sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

O caso da teia

"Teia" no caso significa casa, telhado, moradia, telha.

Há tempos que eu queria descrever algum causo onde fosse possível se deparar com a sabedoria da dona Sebastiana.
Encontrei!
É o caso da teia. Especificamente da teia do Antônio ( seu marido ).
Foi-me contado por ela mesma e agora vou recontá-lo, usando algumas palavras dela.

Sabe Paula que quando eu estava acamada, ( ficou três meses pela fratura na perna ) o Antônio veio conversar comigo e disse que estava muito triste porque tinha chegado nesta altura da vida sem ter uma teia. Criou 12 filhos, todos têm teia e só ele que não.
Eu disse pra ele largar mão de bobagem que nós estamos muito bem aqui na casa do filho. E que não é possível, que agora que já estamos quase fazendo a curva da vida, nosso filho vai por nós pra fora. E se fizer isso, ainda tem 11 filhos. Um deles há de acomodar nós dois.
Falei isso pra ele, mas ele continuou uns dias cabisbaixo. Então eu vi que a coisa era muito séria e aí eu fiquei duas semanas sem dormir, só matutando.
As meninas ( filhas que se revezavam em cuidá-la ) achavam que era por causa da perna. Eu num contei que era por causa da teia do Antônio.
Matutei, matutei e pensei: se eu morrer agora, eu não vou ter sossego do lado de lá porque deixei o Antônio aqui triste sem ter teia. Se ele morre primeiro que eu, vou ter duas tristezas - de ficar sem meu companheiro e de ter deixado ele partir sem a sua teia.
Mas Paula, eu só quero sair daqui direto pro cemitério.
Chamei o Antônio e disse que eu ia ajudar ele a ter a teia. Vendi minhas galinhas, vendi as vacas que eu tinha, juntei um dinheirinho que tava guardado dentro de um travesseiro, e dei tudo pra ele.
Ele tinha mais um pouco e comprou o terreno.
Tem que ver como alegrou esse homem Paula!

Você foi lá ver a casinha? É boa?

Casa contruída, prontinha e aí...
Começa o muda-não-muda.
Então a voz de Tiana sentenciou: " Eu disse que ajudava o Antônio a comprar e construir, mas nunca disse que iria mudar daqui. Ele não queria uma teia? Agora já tem. Mudar, eu não mudo não.

Ah! E já esta à venda a teia do Antônio!    

9 comentários:

Tina Bau Couto disse...

Pois é! Homem são assim querem uma coisa, depois coisa e meia, teia, depois mudança pra teia, depois ia ser espichamento de teia e sabe-se mais o que...rsrs

Vender tb não achei certo sabe, deixava a teia lá pra mode ir de passeio, tipo casa de veraneio, de passagem, de guradar as tralhas, de trocar o ar dos pulmões, pra ele não resmungar qd a lua mudar, pq homem reclama qd muda lua, qd ta quente, ta frio...

Salve as Sebastianas, Paulas, Tinas, Chicas, Ivanis \o/

Lindo ele mas deve já ter dado muito trabalho esse olhinhos azuis, tenho dois, sei bem como sou...rsrs

PS: Amei a foto dela com cara de explicação e dele com cara de que pediu incompleto

✿ chica disse...

Que lindos os dois e como foi importante apenas satisfazer a vontade de ter uma teia e ela não queria messssssmo mudar. Um amor de história! beijos,chica

Bia Hain disse...

hahaha, Achei muito interessante o final... realizar o sonho, tudo bem, mas mudar, não, hahaha. Achei lindo porque eu também ficaria a matutar um jeito de ver o homem que amo feliz. Acho que isso faz parte da natureza de algumas pessoas, se preocupar não só em realizar seu sonho, mas também dos que ama. Um abraço, lindo 2014!

JAN disse...

OMESSA!!!!!! ;-)

Abração
Jan

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, que linda a compreensão da Dona Sebastiana para com o Sr. Antonio. Esse causo que você contou chama muito a atenção do compreender-se. Seu Antonio teve a felicidade dele proporcionada pelo carinho da Tiana e no fundo ele compreendeu que ela não queria se mudar dali e que não custava nada deixá-la feliz também. Lindo, não é?
Ana, a vida é tão simples e a gente sem experiência muitas vezes consegue complicar tudo por causa de bobagens, não é mesmo? Adorei sua postagem.
Beijo,
Manoel

Pandora disse...

Dona Sebastiana é uma genia, ela arrumou uma solução para um dilema insolúvel com uma facilidade que me deixou boba... O Seu Antonio é um homem de sorte por ter encontrado uma companheira assim...

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Ana]Achei lindo o gesto da dona Sebastiana, abrir mão das suas economias e animais para dar uma alegria a seu companheiro e mais lindo ainda ela não abrir mão de seu desejo de ficar onde está..rsrsrs
Bom eu não sei se venderia meus bichinhos...rsrsrs
Amei este conto,um amor lindo.
Beijinhos.

Moro em um Kinder Ovo disse...

Historinha linda que fez o meu coração sorrir.

Filha de José disse...

Que história boa Ana Paula.

Bonito ver o amor assim. O amor que faz de tudo para alegrar o outro. Ops... quase tudo, menos mudar né.

rs

Abraço pra você, para D. Sebastiana e para o Sr. Antônio.

filhadejose.blogspot.com