quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Etiquetas, terror e falta de educação

Nós pais somos seres de difícil compreensão.
Lembramos de cortar as etiquetas das roupas dos filhos, mas não lembramos de olhar a classificação etária de uma peça de teatro infantil. Parece que infantil é sempre livre, mas... não é bem assim.
Chegamos animados porque conseguimos chegar ( no trânsito caótico de São Paulo, isso nem sempre é possível ) e o melhor de tudo, havia ingressos!
Acomodados, ouvimos atentos a um dos membros do grupo teatral pedir, com voz num tom de imploração que os celulares fossem desligados e que era proibido filmar.
Começa o espetáculo e uma voz com aquele timbre melodioso, que só criança tem, fala da fileira de trás para sua mãe ao seu lado: mãe, o moço não falou que não podia filmar? Por que aquele moço ali está filmando?, olha mãe o celular ligado mostrando a menina ( personagem ) na tela. Tá filmando né mãe?
Segurei a vontade de virar e responder para o menininho: sim, este adulto que deve se preocupar com a boa escola do filho, a cultura do filho... está fazendo justamente o que não devia, dando mal exemplo para o filho: filmando quando pediram para não fazê-lo.
E não era o único.
E como muitos esqueceram de olhar a classificação indicativa, a peça era destinada aos maiores de 7 anos, porque era de terror, o chororô foi intenso.
Entre lágrimas das crianças e falta de educação dos adultos, no final todos foram convidados a tirarem fotos, filmarem e assim esquecer os momentos temerosos vividos!





18 comentários:

Calu disse...

E como, infelizmente, isso ocorre, Ana, pais dando mau exemplo com descaso incompreensível e depois quando veem os filhos agindo mal querem impor regras de respeito e convivência, as quais são os 1ºs a ignorarem.Lamentável.

Que o chororô tenha servido de alerta pros pais desavisados prestarem mais atenção aos que os filhos podem assistir.

Com um sorriso confiante, o menino domou o monstrinho.
Bjos,
Calu

Pandora disse...

Tem gente que pensa que cultura é "só" música, literatura, instrução de qualidade, coisas maravilhosas, mas que são apenas a cereja do bolo. Cultura é tudo, toda essa teia de valores, significados, formas de ser e de agir que orientam nossa forma de viver e ai da nisso, leva ao teatro para ver a peça, MAS, não se comporta como deveria fornecendo ao rebento um exemplo cultural duvidoso.

No mais seus filhos são lindos mesmo, teatro é uma delicia e imagino que viver esses momentos faça toda a diferença!

Ivani disse...

Enquanto os pais não tiverem educação será dificil educar as crianças.
Que pena, um espetáculo que seria para distrair tornou-se uma chateação.
Mas as fotos ficaram lindas, as carinhas deles dizem o quanto curtiram!
O Bernardo está um homenzinho, de camisa, cabelo lindo!
E a nossa princesa então, com os olhos brilhantes, feliz!
Mas que turminha feia essa em? um terror mesmo, as crianças menores estavam cheias de razão ao chorar kkkkkk
beijos querida, bom dia!

✿ chica disse...

É sempre assim,aqui também! Mas, mesmo assim, valeu o teatrinho e aguentar, pois as crianças e suas carinhas felizes, mostram isso. Muito legal! Que peça é essa? beijos,chica

Tina Bau Couto disse...

Ai! Ai!
Terror por aqui tem outras caras.
Meu filho desde bem pequeno adora monstros de todo tipo e trocava declaradamente as festas de aniversário dele (em maio) por festa no dia das bruxas (outubro) com direito a muitos sustos.
Aos mini-convidados mais temerosos, além do afago, a tentativa de desmistificação, de que há mais perigo nos vivos que nos mortos, nos bonitões que nos feios, dentro do que fora de nós.
Lembro tb de minha mãe, que mora em uma casa antiga com um corredor muito longo para frente e para cima, entre os quartos, dizendo a noite quando meu filho que queria andar pelo escuro:
"Não va pra ai que tem bicho"
Ele exclamava com tom alegre: Biiicho!!!
E ia na maior velocidade a procura, como quem buscava alguém para brincar.

Medo eu só tem de raios e trovões e não adianta me explicar que são só eventos naturais.
Pai Couto tem medo de não ter dinheiro no final do mês para pagar tudo.

No mais eu fuço tudo, leio,me informo, seja para levar meu filho, o dos outros ou para marcar algo com adultos mesmo. Olho classificação, assunto, local, pros e contras, formas de pagamento e detalhes pitorescos até. Procurar algo e escolher me incluem no topo da comissão de frente :)

Qto ao é proibido filmar e fotografar, bem como fumar, falar ao celular (no elevador já me irrita), entrar após a seção começar, ficar parecendo uma barata tonta escolhendo lugar estando na frente das pessoas, eu não aceito e não conheço outra explicação melhor do que falta de educação doméstica e se houve falta de senso de coletividade, desenvolvido no mais intimo e lamentável lugarejo do ser humano onde não entra luz, nem brisa.
Não me acostumo, lanço olhares, dou muchocho, suspiro e solto o verbo qd o caso é infame demais.
Adultos deviam ter seções periódicas de cidadania, testes, provas e para ser pais, tios, avós, para andar de posse de uma criança deviam ter comprovação curricular par tal competência, que tal?

