quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Feliz dia do Professor

Feliz? Que feliz? Aonde?
Não sejamos hipócritas: essa data tem muito pouco de feliz. Para que possa retomar a aura festiva, antes precisa ser uma data de reflexão.
Eu já fiz várias potagens aqui no blog, divertidas até, sobre as mudanças tão rápidas e repentinas de nossos tempos, por exemplo o uso de celulares e tablete em missas ( ver aqui ) ou mesmo sobre as lâmpadas que agora tocam música ( aqui ). Tudo mudando na velocidade de um tufão e o professor?
Não, a culpa não é do professor.
O professor é o herói, o vencedor de adversidades. Ele tenta, muitas vezes consegue, outras não, adaptar-se.
Tem de enfrentar a falta de coerência entre os poderes municipal, estadual, federal para a educação; tem que fazer uma faculdade absurdamente teórica e aprender a prática na prática; tem que lidar com as carências nutricionais, econômicas ou os excessos de recursos que muitas vezes se traduzem numa falta total de respeito e admiração pelo seu trabalho; tem que satisfazer as preocupações dos pais com o ENEM e os vestibulares e agora vem aí, ganhe quem ganhar as eleições, a escola de tempo integral.
E o que vai ter neste tempo integral? Nem os candidatos devem saber, depois de eleitos, pensam.
Acho que a maior crise que enfrentamos nem é na saúde, é na educação.
Que a escola precisa ser mudada, o professor já sabe, já sente, já faz o que pode. E todo o resto, governos, sociedade, pais?
Para muitas famílias ( ? ) a escola tem que fazer o papel que seria delas, ode dar valores.

Aos que exercem esse maravilhoso dom de ensinar, deixo a minha admiração e sonho de dias melhores.

Um vídeo para reflexão nestes tempos difíceis - 17 minutos.


8 comentários:

✿ chica disse...

Estás coberta de razão! Há muito( ou tuuuuuuuuuudo) a melhorar para os nosso professores, aqueles que verdadeiramente exercem com tanta dedicação e recebem pouco em troca, por vezes, quase nada e ainda são desrespeitados por alunos que se acham "empregadores" deles. Parabém para os professores e que um dia as coisas retomem seu devido lugar!!! bjs, chica

Tina Bau Couto disse...

Escolas
Diretores (as)
Coordenadores (as)
Professores (as)
Melhores
Uma faxina, relocação, afastamento dos sem preparo, sem aptidão, sem noção que por ai estão
Mudança e observância nos planos de aula
Escolha de livros didáticos e paradidáticos
Refinos e responsabilidade como formadores de opinião no que tange o lúdico, o informal, as beiradas que são recheio
Urgente
Urgente
Urgente

Pandora disse...

Eu simplesmente assino em baixo!!! Como não concordar com cada palavra quando vc não esquece nem mesmo de citar o fato absurdo que a nossa formação é um mar de teoria que não nos prepara para a pratica????

Pandora disse...

Caraca!!!!!!!!! Eu simplesmente amei a palestra dessa garota, ela tem uma visão tão parecida com a minha que assusta. Agora ninguém nunca tinha me falado sobre o uso da tecnologia como ela falou \o/ E ela usa termos que eu uso "resiliência" "ciências da natureza"!!! Ai Pai como é bom encontrar pessoas que falam a mesma língua que compreendem!!!

Calu B. disse...

Meus entusiasmados aplausos acrescidos de enormes agradecimentos por esta tua profunda e real análise da lamentável situação, quase centenária, da educação brasileira.
Obrigada Ana, por trazer em tuas palavras todas as angústias e desgostos pelos quais passam a grande maioria dos professores brasileiros.Me senti representada em tua voz.
Fiz um link lá no blog.

Abraço afetuoso,
Calu

Dra. Cristiane Marino disse...

Adorei o post e o vídeo!
Período integral obrigatório, acho isso um absurdo.
É preciso investir na qualificação e remuneração dos professores, investir pesado em educação, e não confinar as crianças na escola compulsoriamente.
Bjs

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Ana
Em tudo de real que vc postou, recorto o fato do professor ter que fazer o papel da família... é um desafio e tanto...
Saí há 20 anos e vejo, através dos netinhos, como mudou tudo...
Bjm fraterno e parabéns pra nós!!!

Moro em um Kinder Ovo disse...

Não há muito o que comemorar e com o que está por aí temos que nos conformar com mais uma geração perdida.