quarta-feira, 26 de junho de 2013

O pé do menino

O dia amanheceu
poder-se-ia dizer comumente
não fosse a teimosia
do pé do menino
em espichar
Sabe-se lá a que horas
da madrugada
e no sapato não mais entrava
Assim mesmo
contundente

Pôs-se a mãe a chorar
um novo e maior sapato
ela precisava comprar

Choveu. E ela recordou
o menino bebê
a ninar

A infância de malas 
pronta a partir
em qualquer amanhecer
por vir

Foram porém as mãos
as mãos do menino
que amainaram seu coração

Carregava o azul nas mãos
traquinagens
pique esconde
pipas a voar

Sabe-se lá a que horas
da madrugada
a infância vinha buscá-lo
para brincar
comumente
com o amanhecer.



13 comentários:

✿ chica disse...

LINDO!! E dá uma coisa na gente por dentro ao vê-los crescendo, crescendo. Ainda bem que foram só os pés..As mãozinhas ainda brincam...beijos,chica

Moro em um Kinder Ovo disse...

Poemas fofos? Este é especial porque nasceu na alma de quem ama muito.

Tina Bau Couto disse...

Por aqui pés que cresceram também e mãos onde já não vejo mais tintas, massinha de modelar, animais da fazendinha, pininhos, legos, livros de contos de fada.

Os livros, jogos e filmes, são de guerra, estratégias, tudo muito barulhento, agitado, sem cor, sem cheiro de terra molhada, sem caras e bocas engraçadas.
Sem doçura nas palavras, sem minha presença.

E há que se deixar braços, pernas, pés, mãos esticar e junto com o sofrer, torcer para que saibam voar e pousar, pelo crescimento de dentro acompanhar o de fora, por pelos trilhos da vida a fora, cores diversas serem seus pares.

Segue link de mais histórias de meninos que crescem:
http://pequenocaminho.blogspot.com.br/2013/05/fases-de-meninos.html

Diácono Gomes Santa Cruz disse...

Ana: Além de lindo é um poema tão fofo adorei.
Beijos
Santa Cruz

Ivani disse...

Oi Ana querida, voce como sempre arrasando nas rimas. Gosto de voce poeta, fica perfeita!
os meninos crescem apenas na madrugada, sem que a gente perceba. è assim mesmo. Deve ser coisa de muleque!
ando meio sumida porque não consigo ficar mais do que 2 minutos sentada.
Mas está melhorando, logo tudo fica normal. Beijos.

Os Mosqueteiros! disse...

E-M-O-C-I-O-N-A-N-T-E!
Adorei! Principalmente a parte da "infância de malas prontas a partir"... tão lindo, tão poético, tão verdadeiro. Vou usar no futuro, posso?

Bjos e bençãos.
MIrys
www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

Anne Lieri disse...

Ana Paula,que poesia mais linda!As crianças crescem quando menos se espera...rss...adorei te visitar!bjs,

Patricia Galis disse...

Que lindo e as fotos então...adorei!!

Luma Rosa disse...

Oi, Ana Paula!
Dizem que as crianças crescem enquanto dormem :) Mas a criança traquina sempre estará à espreita, esperando o dia amanhecer! Um poema que nos puxa a lembrar de coisas muito boas da infância! Beijus,

Amara Mourige disse...

Aqui tem um menino, e suas mãozinhas estão sempre assim coloridas!Lindo poema!
Beijos
Amara

Kellen Bittencourt disse...

É na calada da noite que nos roubam a infância dos nossos meninos, e um belo dia lá estão eles, maiores do que nós! Bjooooss

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Ana
A infância por aqui já se foi, agora o corpo esta crescendo e se desenvolvendo, uma já é uma adulta e mãe. sim sou avó,kkkkkkk
A outra esta namorando, as vezes me irrita estes ladrõezinhos de filhas, mas fazer o que faz parte do que ainda esta por vir a saída de casa é terrível,kkkkkkk mas que saiam para o bem.
Linda poesias e imagens de uma infância divertida.
Belo fim de semana, beijos.

Etienne disse...

A noite, o Amanhecer e a criança que cresce... dando sinais aqui e ali, nas mãos, nos pés! Lindeza, Ana! Um beijão pra você.