terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Silêncio


No silêncio deste acolhimento tento apaziguar o coração, que na verdade, não é coração, é cérebro.
Tento lavar com  água cristalina as imagens manchadas de sangue. Não o sangue da vida, o sangue que a violência faz jorrar. Imagens que mesmo sem ter atravessado a retina, existem.
sangue
seiva
orvalho
lágrima

9 comentários:

Bia Hain disse...

Oi, Ana! Para aquietar a dor do coração só mesmo a razão soprando baixinho e o silêncio para que a sintonia encontre de novo seu eixo. Um abraço!

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, compartilho desse silêncio com você.
Beijo,
Manoel

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia,Ana Paula.
...
sim...há momentos que temos que deixar o silêncio tomar conta,para solucionar ou compreender tudo que se passa...
agradeço pelo carinho, obrigado,belos dias, beijos!

✿ chica disse...

Esse silêncio faz bem e nos reanima.Precisamos dele! beijos,chica

Ives disse...

Encontra-se flores no silêncio!

http://ives-minhasideias.blogspot.com.br/

Moro em um Kinder Ovo disse...

As lágrimas lavam o nosso coração e deixa ele limpinho para abrigar novos sentimentos.

Tina Bau Couto disse...

Veias, vias, vão fora e dentro de nós pulsão

Água, sangue, sombras, sol, sonhos se encarregam do ir e vir das nossas tristezas e alegrias, descrenças e esperanças

* Forte, profundo e pulsante seu poetar

Ingrid Flauzino disse...

Oi coração,

Passei aqui para conhecer seu blog e claro não pude deixar de te seguir !

Ficarei muito feliz em te ver lá no meu cantinho =D
Fico te esperando viu

Beijocas

vidadaguidi.blogspot.com

Rovênia disse...

Que o homem evolua. Um progresso de alma! Belo protesto, Ana!