Moro em um Kinder Ovo disse...

É o exemplo que constrói e concordo com a Tina que deveríamos ter testes para comprovar que exercemos com competência a nossa cidadania.

Carolina Lima disse...

...e muitos pais ainda reclamam de certas atitudes dos filhos e esquecem que eles são apenas seus reflexos.

Pelas fotos, parecem que a Júlia e o Bernardo curtiram bastante!

beijinhos :*
Carol
Sorteio de coisinhas ♥

Alê Biet disse...

Têm pais que reclamam da falta de educação dos filhos, mas são os primeiros a pedir silencio aos berros! Do que vale a educação sem o exemplo.

Beijos!

disse...

É até entranho faltar educação dentro de um teatro. Contraditório, talvez. Mas bonito mesmo é a carinha feliz dos seus pequenos perto dessas criaturas horripilantes :)

#*Marly Bastos*# disse...

"Faça o que eu mando, mas não faça o que eu faço."[pq é feio e é errado]
Esse parece ser o de praxe na vida do adulto que reclama das ruas sujas, mas jogam papeis e latas de refrigerantes pela janela do carro. A criança se espelha no adulto, e se ele faz eu posso fazer né?
Infelizmente é assim, e vamos formando adultos nessa dualidade entre o que deve ser feito e o que eu realmente faço.
Bjks doces e um fim de semana maravilhoso.
As fotos estão lindas, valeu o medo, pois o sorriso aflorou mais forte kkkkkkkkkkkkk.

Christian V. Louis disse...

Ana, eu me vi muito no comentário da Tina acerca de seu filho, ahah. Eu desde sempre fui fascinado por terror e adorava assisti filmes de madrugada e ler livros de Stephen King. Até hoje. rs.
Eu sempre digo que os pais são e sempre serão os principais exemplos para os filhos, lamentável que, como humanos, muitos com maus hábitos, mesmo conscientes que são maus, acabam "esquecendo" que estão passando isto como "herança" cultural: a falta de educação.

=> CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

Kellen Bittencourt disse...

Oii Ana, vc alertou p algo que poucas pessoas prestam atenção mesmo, nem sempre infantil é p todas as idades! Gostei! Bjoos

JAN disse...

Foi um 'mico de gente grande' pra educador nenhum botar defeito :-()()()

Abração
Jan

REINVENTANDO disse...

Os filhos tem como referência os pais, se eles não sabem educar de maneira adequada( e parece que hoje isso virou rotina)tendência de se transformarem igual aos seus quando adultos. Abraços.Sandra

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, na atualidade o problema é outro e nós e que somos ET's preocupados com educação. Hoje em dia o que interessa é ser bem sucedido e levar vantagem em tudo, rs...rs.
Beijo
Manoel

Flávia Brito disse...

Ahhh as pessoas são muito sem noção, acham que são os mais espertos porque conseguiram filmar mesmo sem ser permitido. Típico de filhos que foram criados sem limites e agora pais que criarão filhos idênticos. Bola de neve!!!

As fotos ficaram ótimas e sobre a classificação, eu já fui pega numa dessas, levei minha filhinha de 3 anos para assistir "A origem dos guardiões" e apesar de ela ter assistido o filme todinho interessadíssima, não achei apropriado por conta do bicho papão e todos os medos abordados no filme.


Beijos!!!

Alê Lemos disse...

kkkkkk eu sou maior de 7 anos mas tb me assustei com a crueldade do filme Coraline. O povo sempre falou bem, mas achei assustador demais para um desenho. Depois dessa vc teve que recompensar os pimpolhos né? rsss-

Nina disse...

Ai que personagens legais esses, nas fotos com os filhotes, mt bom mesmo.

Cara, eu adoro teatro e qd meus meninos eram pequenos,a gente tava sempre no teatro. Lembro de um dia que eles estavam entre nós dois (os pais) assistindo a historia do barquinho, uma peca mt bonitinha, no fim, eles olharam pra gente e riram da nossa cara, mae e pai estavam com o rosto molhado de lagrimas :-)

Esse lance que vc comenta, puxa, me tira do serio tbm, e se vc tivesse falado alguma coisa aquela mae estupida ainda ia te xingar e dizer que aquele nao era problema teu.. e vc ainda ia sair como a bruxa da historia de terror.

O que eu mais detesto no brasileiro é essa tendencia gigante que temos em ser eternos hipocritas.