terça-feira, 18 de novembro de 2014

Vida saudável

É assustador o número de mortes que envolvem a busca pela vida saudável. Assustador e contraditório. Em busca de um corpo dentro dos padrões da magreza estabelecidos, das capas de revista,a gora não só femininas, mas também masculinas, faz um comum ser humano, desses que trabalham e fazem uma caminhada aos finais de semana se sentir a pior das espécies. É preciso passar três horas diárias nas academias que funcionam de segunda a segunda. Viagem? Não basta uma caminhada, uma corrida pela praia, é preciso que o hotel reservado tenha uma academia à disposição.
Qual o limite de uma vida saudável?

Com essa pergunta, quero descontrair apresentando uma cantora que faz um resgate à auto estima dos cheinhos! Não se trata de concordar com a obesidade, mas de não se sujeitar à ditadura da magreza.
O vídeo é este; bem divertido, dizendo que " sou um corpo tipo violão e não flauta; não visto 38 mas posso rebolar e não vou ser uma Barbie siliconada".


Aproveito a reflexão para apresentar um blog. A escritora, Evilanne, de um talento excepcional, conheci no instagram. Ela é apaixonada por artes e escrita. Mostra artistas e suas obras e semanalmente escreve um conto. Imperdível!
Passa lá no Leves Contos Breves e saboreie a escrita!

8 comentários:

✿ chica disse...

Ana Paula, também me surpreendo com essa tirania, ditadura da magreza. As pessoas estão desfiguradas, esquálidas, osso e pele e ainda ficam horas e horas nas academias, ciuidam da alimentação como doentes terminais. Pena! Falta recheio em todos os sentidos: de espírito, cabeça e corpo!

Legal o vídeo! E também conheci a Evilanne pelo Insta e ele escreve maravilhosamente bem.Um conto por semana, aos sábados! beijos às duas,chica

Nidja Andrade disse...

Bom diaaaaa! Saúde, qualidade de vida e demais nos serão acrescentados!... Bjs

Poesia do Bem disse...

Olha só eu pesava 42 kg antes de engravidar pela primeira vez, dai com o acidente e sedentária, e corticóides e tudo mais não consegui mais emagrecer, a ansiedade me ajuda amnter o peso, e eu me entristeço um pouco, mas não morro por isso não, afinal não é só um corpo magro que tem saúde, acho um caos essa ditadura de ser magro.

Dra. Cristiane Marino disse...

Ana Paula, há muita confusão em torno desse termo. Vida saudável, na maior parte das vezes quer dizer um culto desmedido à imagem do corpo. E não à sua imagem, mas a uma imagem imposta de fora, irreal e inatingível.
Vida saudável é cuidar bem e aceitar o corpo que se tem.
Bjs

lis disse...

Realmente está um exagero essa corrida para garantir um corpo perfeito com a tal vida saudável,ultimamente.
Por um lado é bom ensinar como se alimentar bem, cuidar para não ter uma vida sedentária, etc _mas ja está ficando maçante tanta informação e tanta 'malhação' rsrs
Gostei do blog da Evilane.Gosto muito de 'contos breves'_vou voltar lá,
Um abraço Ana

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Oiii Ana, tudo bem? Sabe que tenho uma amiga que está pirando, veio passar uns dias na minha casa em Goiânia e não comia nadaaaaaa que tenho aqui, a alimentação dela é totalmente diferente de um ser humano normal kkkkkk em busca do corpo perfeito e vida saudável mudou radicalmente a alimentação, acho que passou fome aqui em casa rsrsr tudo em excesso vira loucura! Bjosssss

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Ana Paula
Eu fico sempre matutando isso também... por que todo mundo tem que ser magro? Não é só pela saúde, é por moda mesmo...
Ai, pra despistar, as pessoas dizem ser pela saúde... "comigo não violão" (conhece a expressão?
Um equilíbrio é bom para nós todos... faz bem à saúde como um todo (em todos os níveis) e não só na parte estética como interessa à maioria...
Bjm fraternal

Bia Hain disse...

Olá, Ana, como vai?
Interessante sua observação de que agora não somente as mulheres, como também os homens tem demonstrado demasiado interesse na aparência. Acho bem legal, o cuidado consigo é importante, sobretudo com a saúde, mas excessos na vaidade, na minha opinião, demonstram uma estima frágil.
Acho o máximo pessoas acima do peso que se amam e se aceitam como são, buscando alimentação e atividade física como meios de preservar a saúde, não com o peso de um estereotipo a ser alcançado. Um abraço!