domingo, 8 de junho de 2014

Cobrança em universidades públicas

Ao longo de tempo aprendi que onde há "muito barulho"quando algo está acontecendo no país, ao mesmo tempo uma outra coisa silenciosa, "na surdina"vai passando despercebida da grande maioria.
O barulho agora vem por conta da copa do mundo. Agitação, euforia, afinal, agora estamos no centro do mundo, dos noticiários internacionais. 
A surdina, dentre tantas coisas obscuras que estão acontecendo, vem de uma questão que diz respeito à Universidade de São Paulo, a USP, e a reflexão sobre o fim da gratuidade para alunos que possam pagar mensalidade, e que obviamente acabará envolvendo todas as universidades públicas.
Problemas com a folha de pagamento, acusações de má gestão, problemas de indicação de um reitor ou outro, enfim todo esse balaio político traz à tona a discussão.
Outros especialistas, apontam a questão de justiça social para justificar a cobrança dos que podem pagar mensalidade. Seis em cada dez alunos têm condição econômica de pagar mensalidade. Outros receberiam bolsa parcial de 50% e outros ainda, a gratuidade.
Seria hora de mudar?
Diversos países adotaram sistemas de cobrança em universidades públicas.
Eu ainda sou a favor da gratuidade para todos os alunos de universidades públicas. Penso que não adianta cobrar mensalidades e continuar com o ensino de base fracassado. Cobrar e aumentar vagas, bolsas parciais ou totais não vai sanar o problema na base. Mas, gostaria de conhecer a sua opinião.
Deve-se cobrar de quem pode pagar?

12 comentários:

Cristiane Marino disse...

Oi Ana Paula, eu estudei na USP e me formei há quase 25 anos, e desde quando entrei na faculdade, volta e meia saiam esses comentários, de que haviam projetos nesse sentido e nunca foram adiante.
Eu estudei a vida toda em escola pública e depois fiz faculdade pública. Se fosse cobrada qualquer taxa eu não poderia ter cursado.
Acho que é importante manter a gratuidade do ensino nas universidades públicas, porque para definir quem tem condições e quem não tem, o sistema precisaria ser muito correto e justo, coisa que infelizmente no Brasil não acontece, daria muito espaço para corrupção.
Além disso, nos outros países as condições são completamente diferentes, não podemos comparar por exemplo o sistema educacional francês com o brasileiro. Lá as escolas públicas são de uma qualidade inimaginável para os padrões daqui.
Bjs e ótima semana

✿ chica disse...

Tema que faz pensar... Acho que a gratuidade deve continuar e deve haver investimentos do governo pra ajustar e suprir os gastos para que o ensino possa ser ministrado da melhor forma possível!

Nessa época de Copa, não aparecem problemas... Aqui em Poa estão escondendo os pedintes, os que dormem nas ruas Fazendo AQUELA faxina...
Assim e ainda mais em ano eleitoral, esse tema não itá pra frente, acredito! beijos,linda semana,chica

Pandora disse...

Nunca! O acesso a universidade pública já é difícil para a maioria da população, sem a gratuidade seria impossível!!! Nós, os favelados do mundo, veríamos nossas chances diminuírem muito mais e Deus sabe como já são poucas!!! O fato de haver quem possa pagar pela escola não faz com que ela deixe de ser um direito para todas as pessoas!!! O ensino superior não é um direito propriamente dito, mas de forma nenhuma a universidade pública deve deixar de ser pública. O Brasil é um país que apenas muito recentemente conseguiu colocar todas as suas crianças na escola [com a ajuda do bolsa escola/bolsa família] tornar o ensino superior privado seria uma perda, um retrocesso, um pesadelo educacional...

thalento arnônimo disse...

Estudei em universidade pública, assim como a minha esposa. Sou simpático à ideia de ensino pago, desde que o valor seja condizente com a condição socioeconômica de cada aluno. Só que infelizmente não creio que o fim da gratuidade fosse melhorar a qualidade do ensino.

