segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

A velocidade da vida

Já tem um tempo que, conversando com uma amiga, decidimos em comum acordo parar com "ah, estou sem tempo, ah não tenho tempo para nada". Reclamar da falta de tempo virou uma mania, um vício que não vai modificar o andar dos ponteiros ou qualquer medidor de tempo digital.
É dentro de nós que precisamos apaziguar o fluir do tempo. 
Fato que nos dias atuais o aumento das tarefas, trânsito, tudo isso demanda sim tempo e ele pode ficar apertado para determinadas coisas. Mas há que se respirar profundamente para cessar essa correria toda!
Nessa semana que passou, chegou-me em momentos diferentes, três "coisas" que falavam do mesmo assunto: a vida apressada.
Um artigo, um programa de tv e depois uma mensagem extraída do facebook que me foi envidada por e-mail.
Compartilho então duas dessas mídias.
O programa de tv tem trinta minutos.
E o texto, não é meu. A fonte é o facebook/Ensinamentos do Pai.

A VIDA FAST

Atualmente tudo virou fast, queremos cada vez mais velocidade em tudo, não temos tempo para mais nada, e quanto mais veloz, melhor. Não importa a idade, desde criança pequena, com seus joguinhos, à pessoas de idade. Tudo parece que se globalizou com o FAST.
Essa correria e rapidez da vida moderna está fazendo nos afastar do vivenciar, do aprender esperar e do comportamento.
As coisas lentas têm seus ensinamentos, seus aprendizados. Vivemos em um dia todas as sensações: amamos, odiamos, confiamos, traímos, e todo resto. Tudo isso acontecendo numa velocidade alucinante. Estamos precisando aprender algumas coisas que fazem a vida valer a pena de ser vivida. Não temos mais conversas, músicas, precisamos baixar com rapidez, frases curtas, caretas para expressar o que desejamos ou sentimos.
As pessoas estão esquecendo que a rapidez de tudo está matando dentro de nós valores essenciais para nossa praticidade de vida, do comer ao se relacionar, tudo ganhou uma velocidade enorme. Se nosso pedido demora um pouco, perdemos nossa paciência e nosso apetite. Se o que compramos demora para chegar, perdemos nosso interesse. Se nossas mensagens demoram a ser visualizadas ou respondidas, pronto, já estamos uma revolução e soltando o verbo. Onde fica a calma, a paciência, o respeito, a privacidade, o tempo para conversar e principalmente o tempo para refletir?
A velocidade da vida moderna não está ensinando a pessoa a usufruir do tempo, pois quando o temos não sabemos o que fazer com ele.
Reavalie sua maneira de viver, verifique se essa velocidade em tudo está sendo saudável. Se antes de darmos o 1˚beijo, não seria melhor termos uma boa conversa; se antes da 1ª transa, termos um pouco de tempo para sentirmos com quem estamos deitando, e antes de sairmos esbravejando com pessoas lentas, se não seria melhor aprendermos com elas a ter paciência, a esperar a conversar.
As pessoas modernas continuam velhas no seu interior, a velocidade só vai ser benéfica se soubermos conservar nossos valores de afeto para com os outros, porque enquanto buscamos velocidade em tudo, estamos a passo de tartaruga em construir relações e a passos de formiga em cultivar o afeto e o carinho.
A qualidade de vida está em termos afeto e carinho em tudo o que fazemos. E isso leva tempo para se fazer.
Ctba, 26/01/2016
Fonte: Facebook / Ensinamentos do Pai

Programa JC Debate


E você, está em harmonia com o tempo?! Conta aí!

12 comentários:

✿ chica disse...

Ana Paula, que bom te ver e trazendo à baila um tem tão real: o tempo, a pressa ou a falta deles!

Gostei muito do texto e no programa, existem muitas "Camilas" por aí! Tenho certeza!

Mas parece que tudo anda bem assim mesmo! E, em nome da pressa, tanto se perde, isso é certo!

Quem pelas ruas anda quase voando, não consegue ver detalhes do caminho. Isso pode ser aplicado para tudo...

O tempo, nós fazemos.Isso é certo!

Como conseguimos tempo para o que gostamos? E aquela velha trouxa de roupas para passar lá nos esperando.ou aquela pilha de "esperando remendos", que, por vezes, nem chegamos lá e acabamos por dar as peças...

É preciso uma mudança e essa não vem ou chega de fora. Vem de dentro!

Adorei te ler! bjs, chica e tudo de bom!

Poesia do Bem disse...

Pois sim corremos tanto para que? e eu ia te falar aqui antes de ler até o fim sobre o programa, que fala da síndrome da pressa, que também assisti e me interessei muito, e vejo até na crianças algumas dificuldades de aprendizagem devido a síndrome do pensamento acelerado que nós pais acabamos ajudando a desenvolver apressando para tudo.É necessário parar e sim administrar o tempo, sem pressa

Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Oi Ana Paula,

Também concordo, quando as pessoas se encontram geralmente dizem: E aí tudo bem? e a outra responde: Ah, na correria...
Eu me recuso a dizer que estou correndo, que não tenho tempo...
Eu vivo no meu ritmo, tento estar em presença em tudo o que faço e percebo que assim o tempo se dilata, também tenho evitado distrações, resolvi determinar um tempo para ficar no computador e não excedê-lo, sinto que as tarefas rendem mais e ainda sobra tempo para meditar, tocar piano, desenhar, ler....
O tempo é a gente que faz.
Bjs

As Mulheres 4estacoes disse...

