terça-feira, 14 de agosto de 2012

O deboche do guarda-chuva


Eu ouvi sua gargalhada debochada. Porém, o relógio me apressava e eu precisei reorganizar rapidamente aquela situação.
Chovia no horário em que saímos para ir para a escola.
Parei em frente ao lugar em que ficam pendurados os guarda-chuvas, peguei e abri o meu e fui apressando o meu filho, que de súbito me disse que não iria de guarda-chuva.
- A chuva está forte – retruquei.
- Eu não vou com este guarda-chuva. Ele é de personagens, não vou entrar na escola com um guarda-chuva cheio de bichinhos...
Passei o meu para as mãos do meu filho, peguei o cor-de-rosa da caçula e seguimos, quase atrasados.
Quando retornei, toda respingada, parei e o encarei. Ele, o guarda-chuva, mais uma vez soltou aquela gargalhada irônica falando ao mesmo tempo:
- Você não viu que o menino cresceu?
- Onde você estava que não percebeu que ele não me quer mais? Não percebeu que nem as cuecas de “bichinhos” ele usa mais?
Correu uma lágrima pelo meu rosto e eu corri para o quarto do menino.
Abri a gaveta e lá estavam encostadas num canto, as cuecas com estampa de bichinhos, carrinhos, trenzinhos.
O guarda-chuva soube antes que eu...
Os brinquedos também há muito não saem da grande caixa em forma de urso.
Entendi todo o deboche do guarda-chuva: ele sabe que precisará encontrar outro menino.
Um menino que quando segurá-lo pela primeira vez em suas mãos pequeninas, vai olhar para o céu azul e cheio de sol e desejar que chova de repente, o mais rápido possível. Um menino que imagine poder pegar com o guarda-chuva uma rabeira de vento e sair voando. Um menino que não se importe com molhar os pés e ficar girando o guarda-chuva acima de sua cabeça só para ver as gotinhas bailarem no ar.
O deboche o guarda-chuva foi, na verdade, uma despedida.
Ele, como eu, vai sempre se lembrar do menino travesso que tanto brincou com o guarda-chuva de bichinhos.
Agora o guarda-chuva partiu. Agora o menino cresceu. 


13 comentários:

Marcilane Santos disse...

Que lindo Ana! É... o menino cresceu. Agora ele irá viver outras situações, outros desafios.
Desejo que mesmo durante seu crescimento ele nunca perca a essência de sua vida, que ele nunca deixe de ser um pouco criança!

Beijos aos dois**
Marcilane - Simples Inspirações.

Tina Bau Couto disse...

Pois é, por aqui brinquedos no armário me olham como os personagens de Toy Story, nada de bichinhos nas cuecas, toalhas, roupas de cama, nada de nomear as coisas no diminutivo, nada de pulos pela casa, nada de chinelos mínimos que não havia como serem confundidos com os nossos.
As tarefas da escola há que se parar para prestar bastante atenção, já não respondo com um sorriso nos lábios, panela no fogão e louça na pia.
Mudança de voz, roupas, corte de cabelo, gostos, postura, olhares, a criança que corria pela casa, fazia cara de bichinho e espalhava tds as peças de quebra-cabeça e lego por todo canto está aqui, sempre estará, mas silenciosa, no lugar dela um rapaz que me diz que o tempo passa, voa, o mundo é grande e a nossa história foi e se Deus quiser ainda vai ser muito boa, mas nunca a mesma.

Alê Biet disse...

Os lençóis de princesas que riram e disseram ao mesmo tempo: elas cresceram! Doeu a dor do crescimento no meu peito.

Porque crescem tão rápido?

Beijos no seu coração!

Pandora disse...

Oh aperto no peito!!!! E néh que os meninos crescem!!! Enterneci com esse capitulo de sua vida de mãe e com seu menino virando homem!!!

VERINHA disse...

Olá Ana Paula, nome de minha filha mais velha, adoro o nome Ana, então coloquei também na mais nova Ana Gabriela.
Adorei seu blog ele é muito aconchegante e muito fofo.
Passei por esta situação quando minha filhinha não quis mais dar a mão para andar na rua, Afff que situação não é mesmo, pois é os filhos crescem e quando vão seguir seu próprio caminho é mais doloroso, Mas passa este sufoco viu, sim quando vem os netos, tenho um, é uma delicia de inexplicável sabor.
Seja sempre bem vinda ao meu cantinho. Sempre que puder estarei aqui, adorei de coração.

VERINHA disse...

Ops... obrigada por sua visita e lindas palavras. Beijinhos no lado de fora do coração...

Kellen Bittencourt disse...

Oii Ana, uma forma bem diferente de ver que o menino cresceu, se não é o Guarda chuva... rsrs, adorei a criatividade, não é fácil ver que as crianças cresceram! Adorei! Bjoooooss

Emoções! disse...

Oi preciosa
lindos teus textos!
Já estou aqui há um tempinho
e nos teus outros blogs também.
Sou blogueira de plantão
e costumo seguir todos os blogs que estão disponíveis no perfil que vejo.
Vem pra cá também.
Cheiros
Eu! Leilinha

✿ chica disse...

E como eles crescem...Lindo e emocionante... Por vezes nem nos damos conta,né??beijos,chica

Carolina Lima disse...

É Ana, o tempo passou!
Logo, logo outros objetos e gostos também terão sua despedida e novos objetos e gostos aparecerão por aí. Assim é o ciclo da vida!

Beijinhos,
Carol
Um blog simples
Facebook
Lojinha

Graziela disse...

Ai Ana Paula
Que lindo seu texto, como sempre.
Mas que aperto no peito, como nunca.
Sei que temos que aproveitar ao maximo cada fase dos nossos filhos mas minha guerra e' com o Sr. Tempo, porque tem que passar tao rapido.
Aproveite que sua meninha ainda e' pequena e curta o meninao que esta' crescendo junto contigo.
Abracos e obrigada pelas visitas carinhosas (adoro seus comentarios e desculpa nao vir aqui tanto quanto gostaria: sao as ferias, um dia elas acabam...)
Gra'

Alê Lemos disse...

Achei essa história uma fofura! Realmente tem uma fase que nos preocupamos muito com isso de parecer infantil. Eu tive essa fase tb, mas confesso que depois de um tempo voltei a usar estampas fofinhas rsss

Laiz disse...

Que lindo Ana. Eles vão crescendo e nós ligeiramente obrigadas a aceitar. Lindo ver toda essa metamorfose, mas dói um tantinho ver como tudo isso é rápido, antes mesmo de estarmos preparadas. Me emocionei com o texto. Lindo demais! Bjo grande