domingo, 3 de março de 2013

Mobília


Tinha acabado de debutar. Não com o glamour de dois lindos vestidos e sim com um colete cinza-gelo tricotado pela vizinha de mãos hábeis e amorosas.
E assim começava uma certa liberdade de ir e vir. Saía de sua casa de dois cômodos e de repente estava no quarto da amiga da amiga que era muito maior que toda a sua casa contando até com o banheiro que ficava pra fora.
Emudeceu, parada num canto com o olhar preso na enorme poltrona de fibra, de vime, pendurada no teto por grossa corrente.
No seu teto de telhas onduladas com a caiação velha, não poderia jamais prender um ninho aconchegante como aquele.
Voltou de seu devaneio ao ouvir o choro descontrolado da anfitriã.
Deixaram a casa com o pedido desesperado da mãe da garota para que voltassem e trouxessem alegria e vontade de viver para sua filha.
Deitada no sofá-cama começava a não compreender a vida. Como naquela imensidão de beleza e conforto poderia uma garota perder a vontade de viver?
Ouviu a chuva tamborilando o telhado. Correu para desencostar a estande da parede e colocar panos pelo chão.
Não demoraria para a água começar a escorrer pela parede.

13 comentários:

✿ chica disse...

O tamanho de uma casa, móveis diferentes, exóticos e dinheiro, nunca podem comprar a verdadeira felicidade... Bela reflexão, lindo texto! beijos,chica

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, muito legal essa postagem para que se diferencie o TER do SER. Experimentando os valores podemos perceber onde está a felicidade.
Beijo
Manoel

JAN disse...

Oi Ana Paula!
Interessante o foco na mobília, pra "dar o recado".
P A R A B É N S!

Abração
Jan

Imaculada disse...

Lindo conto amiga!
Muitas coisas são incompreensiveis...
A felicidade está dentro de cada ser humano. Amei te ler!
Abraços! Uma semana abençoada pra ti.

Lacorrilha disse...

Lindo demais. Diz-me que já escreveste um livro ou estás a tratar disso. Tens um imenso talento!
Beijinhos

Ivani disse...

oi Ana! penso que quem é feliz, é em qualquer lugar.
a felicidade não está diretamente ligada ao conforto, a mobilias, ou a falta delas.
principalmente quando se é menina, quando não se tem a verdadeira dimensão das tristesas desse mundo.
voce me fez raciocinar sobre o assunto, e eu adoro isso, só que não quero ficar cansando voce com minhas opiniões.
mas creia, adorei seu texto, tenha uma boa semana, beijos.

Tina Bau Couto disse...

dinheiro, poder, móveis, luxo, nada substitui a paz e o amor que carregamos em nós

belo texto, maravilhosa lição e comum a história, infelizmente

Moro em um Kinder Ovo disse...

O seu texto trouxe a lembrança de uma visita que fiz, levando uma criança junto. Ao ver a beleza da casa disse "aqui deve morar a pessoa mais feliz do mundo". E naquele dia, eu visitava esta amiga porque depois de uma separação recente, cheia de ressentimento havia acabado de perder o filho em um acidente.

Luma Rosa disse...

Como pode, não é mesmo? Dizem que não podemos sentir falta daquilo que não tivemos - o que se aplica as questões materiais - porque com relação aos sentimentos, ao nascer, o desvínculo com o corpo da mãe, já nos traz uma falta que será suprida com o carinho familiar. Que adianta uma vida cheia de coisa, senão tiver afeto?
Gostei da relação que fez entre o choro incontido e a prevenção para reter a chuva.
Boa semana!! Beijus,

Kellen Bittencourt disse...

Como diz o velho ditado "dinheiro não trás felicidade" muito bom Ana! ótima semana p ti! Bjooosss

Alê Biet disse...

Bom dia Ana!

"O primeiro dos bens, depois da saúde, é a paz interior"

Beijos!

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Ana estava lendo seus outros posts e achei uma delicia vir aqui hoje, me distrai da minha briga com o tempo. Chorei no texto Meu lugar inesquecível - BC, também sinto o cheiro de minha avó mãe,lindo e emocionante que me fez recordar.Logo depois com Três momentos que não tive como não achar graça, que delicia esta inocência e como você transforma
em a situação super divertida.
As vezes o tudo que precisamos são estes momentos deliciosos como as lembranças boas,as situações difíceis que não levamos tão a sério, transformando em momentos descontraídos. Dinheiro e poder nem sempre são o tudo, nem sempre nos trazem a felicidade. Com uma goteira dentro de casa dá para fazer um bom samba, ou um maravilhoso post, não é mesmo Ana.
Agradeço o carinho da visita.
Dias maravilhosos para esta família linda e abençoada.
Deixando o meu carinho. Beijos.

Das coisas que vejo e gosto. disse...

Oi Ana!

Que lindo seu texto!

Beijos

Selma