sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

3/52


Feira livre. Adoro seus clichês: "Moça bonita aqui não paga, mas também não leva".
As feiras aqui de São Paulo são muito animadas e achei que fosse assim por todo o Brasil. 
Em Curitiba percebi o quanto podem ser diferentes.
As feiras já viveram seu auge. Hoje, embora persistam, enfrentam a concorrência e praticidade dos hipermercados, hortifrutis e a fúria das redes sociais com o #forafeira. Trânsito, dificuldade de estacionar, mais mulheres no mercado de trabalho bem no horário de se fazer a feira... 
Às vezes por 20 ou 30 anos no mesmo endereço, o feirante sente a falta de um determinado freguês e fica sabendo por parentes ou vizinhos que o mesmo faleceu.
Não é uma vida fácil, todo esse colorido bonito começa a ser delineado ainda de madrugada e tudo é mais bonito num dia ensolarado. Prejuízo é certo nas manhãs chuvosas.

16 comentários:

✿ chica disse...

Adoro essas feiras e posso imaginar a trabalheira dos feirantes. Por isso temos que valorizar! Linda tua foto! beijos praianos,chica

Tina Bau Couto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tina Bau Couto disse...

Amo feiras! Muito! E o pitoresco é que também amo shoppings e luxinhos, meu marido diz que não há distinção em minha alegria e satisfação em uma loja de bolsas, uma papelaria, livraria ou uma banca de frutas...rsrs

Quando fui em Sampa o melhor para mim pareado ao Museu da Língua portuguesa foi o passeio no Mercado Municipal e foi o que mais rendeu fotos. Mandei para vc na ocasião? Se não me peça que te mando, metade tem eu ou os parceiros de passeio (3 homens: filho, marido, primo do marido que a mulher renegou veemente ir a feira) e a outra metade só as frutas. bacalhaus...

Gosto das chamadas, dos cheiros, das cores, das pessoas, das embalagens, do tanto que se pode aprender...

Aqui tem uma do governo, a Ceasa que tem ao seu lado uma Ceasinha (amo o nominho), que vendem frutas, legumes, mariscos e cestos, coisas de barros, flores, folhas, incenso, velas...

Tem uma antigona que como essa está ganhando reforma e é uma lindeza pela criatividade e variedade dos nomes dos boxes, de como se arruma as coisas, do que se vende, é a Feira de São Joaquim.
Tem uma antiga também tipo um labirinto com pequenas bancas no entorno chamada de 7 portas, amo só pelo sete e tb pois sempre foi a mais perto das casas onde morei.
Mais outra antiga e pequena de bairro, pra tds os bairros, a do Largo 2 de julho.
E tantas outras novas, menores, grandes e muitas bancas tipo as de revistas, tendas de lona, balcões de madeira pelas ruas, Kombis que circulam por bairros pobres e ricos, com megafones anunciando sua passagem chamando as freguesas.

Deu pra notar que de feira somos bem servidos e no meu caso e acho que da maioria agradecida.

Poesia do Bem disse...

Oi Ana
Aqui é cidade pequenina e dia de sábado é o dia da feira que vai até umas 2 da tarde. Vende de tudooo, roupa, calçado, cds, ervas, frutas, e oq ue vc imaginar. mesmo tendo vários supermercados com frutas frescas o povo é acostumado a vir no sábado comprar na feira, os feirantes tbm são de cidade vizinhas e trazem mais frutas que são de outros estados, os daqui vendem batatas, bodes, galinhas caipiras, coentro, cebolinha. Tem até bazar hehehe. Um dia vou postar umas fotos hhe, mas acho já devo ter colocado ano atrás num post que fadas nossas férias por aqui. Tem novidade no poesia, bjs

Rovênia disse...

Gosto dessa vida de cidade que você traz nos seus posts, Ana. Aqui em Brasília, como a cidade é nova, temos pouca tradição. Até as feiras são em local próprio, organizado. Não tem monta, desmonta. Mas é gostoso mesmo assim. Gosto também da gritaria, das frutas fresquinhas empilhadas... Bom fim de semana! :)

Alê Lemos disse...

