terça-feira, 22 de outubro de 2013

Internet Lenta

Primeiro gostaria de convidá-los a assistir a um vídeo (2 minutos e 10 segundos) para depois trocarmos ideias a respeito.


O vídeo não traz nenhuma novidade. Há muitos vídeos nesta temática, porém eu achei que este expõe de maneira muito realista o que anda acontecendo. Nos vídeos similares que eu já tinha assistido, ficava a sensação de que não era bem assim.
Este, infelizmente, aproxima-se muito da realidade que estamos vivendo.
Uma amiga blogueira postou recentemente um texto onde relata seu encontro com amigos do trabalho em um barzinho e logo a maioria estava ansiosa por ter a senha do wi fi para se conectar e aí a conversa olho no olho...

Repudiar, não é o caminho. A virtualidade, a internet, as telinhas que brilham foram criadas pelo homem. O homem é a gênese. O homem é a solução para este caos virtual que está nos afetando. Cabe a nós promovermos a mudança.
E que tipo de mudança? Desconectar, voltar ao analógico?
A internet, eu acredito, tem em sua essência coisas, maneiras, maravilhosas de ser utilizada.

Então vamos refletir sobre um novo conceito que vem ganhando força: a Slow Web.

Para entender melhor este conceito é interessante pensar na alimentação.
Em 1986 surgiu na Itália o primeiro McDonald's junto com a divulgação do Fast Food - comida rápida, industrializada, um lanchinho com preço acessível ( ? ) e logo o chef italiano Carlo Petrini resolveu difundir o conceito inverso e criou o Slow Food - comida fresca, preparada na hora, sendo apreciada sem pressa. E de lá esse movimento "slow" vem ganhando terreno mundo afora e chega agora na web.

A proposta é simples - nos dar um descanso dessa velocidade e caos digital.

A internet vai nos levando junto a uma enxurrada de informações e quantas dessas informações são realmente relevantes?
Tudo é muito rápido, a velocidade é na verdade estonteante. Impossível acompanhar tudo, mas muitos tentam, gerando uma ansiedade em ficar desconectados, em perder "alguma coisa" e com isso vai se perdendo os olhares, o abraço, a boa conversa, uma boa leitura.

Adotar a postura slow web significa ritmo, moderação. Você acessa as informações na hora certa, não são as informações que te atravessam. No estilo slow você seleciona o que quer ler, com quem compartilhar, em quais momentos compartilhar. Você não fica disponível o tempo todo. Controla os momentos on e off line.

E já existe aplicativos que selecionam as notícias para você; auxilia na elaboração e cumprimento de tarefas sem que se precise ficar conectado o tempo todo.

Se quiser saber mais, leia aqui

O que você acha deste estilo de conectar-se? 
Beijo

13 comentários:

✿ chica disse...

Esse vídeo é exatamente o que estamos venso por aí! Restaurantes em que casais saem e não conversam, etc...Por isso, meu celular é da idade da pedra e nem internet tem.

repensar é preciso! Lindo texto, boa reflexão! beijos,chica

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Bacana Ana, eu li o texto da Bia o qual vc se refere, vou saber mais a respeito deste aplicativo, estou precisando usar este método aqui em casa rs bjosss

Tina Bau Couto disse...

Acho ideal!
E sem mais do tudo que foi exposto e eu assino embaixo.
Um abraço bem slow!

JAN disse...

Oi Ana Paula!
"À medida que a Web nos aproxima dos amigos virtuais, nos afasta dos amigos presenciais."... li isso em algum lugar e é uma grande verdade.
A questão tornou-se social... e agora??
Talvez a solução seja ficar batendo na mesma tecla,sem medo de ser repetitiva... assim como vejo vc fazer neste post.
Mas... slow, tá? ;-)

Abração
Jan

Rafaella disse...

