quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Arrepios loucos


Brindei com os loucos
na fria noite
arrepios ao relento
Danço solitária sentindo
teu suspiro quente
no emaranhado de fios
do meu cabelo

Bailam cabelos
danço meu pescoço
na úmida cadência dos teus lábios

Brindei com os loucos
ao relento
e agora danço madeixas
emaranhadas nos teus dedos

Arrepios
relento
suspiros ao vento

Danço meu corpo solitário
em tuas mãos inexistentes
Bailo minha alma com a tua
Distância
Relento solitário

Brindei com os loucos
me arrepio
e bailo a tua ausência
te sentindo
tão presente em mim.

Ana Paula

6 comentários:

Débora disse...

Oi Ana!
Mais uma linda poesia!
Aproveito o embalo das palavras para te parabenizar pelo dia do Poeta pela poetisa que és!
Bjão

Helena Chiarello disse...

Carambaaaa!!

Aninha, que coisa mais linda! Adoro esse jogo de palavras e intenções!

Saudade, querida amiga!

Beijo gigante!

mfc disse...

Uma elegia linda ao desejo...!

Laiz disse...

Que lindo Ana!!! Adorei como adoro a Paulista!!!rs
Bjinhosssssss

✿ chica disse...

Que maravilhosa poesia e que arrepios tão bem expressos aqui!

beijos,tudo de bom e um lindo fds!chica

Ivani disse...

Parabéns pelo dia do poeta, ontem.
Você bem mereçe esse título de poeta, lindas poesias, lindas rimas.
Ana, meu computador não ficou bom. A dificuldade é enorme em postar comentarios. Estou ficando maluca.
Vamos ver se o tecnico dá uma olhadinha amanhã.
Beijos querida, boa noite.