domingo, 19 de fevereiro de 2012

A pérola da ostra


Confesso que não sei quem é Rubem Alves. Leio frases, pensamentos dele em vários blogs queridos e faço algumas buscas pela internet para saber mais desta personalidade, deste ser humano tão intrigante.
Vou juntando aqui e ali, mas sempre com a sensação de que falta-me aprender e apreender mais sobe ele.
Contador de histórias, escritor, intelectual, dono de um restaurante... e são tantas as suas faces.
Escrevi sobre ele porque muitos dos que lêem este blog poderão me ajudar, acrescentar, conhecê-lo um pouco mais.
Um texto e um vídeo de Rubem Alves
Beijos


Ostras são moluscos, animais sem esqueleto, macias , que representam as delícias dos gastrônomos. Podem ser comidas cruas, com pingos de limão, com arroz, paellas, sopas. Sem defesas – são animais mansos - , seriam uma presa fácil dos predadores. Para que isso não acontecesse, a sua sabedoria as ensinou a fazer casas, conchas duras, dentro das quais vivem.
Pois havia num fundo de mar uma colônia de ostras, muitas ostras. Eram ostras felizes. Sabia-se que eram ostras felizes porque dentro de suas conchas saía uma delicada melodia, música aquática, como se fosse um canto gregoriano, todas cantando a mesma música. Com uma exceção: de uma ostra solitária que fazia um solo solitário. Diferente da alegre música aquática, ela cantava um canto muito triste. As ostras felizes se riam dela e diziam: “Ela não sai da sua depressão...”. Não era depressão. Era dor. Pois um grão de areia havia entrado dentro da sua carne e doía, doía, doía. E ela não tinha jeito de se livrar dele, o grão de areia. Mas era possível livrar-se da dor. O seu corpo sabia que, para se livrar da dor que o grão de areia lhe provocava, em virtude de suas aspereza, arestas e pontas, bastava envolvê-lo com uma substância lisa, brilhante e redonda.
Assim, enquanto cantava seu canto triste, o seu corpo fazia o trabalho – por causa da dor que o grão de areia lhe causava. Um dia, passou por ali um pescador com o seu barco. Lançou a rede e toda a colônia de ostras, inclusive a sofredora, foi pescada. O pescador se alegrou, levou-as para casa e sua mulher fez uma deliciosa sopa de ostras. Deliciando-se com as ostras, de repente seus dentes bateram num objeto duro que estava dentro de uma ostra. Ele o tomou nos dedos e sorriu de felicidade: era uma pérola, uma linda pérola. Apenas a ostra sofredora fizera uma pérola. Ele a tomou e deu-a de presente para a sua esposa.
Isso é verdade para as ostras. E é verdade para os seres humanos. No seu ensaio sobre O nascimento da tragédia grega a partir do espírito da música, Nietzsche observou que os gregos, por oposição aos cristãos, levavam a tragédia a sério. Tragédia era tragédia. Não existia para eles, como existia para os cristãos, um céu onde a tragédia seria transformada em comédia. Ele se perguntou então das razões por que os gregos, sendo dominados por este sentimento trágico da vida, não sucumbiram ao pessimismo. A resposta que encontrou foi a mesma da ostra que faz uma pérola: eles não se entregaram ao pessimismo porque foram capazes de transformar tragédia em beleza. A beleza não elimina a tragédia, mas a torna suportável. A felicidade é um dom que deve ser simplesmente gozado. Ela se basta. Mas ela não cria. Não produz pérolas. São os que sofrem que produzem a beleza, para parar de sofrer. Esses são os artistas.
Beethoven – como é possível que um homem completamente surdo, no fim da vida, tenha produzido uma obra que canta a alegria? Van Gogh, Cecília Meireles, Fernando Pessoa...

do livro Ostra feliz não faz pérola ed. Planeta


4 comentários:

mfc disse...

Desta vez vou discordar.
Não vejo beleza nenhuma no sofrimento e muito menos redenção!
Há clichés que não passam a verdade por serem repetidos muitas vezes sem que nos debrucemos a sério sobre eles.
Qual o valor da doença sobre a saúde? Qual a supremacia da tristeza sobre a alegria? Qual o maior valor da infelicidade sobre a felicidade?
Ahhh... e muito menos me venham com o prémio do rebuçadinho que vamos ter depois... num depois que nunca ninguém comprovou, mas que nos acenam como panaceia para este sacrifício inglório que alguns nos teimam em aplicar!
Não... como dizia o Poeta...
"Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!"

http://www.releituras.com/jregio_menu.asp

Beijinhos

Marly Bastos disse...

Ana Paula,
Que texto lindo escolheu para nos brindar os olhos com um pouco de Rubem Alves.
Verdade única: "Ostras felizes, não fazem pérolas"
Beijokas doces e um bom recesso com muita paz.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, fantástica essa postagem. Bastante profunda e nos mostra que na dor ficamos mais sensíveis para produzir amor. Muito bom!
Bom carnaval para vocâe todos aí.
Beijo.
Manoel.

Ivani disse...

Oi Ana querida, sou "fã de carteirinha" do Rubem Alves mas não sabia que ele tem restaurante. Pode? que fã mais distraída que eu sou!
Sei que ele mora aqui do lado, em Campinas, em uma chácara. É (ou era?) professor de filosofia e teologia, e professor emérito na Unicamp.
Foi pastor presbiteriano por muitos anos, mas fastou-se da igreja por motivos pessoais.
ADORARIA encontrar-me com ele por aqui, pelas ruas de Campinas.Um dia quem sabe?
Tem um site na internet chamado "casa de Rubem Alves" conhece?
Muito bom visita-lo.
Quanto à pérola da ostra sou obrigada a concordar que a dor lapida a alma. Lógico que não é só a dor, mas ela contribui muito para a formação da personalidade.
Como dizia o poeta : "quem passou pela vida em brancas nuvens, e em plácido repouso adormeceu...
quem não sentiu o frio da desgraça
quem passou pela vida e não sofreu
foi espectro de homem
não foi homem
só passou pela vida
não viveu..."
esses versos são de Francisco Octaviano.
Li quando adolescente para nunca mais esquecer. Lindo né?
beijos querida, bom feriado.