quarta-feira, 11 de abril de 2012

Faxina número 08

Faxima número 08 -  O campo e a cidade


Estas fotos seriam apenas fotos.
Eu não tinha a intenção de escrever nada sobre elas. Porém depois que li uma entrevista uma entrevista com um economista americano, fui tomada de indignação e mesmo confusão. Então quero que estas fotos ilustrem a reflexão de vocês nos comentários.


O senhor economista americano se baseia em cálculos e estatísticas para provar que o mais desejável para o ser humano é viver nas cidades.
Ele diz que as pessoas têm uma idílica do campo, uma visão romanceada da vida longe das zonas urbanas.
Eu sou tipicamente  urbana, mas depois de quarenta anos de trânsito ( sim eles sempre houveram, antigamente era no de manhã e à noite, agora dura o dia inteiro, até nos feriados! ), quarenta anos de rio Tietê fétido, de metrô lotado, manifesto uma vontade titubeante, é bem verdade, mas ela existe, de uma vida mais interiorana.
Será que é uma ingenuidade bucólica?
Tentei me colocar dentro do contexto deste sujeito, que daria ( a estas alturas já deu) uma conferência sobre arquitetura. Não estou me enquadrando bem dentro de contexto.
Quando ele diz que muitas vezes as autoridades atrapalham o desenvolvimento urbano, quando consideram lugares ditos históricos. E termina: "cidades não são museus".


Tenho outros sonhos romanceados, como o de jogar moedinhas nas fontes italianas, tirar foto do Arco de Triunfo, comer chocolate em Óbidos...
Se este sujeito se tornar prefeito de algum destes lugares - adeus minha visão romanceada da vida.
E também penso no que vou comer, porque do que bem me lembro, minha comida vem do campo...
Como você vê a vida rural, ou a urbana?

12 comentários:

Patricia disse...

Q visão mais chata a desse moço, né?
A vida no campo é tão mais gostosa e divertida.
Tantas brincadeiras por lá, tantos pés descalços correndo pela grama.
Prefiro o campo, praia, 100% de contato com a natureza.
bjs

O meu pensamento viaja disse...

Então, também eu tenho uma visão romanceada.
Não estás só, garanto.
Beijo

✿ chica disse...

Adoro a calma da cidade pequena SEM TRÂNSITO que não suporto mais,srrs Linda foto! beijos,chica

Ivana disse...

Ana
Como sou apaixonada por fotos, e estas estão muito bonitas e a arquitetura deste prédio confesso que é belíssima. Tem um na minha cidade muito parecido. Eu entendo que a arquitetura deve ser a paixão deste arquiteto, mas a vida no interior é mais tranquila com certeza,a qualidade de vida é outra! Sou do interior, mas minha cidade já não é mais tranquila como alguns anos atrás, e o trânsito mudou muito em função do crescimento da cidade, não se compara a São Paulo, mas o número de carros aumentou muito e o trânsito está mais lento. Infelizmente minha cidade cresceu muito em função das indústrias, perdeu as características de cidade do interior. Espero que você realize seu sonho, pois existem cidades maravilhosas no interior para crescer com seus filhos com maior tranquilidade, num trânsito mais tranquilo. Um abraço!

Tina disse...

Eu gosto de ver um letreiro me Mac Donald´s, lojas e livrarias de grande porte, shoppings, ruas, carros...
Gosto também de árvores, cheiro de terra molhada pela chuva, calmaria e simplicidade de interior.
Qto aos lugares históricos, bucólicos, tradicionais dos grandes centros, as construções, monumentos e tal, eles são mais que a história da história, da própria arquitetura, de uma civilização, de sues costumes, de seu povo, eles são o sonho de quem quer ir conhecer aquelo, como vc bem pontuou. Eles são a riqueza material que tem muito de imaterial.
Esse economista, como outros evolucionistas, engenheiros, arquitetos etc desconsideram td isso como se olhassem para um conjunto com um visão direcionada, micro e não macro.
Tem-se gosto para td, espaço para tudo, como em interiores que não se tem nem água direito, nem bibliotecas ou museus e se vê tv a cabo, acessa-se internet, como tb tem grandes centros com árvores, fontes, passarinhos...daqui a pouco vão querer tirar os passarinhos dos grandes centros por eles não combinarem com a paisagem. Deus nos proteja!

Ivani disse...

Estou com uma sensação de que li também algo sobre viver nas cidades, mas não me lembro muito bem. Parece-me que o entrevistado dizia que é muito melhor para o homem viver na cidade do que no campo, sei lá...
Esse assunto é muito polêmico. Vivi quase a minha vida toda em uma grande cidade.
Aos 40 anos mudei-me para o interior, não por opção, por motivo de trabalho do marido.
Confesso que a troca foi terrivel nos primeiros meses, demorei para me acostumar com o silêncio, a ausência de filas, de transito, de medo.
Até com as coisas ruins a gente se acostuma.
Hoje gosto dessa vida pacata, mas sinto saudade de S.Paulo, osasco.Vez ou outra vou dar uma voltinha por lá, rever alguns lugares que gostava.
Concordo com voce Ana, o que será de nós se todos forem morar nos grandes centros?
Melhor deixar como está...cada quá com seu piquá...rsrsrs
Mas que a vida no interior tem mais qualidade, pode acreditar que tem.
Beijos querida, seja bem vinda depois do recesso!

