domingo, 4 de agosto de 2013

Por favor escrevam

A falta de cartas, essas escritas de próprio punho, com cep, envelope, correios, selos, está causando intenso desequilíbrio ambiental.
Por isso peço, por favor escrevam.
A escassez de cartas está acarretando esta triste realidade nas caixas domésticas de correios.

Marimbondos invadem a minha caixa de correspondências.

9 comentários:

✿ chica disse...

Muito legal teu post e aqui em casa, a minha não fica assim ,pois chegam os impostos, as contas e contas... beijos,tudo de bom,chica

Patricia disse...

Pode deixar, vou te mandar cartinhas e alguns cartões postais tb! rs
bjs

Moro em um Kinder Ovo disse...

A minha caixa é igual a da Chica, sempre tem contas. Mas agora me deu saudades de colar um selo no envelope (chego a sentir o gostomda cola). E quero também lambuzar o envelope com goma arábica. Ainda existe? Vou já procurar a origem do nome...

Pandora disse...

Sabe que você me lembrou uma coisa importante!!! Tenho cartas a enviar e falta colocar o endereço!!! Amanhã vou ao correio!!! <3
_____

Poucas coisas são tão legais quanto escrever e receber cartas!!!

lis disse...

Ah que saudade das cartinhas,principalmente as amorosas rs
Era tão comum recebe-las ... não é ?
Simpático este post_ criatividade é fundamental por aqui , voce tem!
Beijos e que a semana comece feliz.

Tina Bau Couto disse...

Estou aqui com algumas companhias para seus marimbondos e para as contas de Carol, Alê, Pedrinho...
Tem aqui tb na gaveta, para um post, a imagem de um bloco de papel de seda pautado com uma aeromoça na capa e tb canetas kilometrica.
Sinto saudades de ver o carteiro, de esperar ele buzinar de caixas de correio. Aqui as correspondências são postas por baixo da posta, na casa de meus país tem uma caixa feita por meu pai com nome impresso por mim a muitos anos atrás e ali colado com plastificação, no meu desejo tem uma cx de correio como a do filme Up, sempre cheia de contas que podem ser pagas, cartas, postais, pacotes com ou sem bilhetes e carinhos selados que não tem preço.

Calu disse...

Menina,
que inspiração luminosa, esta, reflexos amarelados da caixa sem uso e dos marimbondos hospedeiros.

Legal demais, Ana.
Bjkas,
Calu

Vania Lucia disse...

É novos tempos...
Nem tudo é bom e muita coisa deixou saudades.
Que tal transformar as caixas de correio em floreiras e perfumar a entrada de nossas casas...
Bjs
Vania

Ivani disse...

agora é que não escrevo mesmo! coitado do carteiro, como vai enfiar carta nesse "enxame" de abelhas?
e voce, como vai retira-la? Melhor deixar quieto!
Brincadeiras à parte, sinto falta das cartas também.
Sou de uma época em que se escreviam cartas (datilografar era falta de educação) longas cartas, e era emocionante demais recebe-las.
Tive um namorado que foi embora para Ribeirão Preto e me escrevia sempre. Lembro-me até agora do frio na barriga e suor nas mãos ao abrir a carta dele. Mas elas foram rareando, rareando, e um belo dia eu percebi que não viriam mais.
Soube depois que ele estava namorando outra menina, que morava por lá. A distância esfria qualquer relacionamento, principalmente aos 18 anos.
Bom, se não parar por aqui vou fazer uma biografia kkkkk e o assunto não é esse.
Beijos Ana, boa semana pra voce.