Detesto quando saio e alguem na minha mesa fica na internet pelo celular..
Poxa, a pessoa tem o tempo todo para fazer isso, esses momentos são tão bons, de risadas e coisas boas para perder na internet ;)
Bjs

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, você conhece a minha opinião sobre isso. Claro que está correto. A internet deve ser usada para informação.
Se o "bater papo" no telefone já é um absurdo, imagine bater papo na telinha do microcomputador. Como um FAST eu concordo. Seria um contato de emergência.
Nada como conversar olho no olho. Dar um tapinha na pessoa. Fazer uma cara feia. Expressar um olhar de carinho e admiração.
Isso distrai, acalma, revigora, alegra...enfim é o normal.
O Slow vale também para tv, celulares e os Ipod(tudo).
Posso ser considerado ultrapassado, mas trabalho com informática e muitas vezes sou obrigado a passar horas em frente a telinha para ensinar e aprender. Isso é trabalho. Não é diversão, né?
Beijo,
Manoel

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Ana
Engraçado porque agora a pouco vi a filhinha e o projeto de genro cada um olhando o seu celular, perguntei a eles se seria uma nova maneira de namorar online. É complicado porque as pessoas não percebem o quanto é indelicado ficar mexendo no celular em uma conversa, não tenho celular no momento e já faz um bom tempinho que não o tenho mais, as vezes sei que é necessário mas acho que incomoda muito. Não pude deixar de rir assistindo o vídeo, chega a ser ridículo a atitude dos envolvidos. A correção seria a pessoa limitar este vicio de ficar olhando para a telinha o tempo todo. Bom ao menos na hora das refeições consigo que meus amores não os leve para a mesa, mas isso depende de cada um ver o que tem mais prioridade.
Ana obrigada pelo carinho da visita, muito bom retornar e receber sua atenção. Beijinhos e lindos dias.

Beth/Lilás disse...

Ana Paula, minha querida este assunto já não é de hoje que eu combato, já levantei lá pelo blog e, graças a Deus estou fora, meu celular não tem internet e quando quero conversar com uma amiga mais tempo, ligo da minha casa, deitadona no sofá e com a maior calma, diferente de tantos que ligam da rua, do elevador, do ônibus, da barca e sequer se importam com as pessoas à sua volta.
A Internet é fascinante, eu adoro, tenho amigos virtuais, muitos já desvirtualizei, porém não fico pendurada num site o dia inteiro como já observei pelo Facebook. Há pessoas que parecem estar observando a tudo e todos os assuntos em tempo integral, acho isso uma doideira e não compactuo. Costumo entrar pela manhã no café e depois à noite um pouco, mas nunca ficar o dia inteiro, isso consome e transforma as pessoas em dependentes totais como nesse ótimo vídeo que nos apresenta.
Assunto extenso para pouco espaço, mas foi muito bom ter levantado mais uma vez por aqui, adorei!
beijinhos cariocas




thalento arnônimo disse...

Embora eu não pratique, gosto dos movimentos "Slow", inclusive do "slow parenting", do Carl Honoré. Sou viciado na rede, mas ainda não aderi à internet móvel. Essa seria a capitulação definitiva.

A BETI disse...

Concordo que olho no olho é melhor, mas acho divertido amizades virtuais um bate papo sem conhecer e ficar imaginando.
Bjsssssssssssssssssss

Rovênia disse...

Vejo uma tristeza real! O vídeo já resumiu tudo! Beijos, amiga! :)

Luma Rosa disse...

Oi, Ana!
Faz tempo que adotei o movimento slow. Primeiro foi o slow food, depois o slow blog, slow reading.... Equilíbrio é tudo na vida!!
Beijus,

Bia Hain disse...

Oi, Ana, li seu recado! Eu gostei muito de saber que inspirei sua escrita. Esse estilo slow acabei adotando sem perceber, quando me dei conta de que a internet estava tomando um tempo demasiado grande em minha vida. Quem sabe não vire moda na contramão da velocidade de informação? E como diz a Luma, estender o estilo para toda a vida faz um bem danado para o stress...Um abraço!