terça-feira, 20 de novembro de 2012

Sol coberta janela

Cheiro do sol
dobrado no meio das cobertas
que passaram a manhã
debruçadas na janela

O moço dorme
coberto de coberta
que preguiçou na janela

Preguiçosamente sonha:
moça de saia de chita
sorri
um riso luminoso
como o sol

Canta disputando pauta
com a passarinhada
a moça de voz aveludada
pausa

O sol já perfuma a manhã
Acorda moçoilo
debruça a coberta na janela
e enquanto labuta
a coberta colhe sonhos para ti

Saia florida a enfeitar
os passos da tua amada
Apaixonado estás
moçoilo de bom coração

Sol
coberta
janela

8 comentários:

Tina Bau Couto disse...

Sol
Coberta
Sai de chita
Moça enfeitada
Moço apaixonado
Moça amada e bonita

Amei seu poetar :)

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, que poema suave e romântico. Adorei o moçoilo e a saia florida de chita. O bom da poetisa é que ela consegue provar para a gente que de emoção também se vive e, muito melhor.
Endosso o poetar lembrado pela nossa amiga Tina.
Beijo
Manoel

✿ chica disse...

Delícia de poema e é sempre bom te ler! beijos,chica

lis disse...

Gostei da 'sainha florida' que enfeita e faz o coração do moço arder.rs
Muito gracioso seu poema AnaPaula
Bom ter o sol na janela _'coberta' pra quê? rs
grande abraço

Poesia do Bem disse...

Adoro sol, janela, saia florida chita heheh, e preguiça pra dormir até atrde. Só de pensar que acordo cedo amanhã queria estar neste poema, hehehe

Alê Lemos disse...

" e enquanto labuta
a coberta colhe sonhos para ti" gostei muito desses versos. só me perunto como ele dorme de cobertas nesse calorão kkkkk beijos!

Kellen Bittencourt disse...

Oii Ana, que delicia estar aki novamente te lendo, estava com saudades, uma poesia muito fofa, um romance inocente gostoso de imaginar! Parabéns! Bjooossss e obrigado pela atenção e carinho com o blog! Bjoooss

Nina disse...

Deu pra imaginar cada pedacinho dessa poesia, Ana. Até aqueceu aqui meu cantinho frio :-(