.

Lendo o que escrevi, pode até parecer poético e com rara beleza. Eu levei tempo para abraçar essa beleza. Na infância porém, não era nada disso que eu enxergava.

Hoje, a adoção é tão linda, tão transparente, mas naquela época em que eu fui adotada, tudo se resumia em ter sete chaves e trancar e esconder esse fato a todo e qualquer custo.

E claro que não funcionou. Cresci com o sentimento de que havia algo de errado que me escondiam, afinal, puxe pela memória ou olhe as estatísticas - as pessoas casavam-se jovens e tinham filhos ainda jovens, por volta dos vinte e poucos anos.

Ter um pai de 62 anos quando eu entrei no primário, era praticamente uma aberração.

"É sua netinha?" - foi a pergunta que mais ouvi na infância. Depois vieram os comentários maldosos, no sentido de não enxergarem que poderiam estar me causando um sofrimento. Colegas de escola me falavam que eu estava sendo enganada que ele deveria ser meu avô e não meu pai, ou mesmo que meu pai deveria ser outro. Então concluí que eu era filha de mãe solteira, um estigma para a época, e que aquele bondoso e velho homem me assumira como filha. Todas essas elucubrações eram feitas silenciosas e envoltas em lágrimas, mantidas também com sete chaves para que meus pais não soubessem de meu sofrimento.

Claro que todo esse sofrimento foi dissolvido. Gosto dessa qualidade da memória de poder se moldar, acrescentar, decantar os fatos.
Fosse a Ana Paula criança a escrever, leríamos coisas difíceis.
Chuva, sol, invernos, natais, calendários depois a gente tem a dádiva de enxergar além, muito além das limitações da época.

Ninguém ousava dizer a uma criança que ela era adotada. Filhos adotados eram revoltados. Esse era o adjetivo imperativo daquela época.

Também senti vergonha de meu pai. Enquanto via a aparência jovem dos pais de meus colegas nas comemorações do colégio, cheguei a sentir vergonha da aparência velha de papai e sim, me envergonho é dessa atitude que tive.

Papai José Augusto me cuidou com esmero, possibilitou minha vida. Um bebê jogado, sozinho sem cuidados vive apenas alguns dias. Fui cercada de mimos! 
E cercada de histórias também, porque afinal ele tinha seis décadas de histórias quando pude compreendê-las e isso foi maravilhoso!




segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Centenário de papai


Essa homenagem, para que fosse exata, deveria ter sido feita há três anos.
Troquei a exatidão pela vontade e fala do coração e assim, só agora é que rendo homenagens à meu querido pai, celebrando aqui o centenário de seu nascimento.

Comemoramos juntos essa data muitas vezes, não com bolo, mas com manjar de coco com calda de ameixa, seu doce predileto.


Esse é o José Augusto jovem, que eu não conheci.


Aqui, o meu papai Zezinho. Quando ele tirou essa fotografia, eu tinha oito meses de vida. Demorei a apreciar sua aparência que o fazia parecer com poetas famosos!

Eu tenho tanto a escrever sobre ele... Espero que consiga deixar registrado aqui neste diário virtual um pouco desse homem que tornou minha vida possível.
Não seguirei nenhuma ordem cronológica. Acho que o próprio ato de escrever faz aflorar memórias. Algumas tenho clareza, outras irão mesmo me surpreender.

Então fica o convite para conhecer um pouquinho da minha historia entremeada à de papai!