segunda-feira, 5 de junho de 2017

A oração funciona?

Há uma história, a qual eu gosto muito, que se propõem a responder essa indagação: a oração funciona?
Quero partilhar com vocês. Está no livro "A energia da oração"


Era uma vez um garoto de seis anos de idade que tinha como animal de estimação um ratinho branco. O ratinho não era bem um animal de estimação, era o melhor amigo do garoto. Um dia, o garoto e o ratinho foram brincar no jardim. O ratinho entrou num buraco do chão e não voltou mais. O garoto ficou muito triste. Achou por um instante que não valia mais a pena viver sem o ratinho. Ajoelhou-se, juntou as mãos e orou fervorosamente para que o ratinho voltasse. Rezou de todo o seu coração. Rezou da maneira como via sua mãe fazê-lo, e murmurou para Deus a seguinte oração: "Eu creio em vós, ó Deus. Sei que, se quiserdes, podereis trazer de volta o ratinho".

A criança ficou de joelhos e orou com toda sinceridade por mais de duas horas. Mas o ratinho não voltou. Finalmente muito triste, entrou em casa sem o ratinho.

Durante sua infância, rezava sempre que alguma coisa ruim acontecia. E o que pedia nunca se realizava. Nos anos da escola secundária, não acreditou mais na oração.

O garoto, agora um adolescente, matriculou-se nas aulas de música no colégio católico que frequentava. Um senhor idoso, de voz trêmula e bastante doente, dava as aulas. A primeira coisa que o professor fazia de manhã, antes de começar a aula, era uma oração. Rezava durante uns quinze minutos, o que não agradava muito a nenhum dos alunos. Sua maneira de rezar não era muito interessante nem cativante. Antes de começar, sempre perguntava: "Alguém de vocês tem alguma coisa que quer que eu peça?"Tomava nota daquilo que porventura alguém dissesse e então começava a orar na intenção de cada um.

Muitas vezes pedia coisas muito simples como: "Amanhã vamos a um piquenique, portanto dê-nos bom tempo e não chuva". Para o nosso rapaz, esses quinze minutos de oração antes da aula eram puro aborrecimento. Ele não acreditava em nada. Apesar disso, o professor continuava rezando sinceramente todo dia.

Certa vez, entrou na sala uma garota chorando inconsolavelmente. Disse que fora informada por seus pais que sua mãe estava com um tumor no cérebro. Tinha muito medo de que sua mãe morresse. O professor escutou-a com atenção, levantou-se, olhou pela classe toda e disse:

"Se houver alguém na sala que não queira rezar conosco, pode sair e ficar no corredor. Os demais, vamos rezar pela mãe desta moça. Depois de terminada a nossa oração, pedirei a alguém que vá até o corredor e avise a quem saiu para que volte".

O rapaz pensou em sair da sala, porque não acreditava na oração. Mas alguma coisa o fez ficar em sua carteira e ver o que ia acontecer. O professor pediu que todos inclinassem a cabeça, e começou a orar. Sua oração foi muito curta, mas sua voz era forte. Com a cabeça inclinada, de mãos postas e olhos fechados, disse: "Muito obrigado, Senhor, por curares a mãe desta moça". Foi só o que disse.

Duas semanas depois, a garota contou à turma que sua mãe estava recuperada. Uma tomografia do cérebro revelara que não havia mais vestígio do tumor.

Este milagre restaurou a confiança do rapaz na capacidade de cura da oração, confiança esta que havia abandonado há bastante tempo. Começou, então, a rezar por seu professor de música, que estava outra vez muito mal. Rezou com sinceridade. Rezou de todo o coração pela saúde do professor de música, mas um ano depois, o professor morreu.

Há muitas reflexões que essa historinha pode nos trazer...

A oração é uma ponte!


6 comentários:

Graça Pires disse...

Não sei responder, Ana Paula. A oração é um grito de socorro, uma ponte entre que pede e que dá, uma forma misteriosa de pedir... Qual a razão pela qual alguns são atendido e outros não, não imagino...
Gostei da tua narrativa.
Uma boa semana.
Um beijo.

✿ chica disse...

Que lindo, tão reflexivo e profundo! Acredito que a oração é mesmo uma ponte ...E chega lá do outro lado ,independente do modo , digo com as palavras que foram ditas. Não gosto de decorebas, nem palavras certinhas até nas orações.Peço, falo do meu jeito,como se falasse com um amigo entendido de tudo e capaz! Gostei muito! bjs, chica

Poesia do Bem disse...

Oração é uma conversa com Deus, nem sempre Ele nos atende a nosso modo, mas tem o melhor para nós, mesmo no sofrimento, ainda assim aprendemos ser pacientes, corajosos, resilientes, enfim orar é ponte

Ana Bailune disse...

A oração nem sempre é atendida da maneira que a gente quer. Mas creio que alguém sempre escuta, e faz o que pode.

Cristiane Marino - Mulheres em Círculo® disse...

Puxa, Ana Paula, acho que a forma como oramos faz toda a diferença.
O professor orou como se a cura ja tivesse acontecido, com gratidão, a maioria das pessoas ora pedindo, implorando...aí acho que não funciona tanto ...
Bjs

Pandora disse...

Para mim oração é terapia. Nem sempre o que se pede acontece, mas trás uma sensação boa é realmente uma forma de atravessa um rio de ir de um lado do problema ao outro, mesmo que as coisas não terminem como eu desejo ou quero ou espero a oração me ajuda a atravessas as coisas...