sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Tragicômico



Dia de prova. Três provas. No mesmo dia.
Professores antevendo ações ilícitas que podem ocorrer nestas situações, adotaram a prática de misturar as turmas. Alguns alunos do sétimo ano deslocam-se para a sala do sexto e alguns do sexto se misturam lá na sala do sétimo ano. Os maiores chamam os do sexto de “pequenos”.
Na hora do intervalo, um colega chamou os alunos, pequenos e grandes, que estão "pendurados" com notas vermelhas e provável recuperação e ofereceu um comprimido que o médico havia lhe receitado para que tivesse mais concentração e fosse bem nas provas.
A curiosidade aproximou meu filho da roda que se formou e ele perguntou o que era aquilo.

 - Bernardo, sai daqui porque você não precisa. Você vai passar de ano direto.

 -Mas que é isso?

 - É um comprimido que faz ir bem nas provas.


Foi distribuído uma cartela inteira; o inspetor percebeu a movimentação estranha e descobriu o ocorrido. A professora veio chegando vendo aquela confusão e tão logo conseguiram explicar, a coitada quase precisou de um comprimido para se acalmar.
No meio da confusão, o inspetor perguntava: quem engoliu?
Os pequenos assumiram sem pestanejar. Já os maiores, sempre tentando sair pela tangente disseram: eu não engoli, guardei debaixo da língua, mas quando fui jogar fora, tinha derretido.
(Achei ótima essa!)

Desceram todos os que haviam ingerido e derretido e o distribuidor dos comprimidos para a sala das diretoras. São duas, ambas donas do estabelecimento.
Tremiam tanto os alunos, que acharam por bem tirar uma das diretoras da sala. A que é mais má.
Ficaram somente com a boazinha, porém como não pararam de tremer, deduziu-se que o problema não era medo e sim efeito colateral do medicamento.
Não foi necessário ambulância. Apenas os pais saíram em caráter de emergência até a escola. Tudo ficou bem, após passar a ação do medicamento pararam de tremer.


Bernardo, depois me falou que, um dos amigos que tomou, estava na aula totalmente "brisado", gíria que eu traduzi como "estar alheio a tudo o que ocorre ao seu redor".

- Mãe, não sei se ele estava brisado por algum efeito do remédio ou estava imaginando como seria a surra que levaria ao chegar em casa.

Evidente que o assunto foi tratado com toda a seriedade entre os alunos, pais e direção.
Mas, como eu estou sob efeito dos embargos infringentes que dilaceraram minha veia cômica, permitam minhas elucubrações:

Esse garoto que distribuiu seus comprimidos é de uma generosidade imensurável, quer dizer, mensurável apenas para o bolso de seu pai: o preço do comprimido que concerta notas baixas e divagações é de trezentos reais ao mês.
E já que ele descobriu a maneira de se livrar da recuperação, quis ajudar todos que se encontravam na mesma situação.
Zero egoísmo ele tem. Generosidade mil!

Por outro lado, penso que tudo não passou de um mal entendido: o menino deve ter se consultado com um médico cubano e das duas uma: ou ele não entendeu o que o médico falava ( meu filho disse que o amigo está muito mal na disciplina Espanhol ) ou o médico cubano, dado a socializações, instruiu a criança a dividir.

11 comentários:

✿ chica disse...

Noooooooooooossa! Agora me caoiu o queixo por aqui! Credo! Até isso temos que temer nas escolas agora? Vou te contar, estou quase pedindo demissão,não aguento mais ver tanta barbaridade nos colégios!
São estupros em colégios dos melhores , são tarados, é isso e aquilo e agora mais essa? Pode ter generosidade 1000, mas não se aproxime de um dos meus, pois EU NÃO SOU BOAZINHA. VIRO JARARACA nessas horas!

beijos,chica

thalento arnônimo disse...

impagável!

Dama de Cinzas disse...

Que coisa! Será que era a Ritalina, aquela para deficit de atenção?

Beijocas

Tina Bau Couto disse...

Sou do tempo em que os mais velhos diziam como um mantra e ouvíamos e obedecíamos sem dar um piu ou questionar:
- Não aceite nada de estranhos!

Hoje temos que dizer que não se aceite nada nem de conhecidos e isso inclui colegas, professores, tios, primos, amigos nossos :(

Isso inclui desconfiança e medo por conta de pessoas sem noção, de por exemplo, ensinam crianças a atirar, a dirigir, que tomam e dão indiscriminadamente compridos para as que agitadas demais ou paradas demais.
Comprimidos receitados, comprados sem receita, tomados a vontade por quem não dorme, para que se coma mais, para que se coma menos...como via mais fácil para a "solução dos "problemas".

Uma cartela de comprimidos nas mãos de uma criança dessa idade que ao invés de serem distribuídos podiam ser por n motivos, todos de vez ingeridos e depois o lamento não seria remédio.

Dar doses alternadas de informação, ludicidade, prevenção, arrojo, calmaria, euforia, desconfiança e esperança, tarefa de todo pai, mãe, educador, cidadão, por um mundo melhor.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, kkk! A gente ri, mas a coisa é séria. Houve uma época que o pessoal tomava na véspera da prova o famoso Memoriol, que pelo nome dispensa explicações. Até hoje não conheço quem tenha passado de ano em função das gotinhas mágicas que segundo os médicos não faziam (fazem?) efeito algum e nem servem para nada. Coisas da criançada, todavia tem que ser acompanhado porque poderia ser uma substância perigosa. Ponto para o Bernardo por ser suficiente maduro e querer se informar (e não ficar "brisado", rs...rs).
Agora, os embargos infringentes são incuráveis. Não há comprimidos eficientes para essas doenças de reajustes de proteção aos menos bem intencionados de nossa cúpula política. E olha que é atitude do nosso SUPREMO. Enfim, melhor abastecer o carinho da nossa amizade com um:
Beijo,
Manoel

Sonia disse...

Isso é um conto, ficção, não? Se for verdade, fico pasma com quem oferece e com que aceita.
Abraço!
Sonia

Poesia do Bem disse...

Jesus amadooooooooooooo.Morri com esta.Mas tem tanta coisa nas escolas que a gente chega se desiludir, e no mundo em geração.Oro a Deus que livre minha filha, e sempre converso que não aceite nada de estranhos,mas por vezes são tão compráveis á balas e pirulitos.

disse...

Nossa Senhora, que isso? É vida real? To passada!

Moro em um Kinder Ovo disse...

Que história mais louca!!! E você consegue nos fazer rir de algo que é muito sério e reflete a forma de educação que muitas crianças recebem.

Rovênia disse...

Criança inventa cada uma! Quando era criança eu adorava AS infantil. Eram balinhas que eu pegava na caixinha de remédios. Boa crônica, Ana Paula. Beijos!

Alê Passarim disse...

Ana, esse seu post fez meus sentimentos se alternarem exatamente como o título que você deu. Eu arregalava os olhos e ria, arregalava os olhos e ria. No fim ri de olhos arregalados. ;o)