quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Selo de troca


Compro livros em três ou quatro livrarias. O ambiente de uma é agradável, outra tem um café aprazível no andar superior, outra oferece um programa de pontos em que é possível trocar por livros e há ainda uma que proporciona um selo de troca para livros.
Não sei se as outras o fazem, mas nesta sempre me perguntam se quero o tal selo.
Um dia resolvi esclarecer minhas dúvidas a respeito: em quais circunstâncias se troca um livro?
Já troquei um dicionário porque veio sem vinte páginas e justo a palavra que eu precisava consultar, não havia. Outra, foi um problema de encadernação que fez as páginas soltarem ao primeiro manuseio.
O funcionário que afixou o selo de troca me explicou que é possível trocar um livro porque você não gostou.
Nossa! Então eu compro, levo para casa, leio e não gosto e venho devolver?!
Que evolução nos direitos do consumidor!
Confesso que não ficava muito confortável com esta ideia de ler e devolver porque não gostei. Parecia-me um tanto oportunista, eu bem poderia enganar a grande livraria só para ler “dois por um”.
Esta semana me vali do meu selo de troca porque simplesmente não gostei da leitura. Mais do que isso, eu fui enganada pelo autor.
O zen e a arte da escrita” foi o meu escolhido.
Assim que vi o título, fui atraída para ele já pensando em uma grande revelação do tipo: “envolva-se com a fumaça leve e solta do incenso deixando suas mãos bailarem sobre o teclado e surgirá diante de seus olhos uma magnífica escrita zen”.
Seria uma transformação passar de repente a escrever assim, num estilo tão profundo, ao mesmo tempo simples, porém marcante, zen.
Cheguei rapidamente ao final do livro porque fiz a leitura aos saltos. Saltando parágrafos inteiros, páginas e mais páginas e cheguei ao seguinte relato:

Obviamente, escolhi este título pelo poder apelativo. A variedade de reações a ele deve me garantir algum tipo de companhia...”
Espero ser perdoado por usar o “zen”desse mesmo modo”.

Sim será perdoado assim que eu utilizar o meu selo de troca e devolvê-lo.
E eu achando que um livro poderia mudar maneira de escrever das pessoas. Isso sim é se enganar.



10 comentários:

✿ chica disse...

Que coisa!!!Vais mesmo usar o selinho e então, bem aplicado! beijos,chica

Compartilhando Sentidos disse...

Oi Ana, primeiro eu não sabia que era possível trocar o livro por não ter gostado. Segundo eu ri do seu assumido engano...

Boa semana.

Débora disse...

Ainda bem que tens esse selo viu Ana, que ledo engano...
Bj

Coisas da Vida disse...

Oi Ana!
Não tive como conter o riso. Mas ainda bem que deu tudo certo.
Aposto que o atendente da livraria te informou do selo de troca depois que ele viu o livro que vc escolhido!
Beijo!

mfc disse...

Um post bem irónico que me fez sorrir!
Beijinhos.

Ivani disse...

Nossa, como pode alguém escrever isso no final de um livro?
Esse autor "bate fora do bumbo".
Ainda bem que você pode trocar. Veja se escolhe melhor desta vez...rsrsrsrs
Ana já cheguei à conclusão de que tem sempre alguém querendo nos enganar.
Autor de livro é a primeira vez que vejo. Mas já não me assusta.
Que pena que as pessoas sejam assim. Seria bem melhor se pudéssemos acreditar uns nos outros.
Beijos querida, e não deixa barato não.

Imac by Artes disse...

As vezes compramos gato por lebre.
Gostei muito desse selinho.
Abraços!

Hugo de Macedo disse...

Valeu pelo sorriso que provocou, este post :)

Angi disse...

Amiga querida,
"zen" noção esse cara!
usa esse selo por mim, viu?
e me diz, essa livraria tem em todo o Brasil, tb quero usar esse selo quando não gostar!rs
beijos em vocês
Ang
p.s.agora vou me atualizar daqui,saudades!

Laiz disse...

"Obviamente, escolhi este título pelo poder apelativo" Que absurdo!!! Como o autor tem a coragem de escrever isso?! Podia ter ficado bem quietinho. Ainda bem que pode trocar!!!! Bjinhossss