terça-feira, 29 de março de 2011

Água da alma

01770006 by Ale J. Ven.
01770006, a photo by Ale J. Ven. on Flickr.

Jorra água
leve consigo a exaustão de todo um dia
mas não leve
o cheiro de minha alma
somente ela recende assim
e ele me encontrará
em meio a tantos outros aromas
inalando o cheiro da minha energia

Jorra água
quero que este banho
me subtraia
de todos os adornos
que uso para camuflar
eu de mim mesma
estarei desnudada
quando ele chegar
porque nossas almas
irão se abracar
e quero estar assim
desacrescida


Jorra água
envolver-me-ei
em seda carmim
para que ele sinta
a avidez do meu desejo
Não. Dispensarei a seda

Jorra água
quero simplesmente
me encharcar
escorrer
quero estar molhada
porque sinto
que os seus lábios
estarão sedentos

2 comentários:

Ivani disse...

uau! ou isso é paixão, ou não me lembro mais disso.
Que lindo!
Coração escancarado, pronto, lavado...
Acho que você é poeta.
Amei. Beijo

Helena disse...

Minha nossa, como eu não tinha visto isso?
Tá poderoso esse poema! Intenso, sensível, sensualíssimo!
Tá lindo, Ana Paula!
Um beijo!