segunda-feira, 27 de junho de 2011

Chavear

P1010130 by marten_oosterhoff
P1010130, a photo by marten_oosterhoff on Flickr.


Chavear. A definição no dicionário é simples e clara. Dar volta à chave para fechar.
Por que será que eu tenho enorme dificuldade com este verbo?

Eu não chaveio a porta. Ou talvez eu não chaveava a porta. Porque depois do acontecido, terei de aprender a conjugar este verbo!
Moro em apartamento e não chaveava as portas, são duas: a da cozinha e a da sala.
Um golpe de vento um dia abriu a porta da cozinha e o cachorro latiu tanto que meu coração veio na boca.
Passei então a chaveá-la por conta do vento encanado.
E a da sala sempre aberta. Não, não sempre. Porque quando a prima morava conosco, ela chaveava, eu não!
Mas, então, semana passada eu estava no sofá assistindo ao melhor conto de fadas dos últimos tempos na minha opinião (novela cordel encantado) quando adentra a sala um senhor.
Eu vi a porta se abrindo lentamente.
A mente transcende o tempo, os segundos a pensar – mas nesse horário, não pode ser...
E quando me dou conta, chama-lo-ei respeitosamente de velhinho, estava na minha sala, com o olhar perdido, espantado.
O cachorro não latiu, a Júlia que também estava no local não viu e eu nem levantei do sofá. Apenas disse: - Senhor, acho que está no apartamento errado.

Quando contei para minha amiga o tal fato em meio a boas gargalhadas, ela me fez refletir... E se fosse madrugada, todos dormindo, o velhinho entra e deita na cama... hahaha, melhor nem dar asas à imaginação.
Estou me esforçando bastante para conjugar direitinho o tal verbo.
(Prima querida, viu só a que você estava sujeita?!)
Bem e antes que alguém me pergunte: mas você não tem medo?
Tenho medo sim, mas é de poço!

8 comentários:

Angi disse...

Amiga!
o que é isso?
Não sei se dou risada, ou se fico preocupada!
Faz a gentileza de chavear a porta da sua casa, só a porta dos corações é que devemos deixá-la sempre aberta aos amigos que adentram e moram lá, sem ao menos avisar!
Um beijo querida

✿ chica disse...

Aqui em Poa não podemos deixar sem chavear...Entram até nos apartamentos, não vizinhos bons ou perdidinhos,mas os amigos do alheio... beijos,chica

Claudia disse...

Ana. Estou estarrecida e chocada, ao mesmo tempo. Que poemas (ou seriam poesias) lindos são estes ??? Fico até com vergonha de lhe perguntar.. Mas, foi você quem os escreveu ?

M A R A V I L H O S O S !

Você já fez um livro ? Pensou em fazê-lo ?

Agora, sei bem a quem os dois TAMBÉM puxaram.. há há há

Em relação ao seu poço, o que posso lhe dizer, é que, no que depender de mim, ninguém vai te colocar lá dentro, não.. E se, porventura alguém lá entrar.. eu ajudo a sair !

Parabéns e muito sucesso, em sua carreira de escritora !

Claudia Hakim

Helena Chiarello disse...

rssssssss
Aninha, que delícia!!

Adoro esse "tom" de conversa que você dá aos teus textos! Adorei essa narrativa! Super bem escrita, criativa na utilização de expressões, inusitada no descrever de sentimentos, pensamentos e situações!

Mas menina, que susto! Imagine se não fosse "um bom velhinho" errando de apartamento? Nem dá pra pensar...

Então, amiga querida, vamos lá... Eu chaveio, tu chaveias, a Ana Paula vai começar a chavear... rssss

E adorei o final! Sem querer fazer trocadilho.... concluiu com "chave" de ouro! rs

Um beijo grandão!

Ivani disse...

Estou achando a maior graça nessa sua estória.
O tal velhinho deve ter uma carinha muito boa, porque senão você não ia estar rindo até agora.
Mas fica o alerta, não deixe a porta sem chavear, porque nem só de velhinhos assustados é feito o mundo.
Quanto ao poço, fala sério, que trauma é esse!
Vou falar:- certa vez, quando eu era criança, mudamos para uma casa que fazia muito tempo não estava habitada. Quando minha mãe puxava água, de manivela, vinha sempre uma cobra enrolada no balde. Um horror!!!
Meu avô, que estava sempre por lá, dizia que eram cobras d'agua, inofensivas. Mas minha mãe levava cada susto! soltava o balde de volta, saia gritando...coitada. Isso ficou marcado em mim. As cobras, inúmeras, acabaram sumindo, mas os sustos ainda me dão um frio nas costas. Credo!
Escrevi demais, pra varias, beijos e boa noite gelada!

MÃE DO GUI disse...

Vamos chavear as portas rápido antes que o cachorro venha a latir e seu coração a disparar. Vamos chavear para não se assustar!!!

Bjokass e boa semana

Su disse...

Ana Paula, por aqui infelizmente "chaveamos" tudo e com cadeados também... moro em casa, muros altos... mas é preciso utilizar o verbo...

Seu texto, mais uma crônica deliciosa de ler. Adorei e quero mais...

Beijos e um lindo dia aí de portas fechadas!rs

Su.

Nega disse...

Realmente,eu tenho mania de chavear a porta,mas é por causa da minha mãe que sempre nos fazia verificar se todas as portas estavam chaveadas antes de dormirmos.Nossa já pensou se eu estive estudando e um senhor entrasse na sala HHAHAHAH ficaria com mto medo,mas depois seria ilário.Muito estranho o Théo não ter latido,talvez se o "VELHINHO" estivesse calçando um CROCS o cão avisaria a vizinhança hahaaha. Trate de chavear essas portas direitinho,ficou sabendo do roubo na casa do Rodame?Então não podemos facilitar..
beijos saudadess