sexta-feira, 29 de junho de 2012

A claraboia

Vocês não vão acreditar!
Nem eu estou acreditando.
Mas precisarei dividir a história em duas partes: na infância e na vida adulta.

Na infância:

Encantei-me com a palavra claraboia. Não sei o porquê desse encantamento, acho que muito mais pela sonoridade da palavra do que pelo seu significado, enfim, passei a infância gostando da tal claraboia, sem nunca ter visto uma de verdade. Era claraboia
só na imaginação. Até que me mostraram uma parede com uma meia dúzia de tijolos de vidro e me disseram que aquilo era uma claraboia. Assim cresci.

Na vida adulta:

Claraboia então era aquela parede de tijolos transparentes.
Até que eu conheci as claraboias portuguesas no blog pé de meias. Quer conhecer também? Vale a pena! Clica aqui.
Ah! Então sim, aquelas são claraboias verdadeiras. Continuaram me encantando.

Relatei aqui no blog a mudança que fizemos de um apartamento para uma casa.
E não foi fácil encontrar uma casa que coubesse no bolso, no sentido real das economias, e que não fosse tão pequena a ponto de caber no bolso, porque aí não caberia a família e o cachorro.
Lembro-me agora do momento que vim conhecer a casa. Ah! Tão linda, tão arejada, tanto sol entrando, atravessando, banheiro que não fica virado para a rua. E eu fui adentrando indecisa se entrava pela cozinha ou pela sala, e de repente já tinha gostado tanto que decidimos que aquela casa seria nosso lar.
E ainda tinha lá em cima para ver. Nossa! Tem lá em cima ainda. Dá para tirar fotos do céu, o cachorro pode se distrair e fomos subindo.
O primeiro impacto não foi nada agradável.
Subi e dei de cara com um algo branco, esquisito. Quem será que teve essa ideia tão sem estética?

  
Imediatamente concluí que poderia ser um antigo morador daquele tipo fascinado por discos voadores, ovnis, ets e deve ter construído uma espécie de base para comunicação. E aquela geringonça devia emitir luz, som. Achei melhor nem chegar perto porque de vida extraterrestre eu quero anos-luz de distância.
Poxa! Tudo tão bonito, não fosse lá em cima. Mas também nem precisamos ficar subindo, as fotos do céu tira-se daqui debaixo mesmo. E assim nos mudamos. E assim o tempo passou. E passou tanto que eu me lembrei que desde que tínhamos nos mudado eu não havia feito uma boa faxina num banheiro que fica de fora e que ninguém usa, mas que precisa ser lavado.
Munida de baldes e boa vontade fui lavar o banheirinho e quando começo a esfregar os azulejos e olho para o alto...
Não acredito no que vejo! Uma luz clareou meus pensamentos e neurônios e foi feita uma conexão incrível. Aquilo que está lá em cima dos E.T.S é o mesmo que está aqui no teto do banheiro. É uma claraboia!


Eu tenho a minha própria claraboia em casa!
Vocês acreditam nisso?!

11 comentários:

✿ chica disse...

Que legal e acho bonitas, mas não sei o motivo, desde pequena, me dão medo!! Parece que alguém vai colocar a cara lá!rs...
Mas que descoberta legal!!! E por que eles taparam co0m o pano branco? Deviam ser como eu, medrosos,rsrs beijos,chica

Tina disse...

Acredita que até então eu adorava a palavra claraboia e nem imagina o que era...rsrs
Ai! Ai!
Somos umas figuras viu.
Amei sua história, como sempre.
Qto ao seu coment em meu post gastronômico, melancia com sal pra mim é novidade. Tinha que ser coisa da mãe da menininha-magali :)
Conheço, mas nunca experimentei, manga verde com sal.
Meu carinho e cheiroca nos pequenos :)

Patricia disse...

Q ótima história!!!
Adorei!!
Uma clarabóia nunca mais será a mesma pra mim. rs
bjs

Alessandra Biet disse...

Gostei da sua historia e da claraboia, mas gostei mesmo
Foi do seu Pierini imperial, que é uma cor muito recomendada
Para fachadas, outra coisa que gostei foi da lajota, e a bege
Requer muito cuidado para assentar ...

Paara tudo!!

Vc não deve esta entendendo nada! Rsrsrs.... Deu a louca na Alessandra.

Sabe o que é?
Trabalho com acabamentos para fachadas e área de lazer e é tão automático que entro numa casa é já
Identifico (em silencio) os revestimentos de parede piso lajotas etc...
Coisa de quem esta no meio a muito tempo.

Revestimento, lajotas e claraboias cada uma com sua importância
Mas com certeza claraboias dão mais “ brilho e luz ” em uma casa.

Beijos e um final de semana iluminado para vc e sua linda família!

Ivani disse...

Ah! o comentário da Chica me fez rir!
Alguém botando a cara lá pra espiar! e o pano branco?
A Chica é uma figura!
Sabe Ana, nunca tive uma claraboia, mas também acho a palavra bem bonita.
Lembra casas europeias.
Vi um filme onde os galhos de uma árvore ficavam balancando sobre a claraboia do quarto e a moça tinha verdadeiro pavor (olha só Chica!).
Ficou gravada em mim essa cena.
Mas o seu relacionamento com elas é bem divertido. E que enorme coincidência uma bem em cima do seu banheirinho!
Que chic ter sua propria clarabóia, assim, subitamente! kkkk
beijos querida, tenha um bom dia.
É hoje a festa das crianças? bom arraiá por aí também.

Su disse...

Ana Paula, feliz em estar aqui! Estava com muitas saudades, mas sempre que tinha um tempinho vinha te ler "quietinha", rsrs... Foram corridos os dias, mas agora serão mais calmos até que outras "tarefas" do dia a dia comecem a surgir pelo caminho... afinal essa é a vida né? Termina um ciclo, começam outros...

Sua claraboia além de me divertir com a história, me fez lembrar que quando pequena eu sentia medo delas também, como a Chica, medo que alguém me espiasse lá de cima... nem ia a noite no banheiro sozinha, ainda mais de madrugada...rs Bom relembrar isso!

Beijos e super obrigada pelo carinho.

Su.

mfc disse...

Um texto muito lindo que finaliza com uma surpresa que nos faz participar do teu espanto!
E obrigado por te referires de uma forma tão linda às clarabóias do Porto que um dia fotografei!

Beijinhos,

Anne Lieri disse...

KKK...Que legal,Ana Paula!E o seu desejo se realizou,mesmo sem vc correr atras,só por pensar!Uma ótima história!bjs e boa semana!

Compartilhando Sentidos disse...

Oi Ana... Sua claraboia agora com residencia.
Quando criança, meu fascínio era a palavra carambola. Numa das casas que morei, na infância, tinha um pé carregadinho de carambola. Sinto o cheiro só de pensar. Até eu conseguir falar a tal palavrinha, foram algumas tentativas engraçadas.

Bjo e bom início de mês e semana

Tina disse...

Domingo fui na Saraiva e eis que na entrada da loja estava lá: "Claraboia", o último livro publicado de Saramago (gosto mto dele) e sorri na hora.
Ainda trago ele pra casa e terei na estante um misto de Saramago e Ana do lado de dentro do coração.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, rs...rs! Sensacional a gente poder ter a sonhada claraboia em casa. A nossa claraboia, né? rs...rs.
Adorei essa postagem e confesso que sempre ma fascinou essa palavra claraboia.
Beijo
Manoel.