Moro em um Kinder Ovo disse...

A universidade pública e gratuita nem sempre atende aos que mais precisam porque oriundos de uma escola pública os alunos carentes não tem acesso a uma educação de qualidade que permita o seu acesso em igualdade de condições com aqueles que vieram de escolas particulares, caríssimas e que disponibilizam um ensino de melhor qualidade. Conclusão: este é um país muito mal administrado e as soluções não são simples e um pode ou não pode resolve tudo

Tina Bau Couto disse...

sou contra a cobrança
Sou contra o acesso de quem tem condições de pagar uma faculdade particular
Sou contra as cotas por raça
Sou contra o noticiário, as pessoas, um pais inteiro parar por causa de um grande, maravilhoso e adorável evento esportivo, mas um evento entre todos os outros que como os pratos dos malabares não podem parar de girar
Sou contra as artimanhas políticas nessas e outras tomadas de decisões, mudanças e segundas intenções na coxia desse grande evento as portas de uma eleição
Nos achamos modernos, conectados, antenados e somos tão atrasados, cegos e facilmente conduzidos e ludibriados como boiadas
E tenho dito!

Poesia do Bem disse...

Concordo com vc Ana, a universidade deve continuar gratuíta e o ensino superior de boa qualidade para formar bons profissionais , desde meu tempo antes da formaura ouvia falar: Pagou passou. E hoje compreendo bem o que seja isso. tenho aqui amigas professoras que só tinha magistério e foram fazer Pedagogia a distância, terminaram o curso e não sabem nem o que são as fases , hipóteses d a escrita, dai não têm como avaliar a escrita das crianças, garatujas etc... E se fossem médicas? matavam muitos, até pq já estão matando, quebrando fases, não ajudando-nas no que precisam

Poesia do Bem disse...

Tem novidades no blog, venham ver pessoal. Bjs

SANTA CRUZ disse...

Ana: Nada me admira aqui em Portugal sempre se pagou nas Universidades, só não se paga nas escola básicas do primeiro até ao décimo segundo. nas universidades ou institutos sem se pagou.
Beijos
Santa Cruz

Luma Rosa disse...

Oi, Ana!
Deveria estudar em faculdades públicas apenas quem não tivesse condições de pagar uma particular e essa triagem deveria ser feita, mas não é. O Prouni, descobriu que mais de 60% dos alunos possuem situação econômica para custear seus estudos, isto quer dizer, que esses alunos estão tirando o lugar de quem não tem condições de pagar e a universidade tem gastado mais do que recebe. Mas é absurdo o que querem cobrar! Aqui no Rio algumas universidades ja fecharam e me parece que a Unesp também está em crise. Quer dizer, no Brasil tudo vai de ruim para pior.
Sou contra o pagamento de mensalidade. O governo vai tirar oportunidade de muita gente capaz.
Boa semana!
Beijus,

manofernandes disse...

Ana Paula, na minha opinião, deve ficar como está. Tudo gratuito. O Paulo Maluf já tentou em tempos idos colocar pagamento da escola para quem podia pagar e a quantidade de atestados de pobreza que os mais abastados conseguiram foi muito grande. Então... deixa como está que está funcionando.
Beijo,
Manoel

Luís Fellipe Alves disse...

Ana Paula, vim tarde a esse post, mas vim! Como aluno de uma universidade pública, discordo da cobrança. É responsabilidade do Estado dar um jeito na situação, assim como dar uma educação básica de qualidade para que todos possam ingressar de forma justa nas melhores universidades do país.
Quanto a pessoas que tenham condições de bancar uma universidade particular, não acho que devam ser proibidas de utilizar o ensino superior público. Porque existem muitos cursos que atingem a excelência somente em universidades públicas e ter dinheiro não deve tirar a sua oportunidade de entrar num curso de excelência. Porém, acredito que o sistema de seleção deveria ser diferente. A preferência dada aos que não tem condições. E não um sistema de cotas.