domingo, 2 de fevereiro de 2014

Vacina HPV

Este ano um novo assunto deverá estar também no âmbito escolar, que é a vacinação de meninas entre 11 e  13 anos de idade.
A partir de 10 de março a campanha de vacinação contra o vírus HPV (alguns tipos) será realizada nas escolas públicas, particulares, postos de saúde e clínicas particulares.
Como é uma vacina nova ( apesar de já existir há algum tempo, agora vem a público ) esse é um assunto polêmico.
Começa-se a delinear os prós e contras.
Com o início das aulas, seria interessante perguntar e também sugerir que a escola traga profissionais da saúde para maiores esclarecimentos.
Nem todos têm acesso fácil ao serviço médico para estes esclarecimentos.
Há inclusive especialistas que sugerem a vacina para os meninos; neste caso ela é exclusivamente particular.
Deixo aqui um link com uma matéria bastante abrangente sobre a vacina da jornalista Cristiane Segatto.
Quanto mais informações tivermos, mais embasamento para a decisão.
Leia a matéria clicando aqui.

11 comentários:

✿ chica disse...

Já ouvi falar, mas ainda não tenho posição formada.Estou mais pra deixar pra lá!!! beijos,chica

Cristiane Marino disse...

Parabéns pelo post Ana Paula. A matéria da jornalista que você indicou é excelente, bem isenta, analisa os prós e os contras e muito abrangente.

Como médica sei que a vacina é fundamental, pode salvar muitas vidas! O câncer de colo de útero tem uma evolução insidiosa e quando detectado pode ser tarde demais. Principalmente considerando a realidade brasileira, onde as mulheres não fazem o Papanicolau todos os anos.

No esquema oficial realmente pode fazer diferença em termos de saúde pública. Cabe agora avaliar se o esquema proposto pelo SUS será eficaz realmente.

Acho que o esquema híbrido proposto pela jornalista seria o ideal, mas nem todos terão recursos para isso.

Favoritei e vou divulgar.
Bjs

JAN disse...

Oi Ana Paula!
O assunto é importantíssimo mas, infelizmente, nem sei o que dizer sobre vacinar ou não.

Abração
Jan

Pandora disse...

Concordo e acho ideal tanto a presença do pediatra quanto a do dentista nas escolas. Informação nunca é demais tanto para professores quanto para alunos.

Pandora disse...

Concordo e acho ideal tanto a presença do pediatra quanto a do dentista nas escolas. Informação nunca é demais tanto para professores quanto para alunos.

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, a gente não deve "dar um tiro no escuro". Pelo que li na Cristiane Segatto o pessoal está naquela fase do "deve ser", "pode ser que..." , "ainda não temos dados concretos"...
Bom mesmo, até para ajudar na orientação, seria conversar com um médico amigo e um farmacêutico (não o vendedor de remédios, mas o formado em farmácia por alguma faculdade ou universidade)também amigo. O médico falará sobre a doença e o farmacêutico sobre a pesquisa e eficiência da vacina. Se estiverem experimentando, vamos aguardar mais um pouco, não é?!
Beijo,
Manoel

Moro em um Kinder Ovo disse...

O assunto é polêmico porque temos opiniões diferentes e ainda incertezas sobre a eficácia da medida e suas consequências. Mas, como tudo neste pais, as autoridades não se preocupam com estes esclarecimentos e enfiam "goela à baixo" o que querem.

Pitanga Doce disse...

Ana Paula, o biólogo aqui de casa recomenda que se dê. O HPV tem variadas formas de transmissão e a garotada fica bem exposta. O caso seria este nosso ministro da saúde saber o que diz e esclarecer bem a população.

beijos pitangueiros

Tina Bau Couto disse...

Acho, dentro de minhas limitações de conhecimento do assunto, que deve ser dada, que a faixa etária podia ser mais extensa, alcançando no mínimo os 15 anos, que tem um "que" de eleitoreira, que devia ser explícita a questão da necessidade de mais doses, que devia ser compromisso do governo (tipo trabalho completo), que a parte educacional devia ser mais trabalhada nas escolas, na tv e em casa, sem mitos e também sem informalidade demais, que meninas com meninos são o produto final e os meninos?

Luís Fellipe Alves disse...

Li a matéria e fiquei meio apreensivo com os "Contras". Principalmente a falta de dados na questão da aplicação de duas doses. Vamos torcer, então, para que seja o suficiente. E concordo com a Tina, essa novidade tem um cheiro de eleição. Infelizmente, o país funciona assim.

Beijo.

lis disse...

Oi Ana
Bom estar voltando aos blogs amigos e é sempre muito prazeroso ler suas mensagens crônicas e contos.
Vale conferir mais sobre o assunto, nao saberia opinar nesse momento.
deixo um abraço