Su disse...

Oi moça, que boa hora pra passar por aqui... adorei o tema da postagem.

Troquei a vida de SP pela vida no interior por opção, isso já faz 15 anos, e na minha opinião, a vida por aqui é bem melhor, as pessoas são mais cordiais, até os funcionários públicos são mais bem humorados, as hortas estão por toda parte, adoro comprar tudo fresquinho, passear pelos parques, pelas ruas do centro com os casarões antigos... ter apenas um shopping na cidade, um cinema... enfim... tem tanta coisa que se ficar comparando vou até amanhã, mas entendo também que gosta da vida urbana, dos grandes centros, sei lá... cresci em SP, em meio a tudo isso, mas adoro mesmo é andar com o pé na terra, gosto da simplicidade daqui, de ir ao shopping de chinelo e ninguém ligar para isso... e pra ajudar tem um riozão que corta a cidade, isso deixa tudo mais gostoso pra passear no final de tarde, andar pela beira do rio, tomar um suco... vixe... deixa eu parar...rsrs

Beijos! Saudades!
Su.

MENINO HOMEM disse...

Atualmente as pessoas vivem num mundo totalmente urbano, porque é chic viver nos grandes centros, é lá que existem os maiores Shoppings, os Teatros, Cinemas, e tudo o mais que remete ao consumismo, ao estrelismo, ao status de viver "bem", então, a vida no campo não tem "glamour", não é chic sentar na praça, ou mesmo na frente de casa pra jogar conversa fora, não tem graça apanhar verduras e legumes no pátio, nem tampouco vai ser interessante criar nossos filhos correndo nos campos e apanhando frutas nos pomares, enfim, será que estamos indo depressa demais a um mundo futurista em que estas "coisas simples" da vida serão apenas relembradas em livros, ou melhor, só veremos tais situações em arquivos tecnológicos que serão acessados por nossos netos e bisnetos em estações ou até mesmo em naves espaciais totalmente revestidas de materiais à prova de bala, fogo ou até mesmo à prova de humanos?? Acho que peguei pesado demais!!

MENINO HOMEM disse...

Atualmente as pessoas vivem num mundo totalmente urbano, porque é chic viver nos grandes centros, é lá que existem os maiores Shoppings, os Teatros, Cinemas, e tudo o mais que remete ao consumismo, ao estrelismo, ao status de viver "bem", então, a vida no campo não tem "glamour", não é chic sentar na praça, ou mesmo na frente de casa pra jogar conversa fora, não tem graça apanhar verduras e legumes no pátio, nem tampouco vai ser interessante criar nossos filhos correndo nos campos e apanhando frutas nos pomares, enfim, será que estamos indo depressa demais a um mundo futurista em que estas "coisas simples" da vida serão apenas relembradas em livros, ou melhor, só veremos tais situações em arquivos tecnológicos que serão acessados por nossos netos e bisnetos em estações ou até mesmo em naves espaciais totalmente revestidas de materiais à prova de bala, fogo ou até mesmo à prova de humanos?? Acho que peguei pesado demais!!

Lacorrilha disse...

Carreguei em Óbidos e fiquei surpresa, nunca pensei que fosse dar ao meu estaminé. :)
Eu vivo numa cidade, mas quase todos os fins de semana tenho a possibilidade de fazer uma escapadela para um local calminho, geralmente escolho a praia, mas também adoro ir para a serra ou campo. Adoro fugir para onde o sossego impera e é nesses dias que recupero energias. Acho que não seria capaz de viver fora da cidade, mas eu também vivo numa cidade pequena, muito pacata. Quando vou ali a Lisboa, tenho a certeza que não seria feliz lá, é demasiada confusão, não me conseguiria acostumar.
Beijocas

mfc disse...

Eu fujo sempre para o campo durante as minhas férias, que é onde há efectivamente qualidade de vida!
A vida na cidade é perfeitamente "enlatada" e anti natural.

Beijos,

Cris Martins disse...

Ana, nasci em Sampa, mas me mudei tinha 8 anos apenas... Lembro-me que chorei demais de saudade...
Mas hoje naum quero voltar...
Não sei se conseguiria viver no campo apenas com o q ele oferece...
Lojas, barzinhos e etc, talvez me fizessem falta.
Porem se eu morasse num campo proximo com possibilidade de fazer visitinhas na cidade... acho que escolheria me mudar...
Mas trabalho, familia e etc nos prende na vida urbana!

Bjokas