domingo, 31 de agosto de 2014

Dilema no bolso


Este livro custa R$29,90 em uma livraria.
Este mesmo livro numa outra livraria sai por R$9,90.
Em qual das livrarias você vai comprar?

Parece simples. Será mesmo?

Antes da minha resposta, eu quero repostar uma fotografia antiga. Antiga? É de 10/12/2012.


Antiga não é uma adjetivo adequado, afinal a foto não tem dois anos ainda.
É que não sei se esta livraria ainda existe. Encontrei-a numa viagem que fiz à Curitiba. Encantei-me por tudo o que eu encontrei adentrando a estreita porta vermelha. Não havia meio termo para esta pequena livraria: ou ela iria muito bem ou fecharia. 
Confesso que preferi não fazer uma pesquisa no sabedor de tudo, o Google, com medo da resposta.
Sigo acreditando que se algum dia eu voltar lá, lá ela estará. Ou antes disto, num surpreendente comentário a ser deixado neste post, algum leitor do meu blog afirmará que também continua leitor na Poetria.

Mas, de volta àquele problema semelhante ao dos livros iniciais de matemática, ainda estou com dificuldade na minha resposta.
Meu marido foi enfático - optou sem titubear pelo mais barato acrescentando - "E se for bom, poderei comprar ainda mais dois livros para presentear pelo preço de um".

Tentei argumentar com todo o meu romantismo quase choroso sobre as pequenas, que há muito foram engolidas pelas grandes; e agora as grandes, as mega livrarias correm o risco de serem engolidas pela gigante. E os empregos, o olho no olho do vendedor, quiçá alguma indicação, o encontro com outros leitores do mesmo autor?

Marido não se sensibilizou. Disse que se tal livraria pode vender a nove reais é porque a outra está ganhando muito. E terá empregos lá na gigante também.

Bem, estou falando da gigante virtual, amazon.com.br, que aportou em solo brasileiro com descontos entre 50% ou 60% em alguns títulos, com a prática de chegar a perder dinheiro para atrair clientes. E o mercado editorial teme que esta política a longo prazo provoque a falência das livrarias concorrentes e crie um monopólio da Amazon.

Tenta-se buscar uma saída como já existe na França, onde durante algumas semanas após o lançamento, um livro tem que manter um preço fixo para somente depois surgirem as promoções em cima do título.
Enquanto nada se decide, você pode ou não aproveitar os bons preços e aproveitar para nos contar o que pensa a este respeito.
Beijo.

17 comentários:

✿ chica disse...

Em primeiro lugar, devo dizer que esse livro é muito bom. Meus neto na Inglaterra leu em inglês e neno , o nosso. E adorararm.

Quanto à diferença de preços é danada mesmo. Um belo dilema. Acho que quem quer fazer um estoque de livros, a hora é essa.Comprar barato. As outras, terão que deixar de ganhar um pouco! Elas ganham muito e a qualquer pedido, estradulam nos fretes.

Claro que o risco existe, mas aí cabe a quem de direito, uma política que norteie tais negociações! beijos,chica

Cristiane Marino disse...

Eu também sinto falta das pequenas livrarias, com atendimento personalizado, onde as pessoas realmente entendiam de literatura e de livros.
Aqui em São Paulo a Livraria Cultura e Fnac acabaram engolindo inúmeras pequenas livrarias, o que é uma pena.
Agora com a chegada da amazon, a disputa entre estas três grandes vai ficar bem acirrada.
Não sei no que isto vai dar...
Eu prefiro comprar livros semi-novos na estante virtual, quanto mais um livro circula, menos papel é consumido e menos árvores são cortadas. O preço é sempre muito baixo e tenho tido ótimas experiências, a maioria dos livros está novinha, quase sem uso e chega super rápido.
Bjs e ótima semana

Amara Mourige disse...

Lembrei do filme "Mensagem para você" na história fiquei com muita pena da proprietária de uma linda pequena livraria!

Minha opção é comprar mais barato na mega livraria ou adquirir pela Internet. Infelizmente aquelas pequenas livrarias fofas e aconchegante estão acabando, aqui em Niterói algumas foram fechadas!
Beijos
Amara

Poesia do Bem disse...

Aqui na cidade nem livraria tem. Uma moça amiga tem uma loja onde vende artigos religiosos e roupas infantis colocou alguns títulos, poucos mesmo, na cidade vizinha só tem numa loja, mas sempre em poucos números.

Rafaella disse...

Não sei por ai, mas os atendimentos por aqui em livrarias é um fracasso, ninguém sabe nada, de nada e te atendem com cara ruim...
Em todas...
Então prefiro pagar mais barato!
Bjs

lis disse...

Estamos tendo muita dificuldades em achar livrarias na cidade.Não tem ou as opções são pequenas.
Há aquela corrida para a compra online, porque facilita muito a vida,
Com certeza se encontrar desconto não perco , independente de como os donos de livraria vão administrar isso rsrs
É a luta pela sobrevivência _ cada qual dando seu jeito rs
um abraço Ana

Verinha disse...

