quinta-feira, 6 de março de 2014

Meu pior momento

Não li este livro, mas li comentários, resenhas que me trouxeram recordações ( daquelas que a gente sente vergonha só de lembrar! ).

A autora do livro, a livreira Lilian Dorea, coleciona histórias engraçadas do cotidiano nas livrarias. "O resultado é um retrato bem humorado de nossos piores momentos dentro de uma livraria"- Danilo Venticinque.

Tomei coragem, apesar da vergonha e vou relatar o meu pior momento numa livraria!

Novembro passado eu tinha uma lista de pequenas coisas a serem resolvidas e o melhor lugar para resolver tudo de uma só vez era a região da Avenida Paulista e seus aredores.

Fui sozinha e houve tempo para uma ida à livraria de minha preferência.
A finalidade era olhar e levar para a lista dos desejos alguns títulos.
Escolhi somente um: ele estava próximo ao abajur. Na penumbra pareceu-me de um azul escuro a capa. Manuseei, abri, folheei, li alguma frase que, mais me encantou do que me fez memorizá-la.
"Tá aí - é este o presente que quero ganhar". 

E em dezembro eu estava com marido na avenida Paulista e ele me perguntou se eu queria um presente.
Quero um livro, respondi.
Então vamos ali na livraria.

Bom, mas não é um livro desta livraria; é lá da outra que fica lá embaixo.
Aquela? São umas dez quadras para descer e depois subir tudo de volta? Nem pensar. Estamos quase na porta de uma livraria gigante. O livro que você quer com certeza tem ali.

Final de ano é uma complicação encontrar lugar para estacionar; na verdade é estressante. Não tem, nem nos estacionamentos pagos. E para  quem está de carro, pensar em andar dez quadras...

Mas o livro ao lado do abajur, recebendo aquela luz fraca que o repousava na penumbra e aconchegava suas palavras...
Entrei na livraria gigante, toda iluminada, para qualquer canto que se olhasse, a claridade reinava.
Cheia, lotada. Encontrei uma vendedora que estava ao telefone, fiquei aguardando ao lado dela e assim que ficou disponível, fiz o pedido:
"Quero um livro do Moacyr Scliar de capa azul".
A moça me lançou um olhar de reprovação e disse com gentileza forçada:
"Não temos nenhum livro do Moacyr de capa azul, tem aquele que é o mais recente de capa amarela".

Eu estava sendo gentil de verdade e não queria dizer a ela que na outra livraria lá embaixo dez quadras tem o livro azul que fica ao lado de um abajur.
Tentei novamente, colocando mais docilidade na voz.
"Tem uns passarinhos na capa".
A moça me lançou um olhar de bodoque a espantar qualquer passarinho.


Foi até a prateleira e voltou com esse em mãos: tem árvores na capa, ela disse com voz cascuda.

Leva esse querida, disse marido gostando das árvores na capa. Deve ser muito bom.

Trouxe as árvores para casa, mas fiquei pensando nos passarinhos na penumbra do abajur.

Ainda bem que passarinhos voam e posam em árvores!


Eu sabia que ele existia! A capa não era azul escuro, deve ter sido a penumbra, não importa!
Uma pessoa que coloca asas em livros, fez com que ele pousasse nas minhas mãos!

Você tem um pior momento numa livraria?!


14 comentários:

Alê Lemos disse...

Ana, meu palpite é q vc foi na cultura. mas fiquei espantada como seu marido parece com meu pai. Esse é um tipo de coisa que ele falaria pra minha mãe. Tudo por um pouco menos de esforço.kkkkkkkkk

Patricia Romanato disse...

Tenho muitos piores momentos, mas o pior mesmo foi um dia, em uma parte reservada, onde alguns leitores sentam para ler alguma coisa e eu fui afastando, afastando e quando vi... bloft derrubei quase uma prateleira inteira.

morri de vergonha!

✿ chica disse...

