sexta-feira, 25 de setembro de 2015

O terno do menino


Maximiliano Nix era o mais novo dos sete irmãos. Tinha sete anos e não precisava de um nome tão grande. Max, somente.
Ele era muito feliz na cidadezinha em que vivia.
Mas...
Mais do que tudo no mundo Max Nix queria ter um terno.
Na sua cidade, todos tinham um terno. Fosse de trabalho, casamento, terno de esquiar, terno de verão. Menos, ele.
Um dia, o carteiro entregou uma caixa na casa dos Nix.



Só que tinha chovido e não dava para ler o nome que estava na caixa, apenas Nix.
Poderia ser para qualquer um deles.
Depois de comerem a última torrinha, abriram enfim a caixa.


Oh! Um terno macio.
Felpudo.
Novinho. 
Cor de mostarda.

Pelo tamanho só podia ser para o Papai Nix. Que experimentou, mas achou que não ficava bem ir trabalhar no banco, onde todos usavam terno azul.
Então, Papai Nix deu o terno para o filho mais velho, o Paulo.

Por sorte, mamãe Nix tinha jeito para costura. Entrou um tantinho aqui e deu um pontinho ali. Quando terminou, o terno coube certinho no Paulo.



Pensou bem o Paulo, e achou que não ficaria bem esquiar com o terno mostarda. Ele já estava muito grande.
Emílio prendeu a respiração.
"Deixem o Emílio experimentar o terno - sugeriu Paulo".


Mamãe Nix entrou um tantinho aqui e deu um pontinho ali...
E já sabem onde o terno foi parar, né?!


O terno serviu para tudo!




Quando Max passava, todos se debruçavam para vê-lo passando com seu terno cor de mostarda.




* A peluda pata não faz parte da ilustração original.

Gostaram da história?
Mas, ainda não acabou!

Era uma vez um menino chamado Bernardo que era muito feliz onde ele vivia.
Mas...
Mas que tudo nesse mundo, Bernardo queria ter um terno.

Cresceu sem nunca ter tido um terno.
Um dia, disse com ar triste:
"Queria tanto um terno"
E depois:
"Queria ser neto da Chica! "

Então eu percebi que a coisa era grave!
Prometi-lhe um terno para um próximo evento, que não fosse casamento nem funeral, porque eu não queria correrias para arranjar-lhe um terno.
Teria a possibilidade do encerramento de um curso daqui a mais uma primavera.
Surgiu, entretanto, um evento importante na escola. Uma representação nos moldes da ONU.
E hoje à tarde, lá foi o menino, não cabendo em si de tanta alegria!

Ele é o delegado de Chade ( que eu nem sabia onde ficava ) e vai defender as desigualdades de "seu país".



Antes de sair de casa, disse-me que por ele, iria de terno para todos os lugares!

Bernardo e Max, felizes com um terno que serve para tudo, que faz tudo!














9 comentários:

Tina Bau Couto disse...

Ai como amei!

Amei porque meu Paulo, o grande se pudesse só andava de terno.

Amei as ilustrações do livro e a história.

Detalhe: Lembrei do Terninho da história de Luis Felipe.

Amei o querer ser neto da Chica, eu também adoraria e com o pedido extra de morar perto para ela balançar a chave da porta da rua eu ir atrás.

Bom! Vamos ao menino e seu traje.
Charmoso!
Um Sri, um Lord.
Combina com terno. Pq tem isso, tem meninos que combinam com havaianas e bermuda sem camisa e com termo parecem duros, enjaulados. Outros de bermuda parecem sem jeito.
Ele é um tipoleve e livre no look chinelos ou chuteiras e camisa azul celeste e leve e livre de terno.

✿ chica disse...

Ana Paula, que amor de história do livro. E a do Menino Bernardo foi linda demais! E querer ser meu neto? Seria legal! Quem sabe posso ser avó de longe? De coração? E tenho certeza que ele viu as fotos do Marco que em Londres tinha que usar terno na escola... Essa gurizada; ADOREI e a Tina e seu carinho idem! Obrigadão! bjs, tudo de bom,chica

✿ chica disse...

Ops, esqueci de dizer que BERNARDO focou lindo! Muito! Chamei Neno pra ver e também gostou( Ele tb nunca teve um terno,rs) Será que Bernardo me arrumou um probleminha?rs bjs

Bia Hain disse...

Olá, Ana, sou fã de literatura infantil, quando tinha turma de 1º ano todos os dias lia uma história após o recreio todos os dias.
Tem pessoas que precisam de muito para ficar feliz, outras de pouco, qual é o parâmetro, afinal? O personagem esqueceu a convenção e passou a usar seu terno onde ia... afinal, o importante não é estar feliz?
O bernardo ficou lindo de terno e vem a pergunta: quem não quer ter a Chica de avó? rsrsrs
Abraços!

Poesia do Bem disse...

Amei o livro Ana, tuas delicadas palavras que nos envolve, amei ainda mais ver teu menino de terno, eles querem sempre se vestir bem e elegantes não é? e olha que sei bem como é meu sobrinho Amós também usa sempre na igreja e se acha um pastor um homenzinho importante. HEHe, sabe que hoje a Alice deu uma costurada? pois é fez roupa pra boneca com retalhos e agulha e linha , kit que ganhou de uma amiga numa visita á fábrica de bolsas dela. Depois posto no blog. Lindo tudo por aqui, eu amo te ler, bjs pro menino Bernardo,e adorei a pata peluda na ilustração hehe

CamomilaRosaeAlecrim disse...

E ele ficou um gato de terno! Poderia usar todos os dias mesmo!
Menina, que bacana ele falar que queria ser neto da Chica, hehehehe!
Muito legal as duas histórias e esses meninos sabem o que querem, pois meu filho de 7 anos adora estar bem arrumado e se perfumar pra sair, sempre mais vaidoso que minha filha de 12 anos.
Beijos Ana!!!
CamomilaRosa

Dra. Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Ana Paula, seu filho está lindo! As meninas que o viram devem ter ficado babando...

Meu filho também curte camisas e roupas mais formais desde os 13 anos, no dia a dia usa camisetas, jeans e tênis, mas sempre que vai a algum passeio coloca uma camisa social. E ele tem muito estilo...

Esses meninos com jeito de homens!

Parabéns a ele por ter participado desse evento, muito legal. Menina, tenho que te dizer, tanto seu filho como sua filha são fora da curva, são realmente especiais.

Bjs e ótimo final de semana

Amara Mourige disse...

Lindo o Bernardo, e de terno ficou muito lindo! Ana, que bom o sonho do menino Bernardo virou realidade. Amei as histórias!Bjs
Amara

Pandora disse...

Que coisa linda essa história, que lindo o seu menino Ana! Enternecedor!