sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Visitantes

Deixaram as montanhas das Minas Gerais e estão a nos visitar, o casalzinho Sebastiana e Antônio!
Aproveitam também para cuidar da audição.
Temos ficado a maior parte do tempo com eles.
Entre conversas, choros, risos, alguns momentos


Seu Antônio
"Paula como é mesmo o nome daquele mercado lá na frente?
Extra, respondo.
Não, não, aquele outro lá pra diante.
Roldão.
Esse mesmo. Fui lá com o Fábio. Eita que fiquei impressionado com aquele tratorzinho que coloca aqueles pacotão de produto lá em cima e desce outros lá daquela altura. Olha que nós temo máquina grande lá na roça, mas ficar olhando um tratorzinho trabalhar assim naqueles corredor estreito, é uma belezura.
Ô Paula, ele ficou olhando tanto pro tratorzinho do mercado que esqueceu de comprar os doces que eu pedi que é pra dar para as crianças ( crianças no caso é ela mesma! ) - dona Sebastiana.

Sebastiana.
"Ah já falei que tô no finalzinho da vida...
Então mamãe, disse marido, vamos largar mão de ficar correndo atrás de aparelhinho pro ouvido, remédio pra perna, deixa pra lá, né?
Não filho. Vamo atrás sim que eu vou pedir pra Deus pra ficar mais bocadinho por aqui!"

Seu Antônio na consulta com o otorrino.
"Então seu Antônio, o aparelho para o ouvido vai ficar em doze mil e trezentos reais. É o mais moderno que existe. O senhor vai escutar até passo de formiga.
Quando ele se deu conta do preço, tratou de fazer as contas na frente do médico de quantos sacos de café teria que vender, mais os de milho e ainda dispor de algumas bezerrras.
Sabe doutor, só com essa limpeza que o senhor fez eu já melhorei. Acho que não vou precisar de aparelhinho moderno não. "


Assim que possível, coloco as minhas visitas aos blogs em dia! Vou prosear mais um pouquinho com eles!
Beijo

11 comentários:

Moacir Willmondes disse...

Que maravilha de postagem. Esplêndida, viu, Paula.

Jorge Luis Borges, aos 67 anos, escreveu:
"Um homem se propõe a tarefa de esboçar o mundo. Ao longo dos anos povoa um espaço com imagens de províncias, de remos, de montanhas, de balas, de naves, de ilhas, de peixes, de habitações, de instrumentos, de astros, de cavalos e de pessoas. Pouco antes de morrer, descobre que esse paciente labirinto de linhas traça a imagem do seu rosto".

Um abraço para você!



JAN disse...

Olá Ana Paula!
Continue "proseando" com as visitas...

Abração
Jan

Cristiane Marino disse...

Oi Ana Paula,

que fofos eles são, aproveite a companhia...
Bjs e ótimo final de semana

✿ chica disse...

Que carinhas mais lindas e bons papos!Adorei as conclusões...Muito legal de ler!Vai cuidar deles e acarinhar!beijos,chica

Ana Bailune disse...

Pessoas reais, gente de verdade. Como eu gosto!

Tina Bau Couto disse...

Amei o remendo trazido pelo Will

Da foto deles, senti cheirinho, quenturinha, vontade de abraçar. Ela apesar da carinha de mais doce, talvez pelo tanto de doces das crianças que consuma, imagino como mais geniosa. Ele parece-me pura candura, como passarinho molhado. As caras enganam?

Das histórias, amei cada uma e quero mais.

Lembrei do que eu disse a meu marido que não se aguenta de desejo a cada modelo novo e nova tecnologia de imagens de tv lançadas.
Ele me descreveu empolgado que a imagem de uma tal tv que ele já planeja comprar é translúcida, detalhada, quase salta aos olhos e eu lhe perguntei pra que tanta qualidade na tv se a tendência da qualidade de ver dele cada dia diminui. Dizer que não há qualidade na imagem por causa da tv é bem melhor do que ter tv de qualidade e dizer que não vê as coisas direitinho por causo das vista :)


Ah!!! Lembrei tb da frase de uma amigo tirado a filósofo de botequim, que bem serviria para seu Tonho dizer ao médio na hora que ele disse o preço do aparelho de ouvido ultra modernoso: "Melhor ser surdo que ouvir isso".

Saúde aos dois, histórias, risos, choros, amor, muito amor, sopa quentinha com pão pra lamber o prato, café coado no coador de pano e saudação de chapéu em mãos, com carinho do fundo do meu coração \o/

Tina Bau Couto disse...

Fui buscar pra trazer:

"Se a gente cavar um buraco ao pé da goiabeira do quintal, lá estará um guri
ensaiando subir na goiabeira. Se a gente cavar um buraco ao pé do galinheiro, lá
estará um guri tentando agarrar no rabo de uma lagartixa. Sou hoje um caçador de
achadouros de infância. Vou meio dementado e enxada às costas a cavar no meu
quintal vestígios dos meninos que fomos."
Manoel de Barros

Boas cavadas em família pra vcs, as enxadas desses dois devem trazer a tona cheiro de terra boa e tesouros ímpares :)

Patricia disse...

Que delícia de visita!!
Aproveite muito!!
bjs

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, excelente! Isso é que é sabedoria. Imagino o Sr. Antonio acompanhando o trabalho da empilhadeira...é coisa de louco mesmo.
Pelo preço do aparelhinho eu até era capaz de ficar surdo, se já não estivesse.
Dona Sebastiana faz o charminho dela, mas está cheia de vida e sempre quer mais.
Esse encontro é uma ótima oportunidade para ouvir e aprender. Simplicidade, humildade, alegria na alma...convivência boa é tudo de bom na vida.
Divirtam-se bastante.
Um beijo,
Manoel

Gracita disse...

Oi Ana Paula
São encontros assim com pessoas sábias e despojadas que deixam a vida mais colorida e aconchegante. Boa prosa por aí minha querida
Beijos

Moro em um Kinder Ovo disse...

Cada um trabalha com a moeda que conhece. Para a costureira, são as peças que consegue produzir. Para a cabeleireira, os cabelos que alisa e encaracola. Para o médico, o número de consultas que realiza. E o sr. que a visita sabe bem como custou produzir o seu café e o seu milho. É capaz de precisar até de vender as galinhas e o cachorro também.