Adorei o teu momento e ainda bem ganhaste os passarinhos no livro certo. O meu pior momento numa livraria, acho que deves ter lido quando contei. Estava com os 4 numa bem grande e famosa aqui em Poa e eu escolhendo os livro de Direito. Nem preciso dizer que o nível do povo lá era daqueles bem exibidinhos, se achando e, de repente, olho pro chão e vejo um baita cocozão, saído do filho menor,rs

Olhei pra um lado, pro outro, chutei pra debaixo da prateleira... Reuni a trupe e arrumei um banheiro pra terminar o serviço de limpeza do guri e sai,sem livros, mas dando muita risada, imaginando a hora que encontrassem. Por certo pensaram que um animal estranho, um tipo novo de TRAÇA se criou por lá e fez aquilo,rs beijos,chica

Moro em um Kinder Ovo disse...

Não, eu não tenho histórias para contar que tenha acontecido em uma livraria. Mas vendedores estressados existem aos montes por aí e nesta hora eu fico pior do que eles.

Rafaella disse...

Histórias assim tenho não, mas ja peguei gente com tanta cara fechada ou com preguiça de atender em livraria...
E é um lugar que o atendente precisa de calma, entender o que o cliente quer, afinal é o nosso momento de prazer, de relaxar!
Bjs

Pandora disse...

Estou aqui tentando lembrar meus momentos de irritação em uma livraria... Sabe, eu sou uma pessoa meio irritadiça então devo ter tido muitos... Eu já peguei abuso dessa livraria grande com cara de fast food... mas tem tão poucas opções em Recife, que as vezes quando quero me cerca de livros recorro a ela mesmo. Enfim... quando me lembrar te conto :)

Tina Bau Couto disse...

Muito bom esse azul. Eu comprei ele só pela capa, antes de conhecer e gostar do autor e sem nem foliar. Acredita?
Vou atrás do das árvores.

Histórias, nossas histórias...Adoro!

Amara Mourige disse...

Fui comprar um livro extra classe para Pedrinho o título do livro "Um pequeno tratado de brinquedos para Meninos quietos" autora Selma Maria.
A vendedora me trouxe o livro "Um pequeno tratado de brinquedos para meninos quietos da cidade,"não é esse, ela só tem esse título de Selma Maria,tudo bem acho que me enganei, comprei o livro. Pedrinho chega da escola vovó não é esse livro, voltei a livraria e a vendedora,mas o livro que a senhora pediu foi esse.
Como se eu nem sabia que tinha outro título?
Bjs
Amara

Li disse...

Puxa vida... As livrarias as vezes nos pregam momentos assim... Que bom que você encontrou o livro que de fato queria!!!
Vi um livro que queria um dia desses e infelizmente não levei e... adivinha? Aqui na minha cidade já não achei mais!!! Agora, é esperar que logo, logo ele volte para as prateleiras...

Beijos!!!

Lívia.

Pérola disse...

No final acabou por se revelar um momento engraçado.

Não me recordo de nenhum episódio em livrarias para além dos 'normais'.

Beijinhos

Selma Helena. disse...

Oi Ana!

Amando os relatos das amigas sobre os momentos na livraria...
Eu acho que meu pior momento numa livraria foi quando ao me distrair na leitura, deixei minha bolsa sobre uns livros e saí passeando por outros corredores e olhando outros títulos e de tão distraída que fiquei, saí da livraria sem a minha bolsa.
Só quando cheguei em casa que fui pegar a chave pra abrir a porta que lembrei da dita cuja.
Voltei feito louca e falei da bolsa ao segurança, e fomos procurar e eu não lembrava onde havia deixado e percorri os corredores, até que um dos vendedores levantou a mão apontando e perguntando se era "aquela". A bolsa continuava lá, no mesmo cantinho me esperando, ufa! rsrs
Beijos!

manofernandes disse...

Ana Paula, a gente "esquecendo" livros na rua, no ônibus, no Metrô... para incentivar a leitura e o atendimento das livrarias...Enfim...
Beijo,
Manoel

Filha de José disse...

Oi Ana Paula.
Legal seu relato...

Fiquei curiosa para ler esse autor.

Abraço.

Mirys Segalla disse...

E aí, Aninha, o livro era bom mesmo?
Relembrou qual foi a tal frase que te encantou? Agora a curiosidade bateu...

Bjos e bênçãos.
Mirys
www.umabaguncadeliciosa.blogspot.com