segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Três dicas

A primeira dica é um teste de literatura para saber qual livro você é, que a Ana Vi trouxe pra gente se divertir. Quer fazer o teste? Aqui no blog Filha de José.
Como disse a Tina, para lembrarmos tempos de revista capricho!

Eu já fiz e sou...



Definição:

"Antologia poética", de Carlos Drummond de Andrade
"O primeiro amor passou / O segundo amor passou / O terceiro amor passou / Mas o coração continua". Estes versos tocam você, pois você também observa a vida poeticamente. E não são só os sentimentos que te inspiram. Pequenas experiências do cotidiano – aquela moça que passa correndo com o buquê de flores, o vizinho que cantarola ao buscar o jornal na porta – emocionam você. Seu olhar é doce, mas também perspicaz. 
"Antologia poética" (1962), de Drummond, um dos nossos grandes poetas, também reúne essas qualidades. Seus poemas são singelos e sagazes ao mesmo tempo, provando que não é preciso ser duro para entender as sutilezas do cotidiano.

Depois me conta o seu livro, hein?!


A outra dica está lá no blog da Beth/Lilás: um vídeo curtinho de três minutos sobre um jantar em branco.
Lindo, faz sonhar.
Clica aqui para assistir!

Última dica: uma crônica para reflexão sobre brincar com armas. Bem sabemos o porquê desse assunto neste momento, e independente de quem foi o responsável, a reflexão é importante.
Texto de Ruy Castro

20 comentários:

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Oiii Ana vou conferir todas, isso é que é privilégio, Carlos Drummond de Andrade não é p qualquer um rsr, Bjinhosss

✿ chica disse...

O livro vou ver depois qual sou.. A dica da Beth pé linda demais e adorei e falta ainda o texto ... belas tarefas! beijos,chica

Filha de José disse...

Oi Ana Paula.

Legal demais o seu livro.
Observar a vida poeticamente é a sua cara.

Que vídeo lindo. Eu assisti.
Vontade de estar lá.

Sobre o texto... infeliz afirmação da psicóloga.

Abraço pra ti.
Ana Virgínia

Tina Bau Couto disse...

Sobre o livro que és, ou melhor que somos, é mais uma sincronicidade que ratifica haver algo encantado entres nós, entre nós e a poesia, nossas histórias dão uma antologia;


Sobre o jantar branco, tanto me encantou que se encaixou ao meu post de hoje, com sincronicidade, completude, brancura;

Sobre o texto de Ruy Castro, estou me controlando para não fazer a minha versão do mesmo, ouvi de um amigo que é policial que acha natural e indicado deixar o sobrinho manusear a arma dele, porque a curiosidade por não poder ser o problema, que mostra a ele fotos de horrores, que conta casos...a criança deve ter no máximo 10 anos.
Vou assentar as palavras do Ruy, como rio mexido e tentar fazê-las virar mar, para ver se pelo menos uma única pessoa se banha, e de uma em uma o mundo muda, assim espero.

Imaculada disse...

Querida Ana Paula!
Amei todas as dicas! A primeira já fiz sou: "Os donos do mundo de Roberto Shiyashiki" As outra dicas vou fazer depois. Obrigada pela partilha! Abraços e um linda tarde pra ti.

Moro em um Kinder Ovo disse...

Fiz o teste do livro e eu sou Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.
Quero saber como posso participar de um jantar assim.
e quanto à afirmação da psicóloga ela é, no mínimo, infeliz. Tenho medo de tudo o que é generalizado, que se aplica em toda e qualquer situação. Hoje estou falando no blog sobre como a personalidade de uma criança vai se formando de acordo com as experiências que ela vivencia dentro do âmbito familiar. Mas os valores que devemos cultivar não estão relacionados à profissão dos pais.

Zilani Célia disse...

OI ANA!
FIZ O TESTE LÁ NO BLOG DA "ANA" ACHEI MUITO LEGAL TAMBÉM.
O MEU FOI CARMEN- UMA BIOGRAFIA DE RUY CASTRO.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Mirys disse...

Oi Ana!

Vim te dizer que GRAÇAS A VOCÊ, hoje, participei de um desafio fotográfico inspirado na Lacorrilha (que eu conheci aqui!).

Obrigada por sempre nos trazer novas inspirações e gente bacana, aqui no blog!

Bjos e bençãos.
Mirys

http://diariodos3mosqueteiros.blogspot.com.br/2013/08/flinpo-quem-te-inspira.html

Pandora disse...

Vou lá conferir as dicas a começar por descobrir qual livro sou!!!

Pandora disse...

Ruy Castro me fez rachar de ri no final do seu texto!!! Essa psicologa é doida!!! O vídeo da Beth é lindo, a ideia também, detesto comer mais o prazer de encontrar gente disposta a conversar, sorrir e experimentar o prazer do encontro não tem preço, acho mesmo que o melhor da vida é os encontros que podemos ter nela. E o teste do livro deu que eu sou o "Morte e Vida Severina" do João Cabral de Melo Neto, e ai você acha que combina comigo?!?

Marly de Bastos disse...

