quarta-feira, 20 de julho de 2011

Templo

A vida fora generosa
para com ele
Talvez excessivamente generosa
Sol em excesso
noites escuras de afeto, alimento, paredes
chuva, vento, frio
relento em excesso

Dentro de suas roupas esfarrapadas
dentro do seu cheiro irrespirável
estava parado diante de um imenso portão
fechado

Mas ainda que aberto
para aquele farrapo de ser humano
estaria inevitavelmente fechado

Erguia-se, adentrando os portões
enorme templo
Para ele bastava estar próximo

Em pé, braços estendidos
por entre os vãos das grades
mãos postas e dependurado em seus punhos
um terço branco balançava

Impulsionava sonhos, desejos, dores, gratidões
lançando todos eles
ao interior do templo

A vida fora generosa
para com ele
Deu-lhe fé

Ana

6 comentários:

Angi disse...

Lindo,amiga!
E queria muito que vocês viessem para a exposição do Pequeno Príncipe,amiga!
Que bom te ter como amiga, és muito, muito especial e amada!
Beijãoooo em vcs

Mulheres INDO disse...

lindo seu blogs lindo seus poemas, olha la na nossa comunidade vai ter um novo blogs que é criança indo nos caminhos do SENHOR, bem quero convida a vc para fazer parte de nossa família.
fica com DEUS.

Ivani disse...

Olá Ana, tinha feito um comentário e ele sumiu. Essa coisa de não conseguir comentar já está cansando.
Se ficarem dois você exclui um, ok?
Disse que voltar os olhos para seres excluidos é chegar mais perto dos céus.
Você mostra sensibilidade ao comentar sobre esse abandono.
Lindo poema, parabéns.
Beijos, boa tarde.

Débora disse...

Oi Ana!
A fé é um dos mais nobres e perfeito sentimentos, nos move, deixando-nos mais próximos de Deus...tem coisa melhor?!
Amei o comentário que fez lá no "Preciosidades", se formos ver o mundo com os olhos de uma criança, realmente tudo será melhor...
Bjo
Débora

Imac by Artes disse...

Ana querida!
Você escreve muito bem!
Emocionei-me ao ler sua postagem,
visualisei a cena... A fé permanece,
e isso é lindo porque a fé remove montanhas.
Abraços e uma noite abençoada pra ti!

Rosane Castilhos disse...

LINDAS PALAVRAS!
VOCÊ ESCREVE COM A ALMA...
BEIJINHO