quinta-feira, 5 de maio de 2011

Documento de identidade

Há algum tempo que o meu documento de identidade não corresponde à realidade, no que diz respeito à fotografia que nele consta.
Para ser exata, há muito, muito tempo que isto ocorre.
É bem verdade que até hoje eu não tive nenhum problema por causa dessa desconexão foto-pessoa real.
Acredito que isso se deva, talvez, à polidez das pessoas ou mesmo da falsidade das mesmas.
Porque se eu pegasse o meu RG, olhasse para a foto e depois para mim, teria que falar: “Desculpe-me não posso aceitar esse documento, não é da senhora”. Estaria sendo polida.
Mas, as pessoas pegam o documento na mão e naqueles segundos entre a distância da foto e a pessoa real, naqueles segundos que os olhos do observador percorrem o documento e a mim mesma, dá para ouvir o burburinho em suas cabeças: “Nossa que horrível, será que ela mesma?”.
Porém prevalece a falsidade. Devolvem-me o documento com um sorriso forçado e assim eu vou levando...
Até nos momentos mais exigentes, como por exemplo, quando viajo com as crianças e entrego o documento delas e o meu, acho que momento em que o sujeito iria questionar a veracidade pessoa-foto e ele ouve um “fica quieto menino”(que nunca surte efeito quando em público), neste momento ele tem certeza de que eu sou a mãe. Só mãe faz isso – dá uma bronca que sabe que não levará a nada!
Recentemente, tenho ouvido falar do novo documento que irá substituir o antigo RG (o meu se encaixa perfeitamente nesta categoria de antigo!).
Chamar-se-á R.I.C – Registro de Identidade Civil e virá com um chip, coisa moderna, tecnológica.
Então estou aguardando o lançamento do RIC para substituir o meu antigo.
Pelo jeito ainda vai demorar. O custo não está agradando, R$ 40,00. Talvez com um subsídio do governo, fique em R$ 15,00.
Está prometido começar a emissão dos novos documentos em julho, começando por Rio de Janeiro, Bahia e o Distrito Federal.
Mesmo antes de começar a circular, os problemas já começaram:
Tivemos problemas com as fotos de pessoas com óculos. Para resolver, foi preciso definir que o RIC não poderá ter foto com óculos”.
E agora? Eu não uso óculos, mas conheço pessoas que não são as mesmas sem seus óculos. Como se os óculos fossem uma extensão delas mesmas, de seus corpos. Perderão a identidade sem eles, terão uma nova identidade, duplamente falando...
Bem, e quando eu me pus a reclamar da minha foto no documento, uma amiga me confortou – não há nada pior do que a minha.
E prosseguiu na explicação – aqui na minha cidade, só é permitido tirar a foto mostrando a testa. E como eu não fui preparada, pois não sabia, deram-me um grampo para prender a franja...
Realmente, tenho que admitir: situação difícil. Ainda bem que não foi comigo. Cabelo encarapinhado como o meu, nem uma caixa de grampos daria jeito para aparecer a testa!
E os meninos, com cabelo a la Justin Bieber? Como faria a prender a franja?
Eu preciso fazer um novo documento, já é necessidade. Uma coisa me incomoda só de pensar no dia em que eu for fazê-lo.
Qual expressão colocar na face, na hora da foto?
Sorrir escancarado, mostrando os dentes, não me parece boa opção. Sempre penso se for visitar alguém à beira da morte num hospital, momento triste e eu mostro o documento praticamente gargalhando na foto. Não acho que fique bem.
Sério, sisudo, cara de poucos amigos, tampouco.
A última opção que me ocorre,  foi a que me fez ficar tão horrível. Sabe quando você tenta esboçar um sorriso com os lábios fechados, ou quase sorrir com os olhos. Para mim, o efeito foi lamentável...
E então? Alguém tem uma sugestão para a foto do novo documento?
Aliás, você está em paz com o seu?

3 comentários:

Ivani disse...

Muito engraçado isso!
Não, eu não estou em paz com o meu. Fazem uns 5 anos que fiz a foto e achei que seria melhor tirar os óculos. Fiquei com cara de outra! E ainda deixei a cabeça caída de um lado.
Conclusão: sou uma outra pessoa e triste!
Nada a ver. Vou aconselhar você:- sorria suave, mas sorria.
Olhos alegres, cabeça levantada, nunca incline.
Não esqueça dos ombros, retos, poderosos.
Você vai ficar linda, tenho certeza!
beijo

Carla Mãe da Maria Clara disse...

Eu tirei a foto qdo tinha 16 anos! kkkkkkkkkk.. Hoje tenho 29. Tem um tempinho assim, sabe?..rss
Usei esta identidade até ano passado. Casei e tirei uma nova devido mudança do nome. To parecendo uma expresidiária. Credo..rss
Gostei das dicas da Ivani. :-)
Bjs!! ..rss :-)

Aleska disse...

De jeito nenhum. fiquei muito loira farmácia, sem falar que eu tinha vergonha dos meus dentes tortos e o protetor solar fez com que eu ficasse com a pele do rosto muito estranha. Eu sou tb o caso do óculos, minha mae diz que qdo tiro foto sem ele meu olhar fica parado e estranhamente faz as pessoas ficarem nervosas kkkkk feliz dia das mães pra vc tb bju!