domingo, 13 de abril de 2014

Explicações

Fiquei devendo explicações sobre a postagem que fiz com os ferros de passar roupas!
A Beatriz não quer que eu deixe a história pela metade; a Cristiane quer saber onde ficam as tomadas para ligar o eletrodoméstico. Acho melhor eu me explicar mesmo!

Como muitos já sabem eu não tenho carro, tampouco sei dirigir. Fiz esta escolha. E com todas as dificuldades dos nossos transportes coletivos e nossas calçadas, ou passeio público como são chamados em algumas regiões, serem péssimos, sigo firme, paciente e aproveito para aprimorar o olhar por onde passo.
Estar à pé me permitiu escolher entre dois itinerários: um que seria subir por uma avenida movimentada e o outro que seria adentrar por um parque/bosque com a dificuldade de enfrentar uma escadaria para a subida.
Escolha pelo bosque/parque.

Na ida me deparo com com uma tenda montada e várias roupas penduradas em cabides balançando suave com a brisa. A tábua, o ferro, uma outra tenda cheia de pratinhos apetitosos e mais à frente aquela cadeira de diretor de cinema e cabos, câmeras, iluminação.
Era uma cinemice sendo gravada ali.

Ah o horário não me permitiu me inteirar do cenário...
Mas na volta, embora já tivessem devorado os quitutes, os cabides já estavam vazios, dei um dedinho de prosa com a camareira que disse trabalhar com isso há mais de vinte anos e já passou roupas nos lugares mais inusitados e disse gostar do que faz.
Pedi para fotografar a prancha com o ferro e ela assentiu e gargalhou achando muito esquisito fotografar um ferro de passar roupas.
Guardei a foto e quando me deparei com a matéria do ferro cheio de tecnologias que se conecta ao celular, lembrei das fotos feitas no parque, juntei tudo e coloquei uma pitada de imaginação de quem adora escrever!

Tá aí a história Beatriz! Cris, a tomada só aconteceu por conta da equipe de filmagem e a Luma tem toda razão em dizer que não se deve passar roupas ao ar livre!

A maioria das leitoras daquela postagem declarou não gostar de passar roupas. O que é muito bom.
Neste momento estamos passando por um período de seca em nossos reservatórios de abastecimento de água e a consequência evidente se refletirá na geração e abastecimento de energia.
Eventos que se tornarão frequentes e já está nos fazendo refletir e mudar  hábitos de consumo. Em relação à água, obrigados ou não, já estamos mudando. E é preciso mais. É preciso englobar também o consumo de energia consciente - ir muito além de tirar aparelhos da tomada. A questão das roupas também passa por esta ótica.
A tecnologia já colabora com a produção de novos tecidos que não amassam; pendurar de maneira correta, alisar com as mãos, tudo vale na hora de repensar essa atividade, já que o ferro é um grande consumidor de energia ao lado do chuveiro elétrico.

7 comentários:

Poesia do Bem disse...

Aqui em casa mal passou roupa, sempre compro de malhas que evitam amassar e cuido bem para que ao sairem do varal sejam dobradas, uma vez outra que se passa do marido, ou um vestido da Alice hehee

Pandora disse...

kkk Eu ri agora! Não sei se gostei da explicação... Tem coisa que é melhor deixar como está para que a gente possa ficar imaginando... Mas, a parte isso, também não dirijo por opção... tenho pensado se vale a pena aprender, mas vacilo, exito e me pergunto para que se onde desejo chegar chego...

Não sei se gostei do post... Estou em duvida... kkkkkk

A Menina das Ideias disse...

Passar roupa ao ar livre? que loucura! kkk ai essa tecnologia que me mata a cada dia de rir!
Eu bem que ía recomendar comprar daquele tecido que não amassa, mas agora que abril está na metade, eu acho que vai começar a chover bastante de novo Ana. Abril é o mẽs das enchentes.

✿ chica disse...

rs..adorei as explicações e rendeu bons papos e comentários esse ferro,não?Adorei! bjs, linda semana,chica

Moro em um Kinder Ovo disse...

Sabe qual o melhor pedacinho da Ana Paula? O olhar. O seu olhar consegue captar cenas inusitadas que rendem um lindo texto. Mas tenha cuidado com o nariz porque ele pode se meter em lugares onde não foi chamado e as consequências podem ser terríveis.

Cristiane Marino disse...

Oi Ana Paula,

Puxa que história incrível essa de passar roupa no parque! Eu achei que realmente era vocÊ quem estava passando as roupas lá.
Eu acho que vou na contramão da maioria, porque gosto de passar roupas! Coloco a prancha na sala numa altura que fique compatível para passar sentada e coloco um DVD para ver um filme enquanto passo, ou mesmo assisitr uma aula que tenha perdido (estou fazendo um curso em que as aulas são gravadas em DVD ou baixadas na internet para que quem faltou possa ver).
Acaba sendo um momento de relax…Gosto de ver a roupa dobradinha e perfumada esperando para ser guardada.
Mas aqui tenho muito cuidado com a questão da energia também. Só passo roupas que fiquem realmente feias se estiverem amassadas. Jamais passo lençóis, toalhas, pijamas, roupas de usar em casa e etc… Só mesmo as roupas para trabalho e passeio.
Bjs querida gostei muito deste post

manofernandes disse...

Ana Paula, achei essa postagem genial. Soluciona um monte de futuros problemas, conscientiza e é simples assim!
Um beijo,
Manoel - Blog do Óbvio