terça-feira, 10 de julho de 2012

Rua e vizinhos


Esta festa julhina, foi para mim, muito diferente de todas as que já participei.
Os ingredientes, é fato que são os mesmos: fogueira, chapéu de palha, quentão.

Vizinhos. Esta era uma festa de vizinhos de rua. Muitos vizinhos, daqueles de muito tempo, que criaram os filhos juntos, viram crescer, viram casar, e trazem para a festa agora uma nova geração.
Eu nunca tive vizinhos no plural. No máximo, o do lado.
Morei por pouco tempo em um apartamento, mas ainda as mães desciam com as crianças para brincarem na rua, que não tinha carro.
Logo em seguida, mudamos para uma avenida. O que é muito diferente de morar em uma rua.
Na avenida, ninguém sentado em frente de casa, não tem amarelinha desenhada na calçada. Depois mais apartamentos e assim cresci órfã de vizinhança.
Foi numa tarde dessas que chamaram no portão e a apresentação foi esta: sou sua vizinha lá da parte de cima da rua e vim convidá-los para a festa na rua.
Temos pouco tempo de "rua". Fomos acolhidos com carinho por uma vizinhança animada.
A gente se sente meio esquisiito – entra lá em casa pra dar água pro menino!
Vai aos poucos se soltando.
Acha graça do fogão na rua. Admira o cuidado com a decoração. Toma um quentão.
Entre eles, se faltar uma xícara de açúcar pra receita, não tem problema. Corre ali na vizinha da frente e depois leva um pedacinho do bolo, entra pro café e um dedinho de prosa que logo é hora da janta.
O mesmo calor da fogueira, eu senti no coração das pessoas. Tão diferente do frio do elevador...






A chuva é que poderia ter esperado um pouquinho mais para cair e apagar a fogueira e adiar a quadrilha!





11 comentários:

Imac by Artes disse...

Amo essa união das pessoas (vizinhos)
Essas são as melhores festas juninas,
ainda existe o calor humano.
Abraços! Boa noite e um amanhã
radiante pra ti.

✿ chica disse...

Isso é lindo e sinto falta dessa harmonia e convivência...beijos,lindo dia!chica

Patricia disse...

Q festa deliciosa!
Na rua em que eu morava quando pequena tinha dessas festas. Boas recordações!
Aproveitem a vizinhança!!
bjs

Ivani disse...

Oi Ana querida, que linda essa festa, deve ter sido uma delicia!
fiz um comentario e sumiu!
como estou aproveitando o leptop da Ju que está dando sopa por aqui, devo ter apertado alguma tecla errada (o le le!)
por aqui fazemos festa no salao do predio.
decoramos a carater, trazemos a familia, tambem tem fogao e quentao.
os vizinhos de outros predios ficam bobos ao ver como gostamos disso.
e no natal nos reunimos em um jantar, e qualquer dia é dia de todo mundo descer pra comer alguma coisa e conversar um pouco.
sei que isso e raro, portanto, tentamos manter essa amizade.
Vou dar um conselho a voce: no ano que vem ofereca-se para ajudar, participe da decoracao, enfim, curta, vai ser ótimo para as criancas e para voces adultos também.
isso nao tem preco.
beijos querida, adore as fotos e tudo o mais, Se aparecerem dois comentarios por favor "desapareca"com um porque senao vao me achar doidinha! rsrrs beijo

disse...

Ai que delícia! Sinto tanta falta dessa proximidade com os vizinhos, desses gestos simples que fazem a vida tão mais gostosa... Quando era criança as pessoas da mesma rua eram quase uma família. Agora não sabemos nem o nome dos nossos vizinhos, uma pena!

Helena Chiarello disse...

E como são especialmente boas essas coisas, essa "intimidade" festiva de vizinhos de rua!
Saudade que deu! rss
Sempre uma delícia teus escritos, Ana!
(E meus sumiços se devem ao trabalho mesmo! rs... Quase não dá tempo pra essas coisas gostosas de ler, escrever, postar, comentar... mas sempre que dá uma brechinha, estamos aí! rs)

Beijo gigante, pessoa linda!

Carolina Lima disse...

Ana,
que máximo isso!
Eu tenho poucos vizinhos. Desde que nasci moro na mesma casa. Meu vizinho da frente era uma escola (que está fechada). O do lado esquerdo é uma clínica de hemodiálise e o do lado esquerdo mais três casas é a 'extensão' da clínica (minha casa é uma pedra no sapato para os donos).
Tem a Dona Judith que quando me enxerga ou me ouve para para conversar um dedinho de prosa. Tem a Dona Gabriela (fofoqueira e chata) que eu, confesso, fujo dela... e tem a Tia Dani que trocamos figurinhas via facebook. Esses são os meus vizinhos.

Abraços,
Carol
www.umblogsimples.com

Su disse...

adorei, e me lembrei da minha infância que era rodeada dessas festas, morei em uma rua sem saída... era bom demais!!!

Beijo.

Su.

ps.: também senti vontade de ir à praia...rs

Carolina Lima disse...

Esqueci de responder sobre as ciclovias.
Na minha rota de trabalho-casa elas ainda não existem.
A prefeitura fez aqueles 'trechos' no Setor Universitário. Achei um bom começo e uma boa oportunidade para muitos estudantes... inclusive ficou uma graça. Deu um novo ar para a cidade!

Tina disse...

Por aqui mtos apartamentos, mas silêncio sepulcral nos corredores, play, elevador até em festa de São João, Natal...
Saudades do meu pequeno prédio de infância e adolescência que silêncio era algo raro e os adultos achavam isso ruim.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, isso é a coisa mais gostosa do mundo. Convivência muito aberta e bastante disponibilidade. Aqui onde moro é bem assim. Dia 21 de julho teremos nossa festa "Julina" com todos os acessórios pertinentes, à caráter, com quadrilha e tudo o mais. É uma maravilha esse relacionamento.
Beijo
Manoel

PS: A respeito do elevador, será que a esposa do "gordinho" de seu "ex-prédio" já engravidou? (Rs...rs).