sexta-feira, 10 de agosto de 2012

77 palavras

Vi num dos dos blogs da querida amiga Chica este desafio em 77 palavras e resolvi participar.
A orientação é esta:


Abra (sem fazer batota, completamente à sorte) um livro de que goste muito ou que esteja a ler neste momento. Procure então uma frase ou parte de frase que, nessa página onde caiu, lhe chame a atenção e que tenha no máximo dez palavras (pode ter menos: cinco, três, oito...).
Esta frase estará dentro do seu texto, onde quiser. Preparados? Vamos a isto!!!



A pequena mala estava pronta à espera apenas do calendário.
O menino sonhador, cheio de infância, que não compreendia o tempo, iria para a casa do avô passear.
O avô trazia um tempo na pele e outro na alma e o menino gostava deste mistério.
Sentados juntos no chão da sala, lanterna na mão, ficavam a esperar.
O relógio vai bater. As molas rangem sem fim. Doze “cucos”anunciam o fim da traquinagem. Avô, menino sonham enfim.


Do livro Antologia de Poesia Brasileira para crianças.
Canção de garoa
Mario Quintana.

frase escolhida: O relógio vai bater
                               as molas rangem sem fim.

Gostaram? Participe também! 77 palavras

9 comentários:

✿ chica disse...

Que coisa linda!!!Adorei e comovente.Vi a cena e bateu no coração...

Obrigado pelo carinho e mandaste por email tua participação pra Margarida?

Beijos e hoje pela manha estava tomando café e falando nessas coisas que emocionam nos blogues... lINDO DIA!CHICA

Neno disse...

Queria que a minha mala já estivesse em cima do sofá, pra gente viajar!!!
Ia ser bom se fosse férias ainda!!!
Bjs do Neno

Carolina Lima disse...

Ana,
gosto dessas brincadeiras.
Peguei o livro que estou lendo 'A hospedeira' (Stephenie Meyer), abri na página 439 (nem cheguei nessa página ainda. Espero que não revele nenhum segredo):

"Mentir com o corpo, esta era a chave. Era simplesmente uma questão de fazer porém os movimentos certos. Imitação. Como os atores de um programa de televisão, porém melhor. Como um humano."

Frase escolhida: "Mentir com o corpo, esta era a chave."

Abraços,
Carol
Um blog simples
Lojinha

Kellen Bittencourt disse...

Que lindo Ana, parabéns pela participação, não tive avôs, ou melhor não os conheci, eu teria amado conhece-los! muito fofo! Bjooooossss

Marcilane Santos disse...

Que postagem mais inspiradora!! Gostei muito do texto.

Bom, lá vai minha participação...

Ele era bastante indeciso. Esperava antes a opinião dos outros. "Não abria múltiplas janelas da memória ao mesmo tempo." E por isso, deixava sempre sua criatividade de lado.
Ele era sábio e talentoso, porém tinha medo de usar tais ferramentas para obter êxito na vida.

Livro: Os códigos da inteligência de Augusto Cury - pág 193.

Frase utilizada: "Não abria múltiplas janelas da memória ao mesmo tempo."

Estou lendo este livro atualmente, estou gostando bastante!

Beijos,

Marcilane - Simples Inspirações.

Ivani disse...

olá! cheguei a tempo!

A frase á "manifestou o desejo de retomar a viagem na manha seguinte, bem cedo!"

As pessoas da pousada eram gentis e hospitaleiras, e o jantar estava realmente delicioso.
Varias pessoas da vila estavam por lá, para tomar um pouco de vinho e trocar uns dedos de prosa.
Mas era tarde, e para consternacao de todos manifestou o desejo de retomar a viagem na manha seguinte, bem cedo!
Recebeu abracos perfumados de vinho e quentes de carinho. Nunca iria esquecer daquela gente.

Frase retirada do livro "Lá no silencio do mar"de Thomas Steinbeck.

beijos querida Ana, foi um prazer enorme vir aqui.

Alê Biet disse...

Que legal!

Então vamos lá...

Escolhi o livro que estou lendo.
O Povo Brasileiro. Darcy Ribeiro. Pag: 45

Para os índios que ali estavam, nus na praia, o mundo era um luxo de se viver, tão rico de aves, de peixes, de raízes, de frutos, de flores, de sementes, que podia dar as alegrias de caçar, de pescar, de plantar e colher a quanta gente aqui viesse ter. Na sua concepção sábia e singela, a vida era dádiva de deuses bons, que lhes doaram esplêndidos corpos, bons de andar, de correr, de nadar, de dançar, de lutar.

Frase escolhida: Para os índios que ali estavam, nus na praia, o mundo era um luxo.

Beijos!

Margarida Fonseca Santos disse...

Tantas histórias aqui! Vou levar para o blogue, podem vê-las lá publicadas. Um grande beijinho

Su disse...

moça, que legal essa brincadeira, é de emocionar mesmo... fica uma corrente que vai ligando as pessoas e suas escolhas, e suas histórias que saem da tela e vão para o café da manhã, pra rodoviária, seguem com a gente durante o dia... isso é o que me fa seguir com o blog... coisas assim... bonito isso, bonito mesmo...
não trouxe minha frase hoje, mas levo comigo as mais belas que li por aqui...

beijos e feliz dia dos Pais por aí!

Su.