Ah eu tb gosto da feira! Uma vez pensei em falar dela n blog mas esqueci depois de escrever o texto kkkk. Aqui além desse da moça bonita, tem "ei psiu caiu aqui ó" aí a pessoa olha e o feirante diz: "o preço caiu" kkk. Na feira, além dessas piadas clássicas vendem o pastel com caldo de cana que é uma maravilha. Não sabia dessa de querer tirar a feira. Aqui é burrice, pq os legumes e frutas (sem falar nos ovos) tem muito mais qualidade que no mercado. No mercado vc chega e o tomate tá todo machucado, na feira tá lá gordão, brilhando no sol só fazendo o canto da sereia pra atrair a gente. A única coisa chata é o calor.

JAN disse...

Oi Ana Paula!
Moro em Curitiba e estive pensando nas feiras livres... estão sumindo.
Já muito "feireira" ;-)


Abração
Jan

Cristiane Marino disse...

Oi Ana Paula, que foto linda!
Eu adoro feiras, tudo parece mais fresquinho e geralmente bem mais barato que no mercado. Aqui em São Paulo, feira é realmente uma festa que sempre termina na barraca do pastel e do caldo de cana!
Bjs e ótimo final de semana

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, ir à feira é bom nem que seja só para passear e observar. É folclórico e cada lugar tem a sua característica. As do estado de São Paulo em geral são muito alegres e cheias de chavões. Eu me divirto quando ouço o vendedor falar (no maior sol): "Olha a chuva!... de ofertas! Todos olham para cima para ver os pingos e em seguida vem o "de ofertas", kkk! Aí todo o mundo ri.
Outros usam a "Promoção e pra mocinha"... e por aí vai.
Beijo,
Manoel

Maria disse...

Adorei visitar a feira por sua mão...aliás adorei o que encontrei por aqui...vou ficar a seguir!!!
bjs
Maria

Calu B. disse...

Adoro o charme antiguinho das feiras, Ana.Conheci muitas Brasil afora e, embora o arcabouço seja igual, as particularidades são visíveis.Por aqui ainda persistem umas três em diferentes bairros.
Bom fim de semana.Bjkas.
Calu

Ivani disse...

Ana, muita saudade de você.
Adoro feiras livres, mas infelizmente por aqui não temos.
Quando morava em Osasco, grande SP, minha maior paixão era a feira, na quinta, onde ia puxando um carrinho.
Conhecia maioria dos feirantes, conversava, comprava tudo fresquinho. Era tão grande a danada que lá na ponta tinha umas 8 barracas de roupas, sapatos, armarinhos, louças e panelas, brinquedos, uma verdadeira festa!
Não vou me esquecer dos pasteis, que eu comprava e mandava embrulhar em papel de pão, davam um laço em cima e a gente enfiava no dedo. Meu almoço e das crianças estava garantido! Muito bom lembrar, beijos amiga.

Bia Hain disse...

Oi, Ana, como vai?
Onde moro há uma feira aos sábados que foi resgatada há uns quatro anos por um padre da cidade. Não são um show de animação, mas sempre garantia de bons produtos e boa comida.
Gosto dos hipermercados, mas também das tradições. Elas trazem uma sensação de aconchego.
Um abraço!

Moro em um Kinder Ovo disse...

adoro feira, os seus cheiros e sabores. E o pastel de feira?? O melhor que existe.

Filha de José disse...

Olá Ana.

Também gosto de feiras.
Poder experimentar a fruta pra ver se realmente está docinha. Experimenta a melancia, laranja...

Aqui em JF é comum ter uma barraca vendendo pastel nas feiras...

Quando era menor eu e minha irmã íamos com meu pai na feira pensando no pastel... mas depois tínhamos que ajudar a carregar as sacolas pra casa... rs

Abraço.

Ana Virgínia

Luís Fellipe Alves disse...

Oi, Ana! Por aqui as feiras se encurtaram. Conheço algumas, nos bairros mais tradicionais, que permanecem quilométricas. Mas a do meu bairro foi se esfarelando. Sobraram os mais populares por ali: a do pastel, a do frango, a dos legumes e a de doces. O resto, nem aparece mais.

Beijo