segunda-feira, 4 de maio de 2015

Elucubrações


Se eu vou falar sobre colorir? Claro que sim! Parece unanimidade, não é mesmo ?
Mas não espere que eu mostre páginas do meu livro adulto para colorir porque não o tenho e não o terei e nada contra quem o tem.
Vi a foto de uma página pintada, li que estavam circulando de casa em casa e de repente vejo em todos os lugares. Até no noticiário local falaram dos tais livros.
Do que vi pela web, não me despertou vontade de ter.
Confesso que comecei a me achar esquisita "posa, mas todo mundo está pintando, relaxando... "
Eu olhava para os jardins e florestas e achava tudo muito miúdo, não me apetecia.
Foi então que encontrei uma jovem no parque sentada próxima de onde eu estava e ao vê-la com o livro no colo, fui puxar papo.
"Não gostei, estou tentando terminar desde outubro e não consigo, é muito detalhe, para mim teve efeito inverso, fiquei foi mais estressada."
Adorei a sinceridade da jovem e fico cá com meus botões a pensar será mesmo que todo o mundo está amando?
Creio que a maioria sim.
Fiquei também a saber que existem vários 'níveis' desses livros e deve haver sim os com pintura mais fácil.
Minha elucubração sobre tamanho sucesso está no fato de que colorir os tais livros é uma maneira de ter o tempo só seu, desligar das tantas conexões e demandas virtuais e para muitos uma volta aos tempos gostosos de escola, onde a folha, saída do mimeógrafo, vinha com cheirinho de álcool.
Há famílias que se uniram na função de uma página, há quem fique só com suas cores e pensamentos, há quem já fez do livro jogo americano, vem aí os próximos títulos com gatos, moda fashion, cidades e telhados e...
Nesse mundo de tanto a fazer, um momento de pausa, de relax.


As papelarias estão felizes: abril e maio que costumam ser meses de movimento fraco, foi aquecido pela procura do lápis de cor, que, aqui na minha cidade, estão em falta.
Na lista dos livros mais vendidos, lá estão os de colorir e aposto que será presente de muitas mamães.
E então, quem por aí está pintando? E o que acha dessa forte tendência?
Beijos coloridos.

Foto: caixa de 120 aquareláveis da Juju!

7 comentários:

✿ chica disse...

Eu tenho acompanhado e vejo tantos e tantos jardins, florestas, mandalas( foi o que mais me interessou). Primeiro fiquei tentada. Mas olhei de perto e não me chamou... Comprei um pro Neno dar pra mamãe dele, mas ainda não chegou minha hora. Relaxo fazendo outras coisas.Até no IPAD tenho progaminhas pra pintar, mexer, remexer, transformar fotos, etc..., Adorei a sinceridade da moça que te falou no parque! E te ler, como sempre, faz bem! bjs, chica

Tina Bau Couto disse...

Eu acho que em meio a tantas modas pouco interessantes, essa já tá valendo mesmo com as miudezas dos desenhos e efeito pausa ainda que não consentido por espontaneidade e refletido sobre a real necessidade tão clara e possibilidades mil de se parar, de artes manuais e tal e coisas e coisas e tal

Se a moda for bordar todo mundo borda
Se for pendurar uma melancia no pescoço vai pegar
Hoje são cores, a pouco foram tons de cinza
Esse lado boiada me incomoda

Eu sempre fiz e faço desenhos, colorir nunca foi um prazer, não me relaxa
Mas pinto desenhos de jogos americanos se há um lápis para crianças a mão, pinto com crianças que estão na atividade, não que nem impressora, rabiscando com liberdade e coordenação motora que se iguale ao parceiro do colorir

Gosto de lápis cera e guache para pinturas livres, de ponta a ponta do papel, sem formas, tipo abstrato

Gosto de lápis e caneta no papel além de dedos nos teclados

Caixa de lápis de cor, blocos de papel e afins eram presentes de aniversário e Natal para mim, ainda valem como

Ir ali e comprar um livro e lápis nas grandes livrarias é um luxo, que se para terapia, tanto vale imprimir uma imagem da internet e comprar lápis no mercado, pegar emprestado
Lindos os livros
Maravilhoso movimento que me pergunto quantos estudos de mercado, a quanto já deixou de ser moda lá fora, quantos investimentos e parcerias não teve e está tendo
Para muitos vale só ter o da moda

Comprei pela net antes do boom, não deu certo a compra (do Jardim Encantado) e desencantamento me deu
Hoje alumiei com uma Vida Simples para colorir
Gosto da revista
Gosto de não ser das maiorias, do diferente
Do pintar as bordas, de fazer xilogravuras em tempos de jato de tinta a alcance de um click

Dra. Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Oi Ana Paula,

eu sou suspeita para falar, porque desenho e pinto há anos e trouxe de minhas viagens muitos livros para colorir e desenhar desde quando nem se ouvia falar disso por aqui.

Acho uma delícia mexer com tintas, pincéis, canetinhas, mas hoje em dia crio meus próprios desenhos.

Mas acho que usar um livro impresso pode ser um estímulo para aquelas que acham que não tem dom.

O sucesso desses livros foi tanto por aqui que lançaram mais de 10 tipos diferentes, inclusive com desenhos grandes, se é o que você procura.

Mas seja pintando, fazendo crochê, costurando, o importante é ter momentos em que paramos de usar a cabeça da forma usual e utilizamos as mãos num fazer que dispensa racionalizações.

Os estudos científicos mostram que trabalhos manuais ajudam a reduzir a depressão e a ansiedade.

E como você deve ter lido lá no meu blog, a conexão com o feminino sagrado se dá quando não vivemos só pela cabeça...

Então, se gosta de pintar, pinte! Se não, faça o que lhe dá prazer.
Bjs

Estela Vidal Ribeiro disse...

Sabe que também não me apeteceu? Vejo todo mundo falando, mas a verdade é que eu tenho minhas válvulas de escape e estou feliz com elas. Costuro, faço tricô e agora estou aprendendo o crochê, bem vovó mesmo. E adoro ficar de bobeira na internet, isso me relaxa! Muita coisa pra pouco tempo! Não vai dar para colorir... Fico admirando os desenhos dos meus pequenos e já me dou por satisfeita.
Beijo

querendoserblogueira.blogspot.com.br

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Eu tenho acompanhado esta moda pelas redes sociais, mas não aderi, tenho muita preguiça de colorir kkkkk acho que isto não me acalmaria, rsrs Bjosss

Ana Bailune disse...

Tenho dois, um mais fácil e o outro mais detalhado. Amo ambos. O importante é não tê-los como compromisso a ser cumprido (ou viram estresse), mas como prazer, algo para se fazer quando der vontade. Ninguém está competindo ou cumprindo metas. O importante é usá-lo como relaxamento, e não enxergá-lo como outra forma de compromisso.
Abraços.

Tina Bau Couto disse...

Perfeita colocação