domingo, 13 de julho de 2014

Aplaudir ou rir

Ainda não consegui definir se esta é mais uma para aplaudir ou para rolar de rir.
A partir de agora, pais que levarem seus filhos ao pediatra, especialmente crianças com até 03 anos de idade, deixarão o consultório com uma receita a mais em mãos. O doutor (a) pediatra prescreverá livros infantis para leitura.
Isso mesmo: os pais serão orientados a lerem em voz alta para os bebês como forma de estimular a linguagem e também fortalecer as relações afetivas entre eles.
Esta será uma recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria seguindo o que está fazendo a Academia Americana de Pediatria.
Aplausos? É, sim. Acho que incentivos à leitura são bem vindos.
Rolar de rir. Já estou quase, só de imaginar a situação prática.

Nos consultórios particulares, desses que não aceitam nenhum convênio, que paga-se alto por uma consulta, será viável, bonito e já imagino a cena.
Um renomado pediatra, em entrevista disse que cada vez mais nas classes economicamente altas, quem leva as crianças para a consulta é a dupla babá/motorista. Aliás, segundo este pediatra, esses profissionais sabem mais dos filhos do que os atarefados pais. Para eles será simples sair do consultório, ligar para o patrão dizendo que será necessário comprar livros para o bebê e após autorização sair em direção a algum shopping e entrar em uma livraria para as compras.

Nem precisaria descrever o lado oposto a este... Desde aquele consultório que atende o convênio da firma, superlotado, onde as consultas precisam ser em menos de 10 minutos; o serviço público de saúde, onde marcar uma consulta leva meses, onde não tem pediatra e é preciso pagar mais um ônibus para ir em busca de outro serviço e aí não vai sobrar dinheiro para comprar livrinho.

Bem, só não vou rolar de rir porque eu acredito, que a partir do momento que a Sociedade Brasileira de Pediatria fizer essa recomendação, imediatamente criar-se-ão bibliotecas nos postos de saúde, AMAS e afins. Então será bonito vir os pais saindo da consulta ali no postinho e já passando no espaço da leitura para retirar um livro e devolver no retorno da consulta médica #euacredito!

Essa receita médica vai curar os 56,5% de alunos com idade de oito anos que chega à terceira série do ensino fundamental com dificuldade em leitura e 70% que não sabem escrever corretamente?
Ah! Por favor se você tiver um filho, sobrinho, trabalhar numa creche, avise a mim e a outros leitores se esta pequena criança teve receitado um livro e horários para leitura, estou muito curiosa.

Só mais uma perguntinha antes de eu me decidir sobre aplaudir ou rir. Já avisaram os médicos cubanos sobre isto? E eles vão receitar leitura cubana ou...?

12 comentários:

✿ chica disse...

Seria bom se isso não precisasse vir RECEITADO e sim dentro de cada casa, as mães ou pais o fizessem. Isso é normal, a receita, anormal! beijos,tudo de bom e vamos ver como fica! cjhica

Pandora disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk Só a graça divina!!! KKKK Aiaiaiaia!!! Ler é tão bom que quando não cura ajuda, mas se fosse simples assim construir um país de leitores, desde o século XIX nós já teríamos chegado lá!

Gracita Fraga disse...

Seria interessante se cada família incentivassem seus filhos. Pensar que uma receita fará da criança um leitor em potencial é mesmo para rolar de rir. Mais uma de quem não conhece nada de um processo educativo.
Beijos

Moro em um Kinder Ovo disse...

Este é o país das leis que não levam a lugar algum. Ler deveria ser algo comum, natural e que acontece sem a necessidade de um decreto.

A Menina das Ideias disse...

Faltou falar que a Biblioteca do postinho vai estar sempre fechada ou com falta de livros rsss. Ai como somos pessimistas!

Calu B. disse...

Mais uma medida remendada de qualquer jeito à uma iniciativa que se bem planejada poderia dar bons frutos, com ressalvas, porém abriria caminho para que o incentivo à leitura oferecesse acesso real para todos.
Vc apontou muito bem cada questão que envolve esta novidade.Não adianta posar-se de eficiente, tem-se que favorecer que a ideia se transforme em realidade possível.
Tô contigo, não sei se aplaudo ou se rio.Ai, ai!!

Bjkas, Ana.
Calu

Anne Lieri disse...

Ana Paula, é facil criar um decreto e dizer para o pediatra receitar livros além dos remédios,mas seria bem melhor se eles criassem essa biblioteca que sugeriu em seu texto. Se nem ouvir o coração direito os coitados tem tempo,imagine pesquisar livros para indicar? É pra rir mesmo! bjs e boa semana pra vc,

Amara Mourige disse...

Essa é uma tarefa dos pais e da família. Que tipo de leitura um pediatra vai receitar quero dizer: recomendar!
Beijos
Amara

Flor de Liz disse...

Fico em dúvida entre aplaudir, rir ou ficar triste!
Pode ser bobagem da minha parte, mas mais parece coisa direcionada à classe alta, apenas. Só faltam os médicos dos ditos "ricos" receitarem mais amor e atenção dos próprios PAIS, não é verdade?
Mais triste ainda é pensar se houverem casos nos hospitais públicos em que os próprios pais não souberem ler. E como fica a recomendação? :(
Escolho as três opções: aplaudo a conduta de incentivarem a fala, o vocabulário e a leitura; rio porque na prática não é tão bonito assim e fico triste de imaginar como isso vai (se) funcionar na rede pública de saúde!
Beijinhos :**

http://oiflordeliz.com/

Suzy Rhoden disse...

Hum, fico pensando se, nas redes públicas, o papai e a mamãe receberão a 'amostra grátis' tal qual, às vezes, recebem o medicamento... Pois dar a receita até que é fácil, viabilizar é outra história. Não sou contra a iniciativa, contudo penso que ela tem de ser realista: receita de leitura?! Não precisaria de uma receita, se existisse uma biblioteca tal qual você sugeriu, com livros doados ou adquiridos por meio de convênios, e de repente algum profissional para trabalhar a conscientização dos pais quanto à importância da leitura... Maaaas, com o filho doente, abatido, chorando, que pai naquele momento vai estar preocupado com a tal consciência?! Para consultas de rotina então... e assim vai indo por água abaixo a linda ideia. Vai acabar funcionando com aqueles que já cansam de saber que desde sempre é bom e importante. Aplaudir ou rir, uma boa pergunta!!!

Beijos

Tina Bau Couto disse...

Quando a gente pensa que já viu de tudo né?

Ontem fiquei perplexa ao receber um print por zap zap de uma publicação no "fértil" face, enviada a mim por Carol, chocada
A publicação era de um pai, da foto da filha, contando que ela ficou menstruada

Para o mundo Ana, quero descer!

Selma Helena. disse...

Oi Ana!
A intenção é pra aplaudir, mas...
Comentário da Suzi Rhoden é bem verdade!
Beijos!!!