terça-feira, 15 de novembro de 2016

Sinal vermelho

Aceitei a carona.
Diz o ditado que para baixo todo santo ajuda, mas descer a ladeira de carro, foi providencial!
Mel é minha vizinha de andares abaixo. Nossas meninas e meninos são amigos, mas nossas conversas ainda estão incipientes.
Meio sem jeito, sentei-me no banco da frente naquela sexta à noite.
Falando rápido, Mel relatou-me que seu dia havia sido tão corrido pois ao ir fazer a matrícula de seu filho, percebera que tinha perdido a carteira de identidade dele.
Prazos, correrias, poupatempo e a pergunta que ela disparou: "Ah Ana, você tem jeito de ser organizada, não deve perder papéis, né?"
E foi com a face iluminada pelo reflexo da luz vermelha do semáforo que eu dei aquela resposta evasiva do tipo, é, não.
Nem houve tempo para estendermos o assunto porque bem rápido chegamos.

Na manhã seguinte, aquela luz vermelha me incomodava.
Abri a gaveta da secretária ( jeito português que li por aí para significar escrivaninha! ).
Estavam lá os papéis.
Eu não perco papéis.
Eu simplesmente me perco nos papéis...

Bugungun lerden bugun está num pequeno pedaço de papel retangular.
Olho fixo tentando buscar o que me fez anotar aquelas palavras. Nada encontro.
Vou para o google.
Você pode no acreditar, mas, às vezes, o próprio google fica confuso.
Nesse caso, ele me indica uma série de palavras com trema e cedilha debaixo da letra s que não me levam a lugar algum.
Ou melhor, vou para o lixo reciclável e deixo o tal bugun ali.

Nesse outro papel sou mais bem sucedida!

"Uma das dádivas de ser escritor é que a profissão lhe dá uma desculpa para fazer certas coisas, ir a alguns lugares e explorá-los. Outra vantagem é que escrever nos motiva a olhar a vida mais de perto"- Anne Lannott.

Esse eu me lembrei porque anotei! Era o trecho de um livro sobre escrita criativa e a autora falava que frequentemente, sob a desculpa de ter que escrever, ia para algum café e passava manhãs e tardes lá a escrever.
Ah, poder trocar o chiado da panela de pressão por uma mesa próxima a uma árvore que farfalha, um café e um papel...
Mas sempre penso se não vão desconfiar de alguém que pede um café e passa a tarde inteira ocupando uma mesa? Ou será que tem que pedir um café atrás do outro? Deixa pra lá e vamos ao próximo papelzinho.

"Compotas de pêssego e tangerina, drops de melancia, trufas de chocolate, barras de menta, biscoitos amanteigados, bolos, pirulitos e outros doces, todos enriquecidos em sua preparação com uma calda de maconha". ( Ruy Castro ).

Por que diabos eu anotei isso?

Não precisa se preocupar, caro leitor.
Meu desempenho culinário não vai além de bolinhos de chuva que não necessitam de calda alguma; é só fazer uma chuvinha de açúcar misturada com canela e pronto.

Mais um para reciclagem. E assim abri um bom espaço na escrivaninha e na mente.

Sinal verde agora para novas anotações! Com esforço e dedicação para escrever de onde tirei aquilo e com qual finalidade. Será que consigo?!

Alguém mais com papeizinhos?

E antes de finalizar, anota aí em algum papel: archetier - fabricador de arcos de violino. Vai que você precise para alguma postagem, não é?!

Beijos!

10 comentários:

✿ chica disse...

Tive que rir, Ana! Casualmente em meio ao pó que circula nessa casa pós lixação, tenho que revirar tudo e aqui na minha mesinha tinha de tudo.

Vi quantos e quantos avisos pra mim mesma do que queria escrever na caderneta de anotações de temas para os blogs.

Sou assim: vem uma inspiração, anoto e depois guardo(???????)

E assim que tantos guardados foram achados e colocados diretamente no lixo pois não lembrei nem me inspirei mais neles, rs...

Caduquice batendo !!

Gostei de te ler! E vamos em frente com mais e mais anotações... bjs, chica

VITORIO NANI disse...

Enquanto lia seu texto, lembrava desta música.
Abraço e boa semana!

Nana disse...

Muito bom kkkk mesmo que eu não tenha esse hábito por odiar acúmulo de papéis.
Bj e fk c Deus.
Nana
http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br/

Poesia do Bem disse...

Por aqui eu me acho nas minhas bagunças e rabiscos, o marido é que é todo certinho, guarda que digo a ele que esconde e assim eu fico desorganizada hehehehe
Amei teus papéis e anotações

Poesia do Bem disse...

Por falar em anotação,tem leitura e voos com a menina voadora no blog

Roselia Bezerra disse...

Bom dia, querida Ana!
Minha bagunça é bem organizada e sei achar tudo que preciso, meu quarto é meu mundo e papeis são meu forte... Se bem que os arquivo e rasgo logo... estou tentando guardar o minimo de coisas possíveis... está valendo a pena!
Bjm muito fraterno

Felisberto N. Junior disse...

Olá, Ana Paula...me fez lembrar que foram escritas, mais ou menos assim, as minhas primeiras postagens no blog. Passei um momento nada bom na minha vida e tive que ficar horas em filas de esperas , em consultórios, hospitais etc e tal...e sempre levava um caderninho e uma caneta. Ficava rabiscando, anotando palavras e até textos inteiros. Tanto que minhas primeiras postagens ,por catarse ou pura coincidência, eram melancólicas, tristes e por isso meu blog se chamava (IN)FELIZ...outros tempos,vida que seguiu e a minha secretária ( como vc escreveu) já está vazia daqueles papéis, pois os publiquei todos...
Boa continuação da semana,belos dias,beijos!

Clara Lucia disse...

Escritor tem mania de anotar coisas... Menos eu. Não que eu seja uma escritora, mas gosto de escrever. E não anotava nada! Perdia tudo e não me lembrava nem que arrancasse o cérebro pra ler com os olhos. Triste. Daí perguntei pras amigas escritoras e me sugeriram anotar tudo em qquer lugar que eu esteja, de gravar no celular, enfim, não perder o fio da meada de uma ideia momentânea. Tem dado certo... Mas ainda não usei os guardados pra escrever. Coisa esquisita, viu? Quando vou escrever é tudo numa toada só. Começo, meio e fim e pronto! Sem pesquisar novas palavras, sem ler anotações nem nada... Mas vou mudar, tenho que mudar...
Engraçado, Ana, que as pessoas imaginam nosso jeito de um jeito que nunca somos, não é? Fico curiosa com isso também.
Outra coisa que faço muito é observar. Ah, isso eu faço mesmo. É um prato cheio pra criar personagens...
E perguntar muito e tudo também. Isso é ótimo!
Beijos!

As Mulheres 4estacoes disse...

Olá, Ana Paula!
Eu procuro anotar numa agenda ou caderno que tenho exatamente para esse fim,porque tudo que anoto em papéis soltos, perco ou acabo jogando fora junto a outros.
Um abraço,
Sônia

Celina Pereira disse...

Ana Paula,
boa tarde!
Te encontrei agora mesmo, na homenagem para a
Chica pelo teu post 1000.
Vou voltar sempre, escritora!
E acho também que você ficaria com problemas de
tanto café servido para ter o direito a ocupar o
lugar na cafeteria agradável, com som de árvores
farfalhantes.
Um abraço.