quarta-feira, 18 de maio de 2016

Vontade de carimbar

Acordei assim: com vontade de carimbar!
E correu o dia e a vontade não me deixou, então à noitinha...


Não me recordo como conheci um carimbo.
Talvez tenha até sido uma caretinha feita de caneta no dedo indicador e levado rapidamente a apertar a folha branca de um papel.
Uma lembrança forte que tenho quando falo de carimbos vem de uma amiga da minha infância. 
Certo dia, no início do ano escolar, ela apareceu com uma pequena caixinha retangular de metal que abria delicadamente e de lá, segurando por uma espécie de argola que se dobrava, ela carimbou seu nome em vermelho: K. B.
Ah! Que elegância!
O nome próprio era curto e incomum. O sobrenome, apenas um.
Mostrou-me todos os livros carimbados com seu nome a substituir etiquetas.

Aguei de vontade e descrevi para meu pai como era o tal carimbo, a caixinha, a argola que dobrava, a pequena tira onde se pingava a tinta vermelha.
E alguns dias depois, ele tirou do bolso de seu paletó, um embrulho.
Era o meu carimbo.
Que decepção.

Mais parecia um tijolo. Não havia caixinha, argolinha.
Era um largo pedaço de madeira.

Bem, meu nome não tinha a elegância do dela.
Para começo de conversa, um nome composto; depois dois sobrenomes unidos por um "do". Não caberia mesmo numa delicada caixinha de metal!
Até que usei, um tanto contrariada, mas usei.

Uma caixa com carimbos da turma da Mônica foi um presente que ganhei de aniversário!
Comprei para meus filhos quando menores. Tudo tão diferente. Só havia uma base de plástico para todos os carimbos. Tirava um e encaixava outro.

Carimbei bastante até a vontade saciar!
Adorei ter encontrado um carimbo de serrote!!!

E agora quero saber, você carimba?!

11 comentários:

Ana Paula disse...

Que legal!
Bj e fk c Deus
Nana
http://nanaeosamigosvirtuais.blogspot.com.br

Felisberto N. Junior disse...

Olá,Ana Paula...quando criancinha, ganhei presente de uma tia, carimbos com a turma da Disney, só me lembro que a almofada era azul e que carimbei a torto e a direito. Depois, quis o destino, fui trabalhar em um banco , na seção de cobranças e meu serviço era basicamente carimbar "liquidado" nos títulos e, nesse caso, surpreendi-me e à todos pela minha velocidade. Depois, quando fui comissionado -bancário , ganhei meu primeiro carimbo profissional ,e era assim mesmo, uma pequena caixinha retangular de metal e uma espécie de argola que se dobrava, somente que a almofada era preta...ainda o tenho, bem guardado!...atualmente,tenho carimbado pouco!
Obrigado pelo carinho, belos dias,beijos!

✿ chica disse...

Ana, deu pra te imaginar "aguando" de vontade pelo carimbo rebuscado e fino da KB.

Mas se parares pra pensar, ninguém teve a chance de ter um carimbo como o que ganhaste do teu pai.

Lembro bem dos carimbos de trocar os desenhos...Uma confusão! E lembro das melecas que eu fazia com os carimbos do meu pai, que assinava seus papéis de trabalhos...Eu pegava e ficava com mãos e braços roxas da tinta...

Faz tempo não carimbo! Mas agora lembrei que quando moramos na Itália, andava naquelas papelarias e adorava ver os tais carimbos. letras góticas, letras normais, rebuscadas, simples.Um show! Mas não comprei,rsImaginas o motivo?


beijos, tudo de bom,chica

Poesia do Bem disse...

POis então Ana vem pra cá tenho carimbo de letras, meios de transporte, lendas, personagens, frutas, bichinhos hehehe, comprei sempre , mas ai em SP e trouxe para minhas aulas, as crianças adoram, tem coração, flor, elogio.Sempre saio da escola com as mãos carimbadas. Amei esses ai da imagem heheeh

Bell disse...

Eu sempre fui apaixonada por carimbos, mas não tenho nenhum.
Adorava aquelas atividade escolares em que a professora carimbava.
Achava lindos os carimbos rs...

bjokas =)

Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Oi Ana Paula,
Que beleza seu post!
Tenho vários carimbos e aprendi a fazê-los!
É muito fácil e delicioso esculpir a imagem que queremos num pedaço de borracha e depois brincar!
Bom final de semana
Bjs

Graça Pires disse...

Muito interessante esse seu gosto pelos carimbos. Posso imaginar o seu deslumbramento de criança... Eu não carimbo nada. Que estranho...
Beijos.

Clara Lucia disse...

Meu primeiro carimbo foi de batata. Parti a batata ao meio, fiz um desenho, um quadrado, por exemplo, pintei de guache e carimbei. Horrível, mas naquele tempo só a professora tinha carimbo. E carimbava nosso caderno e tudo. Depois ganhei uma caixa com vários carimbos, lindinhos, de flores, bichinhos... Ixi, isso foi no século passado! Hoje carimbo na empresa em que trabalho, mas já é outra história, rsrsrs
Beijo

Tina Bau Couto disse...

Não lembro de histórias minhas com carimbos...Acho que não me davam pois eu certamente tingiria aponta de todos os meus dedos, barra dos vestidos, carimbar papéis, tecidos, paredes, móveis...Risos

Lembro sim das aulas de artes de um tal de "Nankin" (não sei se escreve assim)
E trabalhos de tinta tipo a de carimbos pingadas em pingos d´água sob o papel, formas diferentes
E esse cheiro que me veio ao escrever, a cor azul marinho, me fez ir até o papel carbono, que eu adorava

Enfim e sem fins, lembrei que já tive vontade de ter um carimbo para marcar meus livros lembrei agora que tive, algo tipo Biblioteca particular de... ou Pertence a...
Ahhh!!! Lembrei de mais, lembrei que meu filho usava o carimbo com nome e cpf do pai por entre os desenhos que fazia e ai lembrei de mais, lembrei que no fundo de papéis de carta, uns tipo notinhas, que ainda tenho, tem carimbado o nome da padaria de meus pais

Adorei demais achar que não tinha histórias com carimbos e lembrar de tantas
Vontade que deu de carimbar!

Tina Bau Couto disse...

PS: lembrei que tive, é a vontade e não o carimbo de marcar os meus livros

E o carimbar do primeiro combo de meu comentar, era para ser carimbaria

Para fechar o corrigir, do comentar apressado e empolgado, Raul Seixas me veio a lembrança
Tem que ser selado carimbado se quiser voar
Carimbos ainda e sempre foram dados nos Correios, que assim siga sendo

E pelos Correios ainda sobrarão fundos para eu pedir que venham para mim carimbos da Veio na mala (acho q é isso), conhece essa loja?

Filha de José disse...

Ana...

Amo carimbos também.
Digo que amo esse carimbos que usamos para deixar uma folha mais delicada.
Tenho um carimbo com a logo do meu blog e também do Cartas Hoje para identificar os envelopes e as cartas que escrevo.

Mas... no serviço às vezes tenho que usar muito o carimbo. Daí eu não gosto muito. A ação de carimbar é uma obrigação, que às vezes cansa a mão.

Imagina carimbar 300 envelopes em uma manhã... Envelopar, colar e carimbar... rs. Claro que não faço isso todas as semanas, apenas em alguns meses do ano. Mas nessas horas o carimbo é um sacrifício pra mim.

Abraço