quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Um devaneio

Pôs na cama os lençóis que havia quarado pela manhã. Ainda exalavam o cheiro de roupa seca ao sol.
Deitou-se e ficou a esperá-lo.
Esperou um tempo que o relógio não sabe medir.
Esperou ecoar na velha madeira de sua porta o som da mão dele a lhe chamar.
Foi o pio da coruja que anunciou a  ausência.
Dormiu e sonhou.
Sonhou um sonho quente, um sonho palpável que seus dedos podiam tocar.
A escuridão se dissipou, as canções nos ninhos dos pássaros penetraram seu sonho.
Mas foi o sol que a chamou; estava pronto para quarar suas roupas.
Levantou trôpega, diferentemente do habitual.
Pediu ao sol que esperasse, pois tinha que tentar, ao menos tentar
Eternizar um momento
Pegou caderno e caneta e com as mãos trêmulas de plenitude, escreveu:

Recosto-me em teu peito e deixo meu corpo inerte
deixo meu coração encher-se com o teu silêncio
Tuas mãos me afagam e meus gestos contritos
apenas querem sentir
Sentir além de teu corpo
o que eu ainda não tinha ousado sentir
Fico assim permeada pelo silêncio da tua boca
aquecida por um toque brando de tuas mãos
singularmente plena.

3 comentários:

Liten disse...

Oiee...adorei seu blog.
Vim te convidar para um sorteio chiquérrimo la no
http://vestidoderodar.blogspot.com/2011/02/sorteio-eu-quero-saia-da-sophia.html

Beijos
Talitah Sampaio

Antonia Ivani disse...

Uau! que lindo seu post! adorei o poema final, ele me emocionou.
É verdade, alguns sonhos a gente devia eternizar de alguma maneira. Escrevendo seria o certo. E tem que ser logo ao acordar, quando ainda nos lembramos bem.
Outros no entanto devíamos nem nos lembrar de tão ruins.
Bom fim de semana, beijo.

Aleska disse...

Lindo! Me sinto exatamente assim rss vou pegar sse seu poema emprestado XD. Mas é realmente importante ensinar seus filhos a raciocinar diante de uma crítica, e também não deve só elogiar (apesar de que esse incentivo tb é mt importante) tem que criticar de vez em quando pra eles se acostumarem. Beijos e boa sorte!