sexta-feira, 10 de abril de 2015

O sal da Terra


Eu tenho vários sentimentos sobre esse documentário ao qual assistimos no último final de semana.
Talvez outros aflorem depois. Hoje quero falar das relações pais e filhos.
Esse documentário sobre o conhecido fotógrafo Sebastião Salgado foi dirigido pelo seu filho, Juliano Salgado e foi uma espécie de curativo, de lenitivo para o relacionamento dos dois.
Para nós, público, apreciador do trabalho do renomado fotógrafo, vemos, além da beleza das fotos, uma vida inusitada e permeada pela fama, pelo reconhecimento.
E aqui nesse trabalho eles, pai e filho, se desnudam em seus lados humanos.

Penso na adolescência, passo por ela agora através de meu filho. Nós, pais, somos na adolescência, questionados, perdemos nossa aura mágica, nos tornamos apenas o lado ruim. Às vezes passa, às vezes não. Em outros casos, muito tempo é preciso até que desça a compreensão e poesia para nossas atitudes.
Foi bonito mostrar para meus filhos, fazê-los imaginar como seria ter um pai como Sebastião, que leva anos em um projeto, como João, José, Roberto, caminhoneiro, taxista na noite, plantonista e tantas profissões que exigem ausência. Ou muitas vezes nossa presença não é aquilo que eles idealizam e continuamos ausentes em seus olhos, mesmo ali tão próximos.

Recorte de uma frase de Juliano Salgado sobre seu pai:

"Tinha raiva dentro de mim por conta da ausência dele, não conseguia mais ver nada. Alguma coisa mudou quando assisti aos seus depoimentos para o filme. Antes ele era apenas meu pai e não tinha ideia dele como alguém que pôde compreender tanto o mundo"

6 comentários:

✿ chica disse...

Quero levar Neno e Gui pra assistir.É uma rica experiência essa! Valeu a leitura aqui e lembrete...bjs, chica

Graziela disse...

Quero assistir também.
Essa fase da adolescência é um eterno aprendizado para os pais, não quero pensar nela ainda, me assusta de pensar ou imaginar.
Estou criando coragem para escrever sobre vínculo/ apego e algumas coisas sobre essa relação pais X filho; uma hora sai.
Abraços
Grá

Bell disse...

Que legal, criar filhos não é fácil.

bjokas =)

Tina Bau Couto disse...

Curiosa para ver, certa das janelas doces e salgadas que abre

Poesia do Bem disse...

Gosto de te ler e além disso ver por as grandes novidade, fico a ver navios pois aqui não tem cinema, sinto fata, ai e esperar surgir pela internet e na tv a cabo, bjs

Amara Mourige disse...

Quero assistir! Vi a exposição e fiquei encantada.
O documentário deve ser maravilhoso
Beijos
Amara!