Fiz o texto e deu
Martha Medeiros em "Doidas e santas": Moderninha e solteira, ou radiante de véu e grinalda? Eis a questão da jovem (ou nem tão jovem) mulher profissional, cosmopolita e, apesar de tudo, muito romântica. Eis a sua questão! Confesse: quantas horas semanais você gasta conversando sobre encontros e desencontros sentimentais com as suas amigas? Aliás, conversando não. Analisando, destrinchando... Mas isso não quer dizer que você só questione a existência de príncipe encantado, não. A vida adulta hoje não está fácil para ninguém, como bem mostram as 100 crônicas de "Doidas e Santas" (2008), que retratam os sabores e dissabores da vida sentimental e prática nas grandes cidades.
Aliás eu já li o livro e gostei, como gosto de tudo que a Martha escreve.
bjkas doces

Anne Lieri disse...

Ai Ana,não acredito que sou o mesmo livro que vc!...rss...fui lá fazer,lógico! Bem legal!Tb adorava esses testes da revista Capricho!...rss...boas dicas,vou espiar!bjs,

Anne Lieri disse...

Oi Ana!Hoje voltei só pra dizer que tem um texto seu no meu blog,viu? O link está aqui se quiser ver,tem todos os créditos certinho:

http://recantodosautores.blogspot.com.br/2013/08/meios-de-comunicar.html

bjs e obrigada!

Luma Rosa disse...

Oi, Ana Paula!

Apareceram dois livros pra mim:
- "Memórias póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis e
- "Doidas e santas", de Martha Medeiros.
Se ler a descrição, os dois livros são quase que opostos (rs*)

O Dîner en Blanc já aconteceu em várias partes do mundo, quando um grupo de dez pessoas tiveram a vontade de jantar em um local proibido de Paris. O jantar terminou como um flash mob de 200 pessoas no Jardins de Bagatelle, o ex-parque da realeza francesa (Marie Antoinette).
Desde então, os adeptos foram crescendo e até o último momento antes do jantar, a sua localização é mantida em segredo.
Com o mote "o poder da conexão humana e da colaboração", o Diner en Blanc virou um documentário muito esperado sobre esta tradição sem fins lucrativos e que se espalhou por várias cidades do mundo. No vídeo está o trailer do documentário de Jennifer Ash que veio para celebrar os 25 anos do Dîner en Blanc. Aqui no Brasil ninguém teve a ideia de se juntar a esse flash mob que tem participação aberta, basta a inscrição no site, na verdade é um comunicado de que haverá a reunião.

Levando-se em consideração que a psicóloga trabalha para a PM-SP, ela como um advogado tem que defender seu cliente, mas vejamos onde está o erro: Assim como todo trabalhador, um PM não deveria levar trabalho para casa. Assim um cirurgião quando sai da sala de cirurgia, ali deixa o seu bisturi, um PM ao sair do quartel, deveria deixar ali a sua arma. Mas independente se policial ou não, quem tem armas em casa, deve mantê-las longe da curiosidade infantil. Dentro de um cofre não seria o melhor lugar para o caso de uma emergência. Então, complicado ter armas em casa. Mostrar para a criança e dizer que mata? E se a criança for como estão dizendo que o menino que matou a família confundia a vida com vídeo games? Me lembrei de uma entrevista em que Marilyn Mason diz da culpa do Estado pela atual violência na sociedade civil. O video tem duas partes que valem a pena assistir para compreendermos a manipulação do Estado nas mentes das pessoas. No Brasil, a comunicação de massa também tem a grande culpa!

Luma Rosa disse...

Só lembrando que ligaram o que aconteceu em Columbine com a música de Marilyn Manson... Ele foi bastante perseguido.

Calu disse...

Oi Ana,
imagine só, sou CARMEN(kkkkk),de Ruy Castro;qualquer semelhança não é mera coincidência.E olhe que as definições dadas couberam direitinho em meus jeitos e preferências.Gostei da brincadeira.Vou atrás deste livro.
O vídeo lá da Beth está imperdível.
Bom fim de semana.
Bjos,
Calu

Alê Lemos disse...

Como assim o meu livro? Boiei! kkkk Eu precisava ler essa frase tomei uma rasteira e estava com dificuldades de me reerguer. Bom final de semana Ana!

Moacir Willmondes disse...

Vixe, para mim deu 'A paixão segundo GH' da Clarice.

Gostei.

Luís Fellipe Alves disse...

Gostei dos dois primeiros livros: Antologia Poética e Morte e Vida Severina. Mas o terceiro foi um, que nem fiz questão de gravar o nome, em que a descrição vinha que meu objetivo era vencer, blá blá blá. Como se eu fosse um ultra empresário e só quisesse ver a escada do sucesso. Achei contraditório com a descrição das outras. Felizmente não sou e nem sonho em ser essa pessoa. Meu objetivo de vencer não se encaixa nas definições apresentadas lá.

Mas é um teste legal. Valeu as dicas!

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, putz!!! Excelentes as dicas. O Rui Castro, jornalista muito polêmico do tempo do periódico O Pasquim, é fera do jornalismo nacional.
Beijo,
Manoel