Olá Ana
Passando para te ler.
Entendo seu sentimento. Minha Ana quer ser dona de livraria, então o pai que é administrador inundou seus sonhos com números e probabilidades. O assunto foi este mesmo as grandes empresas monopolizando tudo e a todos.
Para se mantiver tem que colocar algo a mais para cativar os leitores e como os livros são muito caros as pessoas vão optando pelas ofertas que só as grandes livrarias podem oferecer e onde fica o autor no meio disto tudo?
Esta tendo retorno? Ou esta sendo liquidado também.
Um grande abraço.

Verinha disse...

Olha ela aqui Ana.

http://poetrialivraria.wordpress.com/

Calu B. disse...

Assunto pra lá de temeroso pra nós, românticas de plantão, Ana.Sabe que me veio á lembrança o filme : Mensagem pra você, com o Tom Hanks, que ilustra bem esta realidade materialista.Dá mesmo uma tristezinha ao pensarmos neste aniquilamento das livrarias bucólicas, cheias de charme, lirismo e acolhimento personalizado.
Fiquei sonhando acordada na porta da tua imagem e segurando nas mãos um exemplar deste livro que estou doida pra ler.
Vamos abrir uma destas em sociedade:D, que tal? Sonhar é permitido,rsrsrs
Bjos mil,
Calu

Tina Bau Couto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tina Bau Couto disse...

Eu sou do tipo de comprar no calor do momento, por emoção, sem comparação, por consideração, incentivo e tb por promoção.
Bem ariana!

Vale p outras coisas esse meu princípio. Já comprei coisas de comer ou vestir q sabia serem caras, mas por poder e agradecendo por isso e contabilizado o prazer, assim foi e pronto.

Tenho as vezes necessidade imediata p dar um livro ou desejo imediato de ler, necessidade de pegar, dar uma olhada, vê se rola química e a internet ñ permite isso.

O barateamento dos livros por essa Amazon e a venda a bx custo por outras livrarias e sebos virtuais implicam no custo do frete e p ñ haver esse valor embutido, mais consumo p se chegar a um valor e isso as vezes n me agrada ou ñ corresponde a um custo benefício, além do tempo de espera que mencionei.

Penso que de positivo esse baratês possa promover uma queda geral de preços que sempre digo ñ acho caros na maioria, comparados a lanches, cerveja, ingressos...

Ah eu queria ir nessa livraria e fazer parte desse sonho ou real parceria com Calu e vc.

Quero ler esse livro e espero ver por aqui, ai e acolá pequenas livrarias, profusão de livreiros e menos leituras em massa, menos modinhas e mais livros de qualidade, mais valores agregados ao objeto livro, aos objetivos da leitura, escrita, compra, venda, doações...

Filha de José disse...

Te confesso que nem sempre faço essa reflexão como você fez. Ainda mais se for pra comprar livros e tiver um bem mais barato que o outro. Compro onde tiver mais barato. Nas livrarias pela internet ou aqui na cidade mesmo.

Mas valeu sua reflexão. Fez-me pensar.

Ana Vi

Ana Bailune disse...

Bom dia!
É por isso que muitas pessoas deixam de ler: esta falta de respeito ao consumidor! Fico furiosa quando compro alguma coisa e depois vejo bem mais em conta em outro lugar. Para mim, é o fim: não volto nunca mais.

Moro em um Kinder Ovo disse...

Deixando a alma de poeta de lado, damos a este movimento o nome de mercado. Pode ser um monstro, pode facilitar para muitos, derrubar outros e em ondas que se sucedem vai se renovando. Para as almas do poeta restam as livrarias charmosas que ainda sobrevivem como vi no comentário acima.

Luís Fellipe Alves disse...

Gosto muito de uma promoção. E venho acompanhando promoções absurdas, e pela minha matemática realmente deve haver algum prejuízo, a priori, que posteriormente vira o lucro-juízo. Um lucro advindo do "prejuízo". Parece loucura, mas deve ser aquele mesmo sistema de vender 5 tortuguitas a 2,00 e fazer uma pessoa interessada em apenas uma tortuguita comprar as cinco.
Bom, eu acredito que umas regrinhas para os lançamentos faria bem pra deixar a competitividade mais 'saudável'. Vamos ver!

Claudia Menegatti disse...

Oi Ana Paula,
Escrevo aqui feliz ao encontrar a foto de nossa pequena livraria em seu blog. Sim, estamos sobrevivendo. Nada fácil, mas imaginamos mesmo um mundo com lugar para os pequenos e grandes, onde o prazer da leitura encontre vários espaços, para todos os tipos de leitores. Nossos leitores são apreciadores da qualidade dos livros, da conversa sobre literatura, do café e da leitura calma. Muito emocionada ao encontrar essa foto e suas palavras. E se puder vir a Curitiba, nos avise, queremos conhecê-la! Segue o email direto da livraria; poetrialivros@gmail.com
um abraço, Claudia Menegatti

Graziela disse...

Ana voltei para dizer que fui a Poetria hoje e ela estava aberta, linda e maravilhosa. Que encanto.
Alem de tudo conversei com a dona a Claudia e comentei sobre seu post, ela educadamente pediu o endereco do seu blog e o comentario dela esta' ai em cima (ate' me emocionei quando vi).
Vale a pena ser resistente aos grandes/ gifantes e fazer diferenca na vida das pessoas.
Quando vier a Curitiba novamente ja' sei aonde tomaremos um cafe' (o convite esta' feito amiga :)
Abracos
Gra'