Boa noite,Ana Paula!
To aprendendo a dizer não para coisas que não me acrescentam e que deixam o meu tempo mais escasso.
Colocar um limite tem sido primordial para que sobre tempo de fazer o que me da alegria.
Um abraço, Sônia.

Moro em um Kinder Ovo disse...

Hoje esta é a música que determina o meu ritmo:
"Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe?
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Nada sei".
Bom demais da conta ver você entre os fios e as linhas do bordado.

Tina Bau Couto disse...

O senso de urgência coletivo me irrita
Uma pressa, um viver tudo num dia só, numa noite só
Um n querer crescer, n querer envelhecer, uma briga com o calendário, relógios...

Fazer nada nem pensar pensa a maioria
Eu meço o tempo de formas variadas, acompanho ele e ele6 me acompanha sem horas marcadas, sem desespero
Fiz planos de ver Procurando Dori no cinema a dois ou três anos atrás e parecia longe, olha 2016 aqui

Não planejo, deixo pra depois, faço nada
De tudo um pouco
Na do Eclesiastes e no perfil das limitações e ilimitações das minhas condições, idade, disposição

É um senhor tão bonito o tal do tempo
Pra de comer de lambuzando
Não é?

Felisberto N. Junior disse...

Olá, Boa tarde, Ana Paula
"fast", correria e rapidez da vida moderna, afastamento do vivenciar, do aprender esperar , pressa, barulho, síndromes... são temas bem recorrentes, dentro do contexto globalizado e intensamente competitivo dos tempos atuais, onde parece até impossível fazer tudo de forma mais lenta ...creio que é natural sofrer uma certa cobrança -ser mais rápido, apressar- tanto na vida profissional quanto na pessoal,porém, não devemos subjugar às expectativas do outro,sob pena de vivermos sempre sob altos níveis de estresse, ocasionando os problemas físicos e emocionais- citados tanto no texto como no vídeo- pois, como diria Chaplin "Não sois máquina! Homens é que sois!”...por isso, concordo com a educadora Juliana -do vídeo-temos que "nos perceber", a pressa tem que ser consciente, mesmo que o ritmo "corporativo", do dia dia , seja de "muita pressa!".Pois, como está no texto,a qualidade de vida está em termos afeto e carinho em tudo o que fazemos, ou seja, significa colocar mais atenção no que se faz e simplesmente viver mais e melhor! ...já fui muito "desarmônico" em relação ao "tempo", mas ,melhorei muito, hoje "não tenho pressa,mas,não perco tempo", ando calmo e silencioso, entre o barulho e a pressa e por isso a sensação desagradável e angustiante que sentia -de que estava lutando contra o tempo- não existe mais...
Agradeço pelas palavras,pelo apoio e pelo carinho, em meu blog, belos dias, beijos!

Calu B. disse...

Oi Ana,
o Tempo, este senhor tão bonito se faz presente indelevelmente, sempre e com tal magnitude que a tudo nele conferimos, em tudo nele confiamos, por tudo com ele repartimos...este senhor tão bonito rege com mão férrea nossas sinfonias.Sabermos dividir a batuta com ele é de suprema relevância. Requer apuro de visão emocional e detalhamento das reais importâncias na vida para que possamos largar o "Fast" e acolher o "Slow", saboreando cada segundo harmônico que o senhor Tempo pode nos proporcionar.

Ainda estou em treinamento.Me aperfeiçoando, creio, porém insistentemente aguerrida ao tempo de cada coisa( ser/fato) e por cada coisa a seu tempo.

Adorei o mix que vc nos trouxe.
Te desejo Tempos de floração.
Bjos,
Calu

Graça Pires disse...

Realmente corremos demasiado atrás de tudo e de nada... Boa reflexão.
Beijo.

CamomilaRosaeAlecrim disse...

Concordo com o que vc disse...que a velocidade será interessante e boa para nós se mantivermos nossos valores, respeito e compromissos com nosso próximo.
Assunto a se pensar com certeza, adorei seu texto!
Beijos Ana!
CamomilaRosa

Roselia Bezerra disse...

Boa Tarde, querida Ana Paula!
Sou tartaruga e agora desfruto feliz do meu tempo de descida da montanha... após 60, tudo se torna mais lento e vivo mais serenamente... me alegro com poder apreciar a beleza da vida sem pressa e sem urgências ao meu redor... mas cumpro alguns horários e me faz bem também... não posso viver inerte pois ainda tenho energia em mim...
Nada com pressa me agrada mais... sinceramente!
Bjm muito fratenro

Bia Hain disse...

Ai, Ana, meu tempo sempre me parece tão curto... sei que é culpa minha não administrar melhor isso, rsrsrs, mas tenho feito muitas coisas que gosto mesmo trabalhando, e isso é ótimo! Não esqueci minha promessa no post sobre fotos no meu blog, segue o link do painel de fotos que fiz e que agora já mudei para o formato retangular: http://homeopatiadoamor.blogspot.com.br/2014/02/renovando-casa-gastando-pouco-pap-mural.html

Tomara que não vá para a caixa de spam, rsrsrs!
Abraços!