quarta-feira, 27 de abril de 2011

Leve-me com você

Este é o título do livro que falei num post anterior: Leve-me com você (as aventuras de um livro viajante) de Paul Desalmand.
Leitura leve, divertida.
Narrativa em primeira pessoa, é a biografia de um livro, contada por ele mesmo; como nasceu, as livrarias por onde andou, países, culturas diferentes, seus donos e suas personalidades e tem muito livreiro, no livro!
Recomendado. Há um trecho, que a partir de agora, toda vez que eu for em uma livraria, vou lembrar dele. Sobre os livros que ficam expostos em pilhas:

...O livro do alto da pilha às vezes fica um pouco gasto por ser manuseado; uma pequena dobra marca a capa, o exemplar fica um tanto aberto. Conhecemos então uma situação cruel. O cliente nos pega, examina, lê, e depois compra o exemplar imediatamente abaixo de nós, deixando-nos lá como uma noiva de longa data que vê o noivo, no último instante, decidir-se por outra...”

Eu sempre faço isto. Nunca levo o primeiro da pilha. Folheio e pego os que estão mais embaixo. A partir de agora, talvez fique melindrada com tal atitude!
Há também passagens, em que ele, cita clássicos da literatura estrangeira que eu nem de perto sei do que se trata, ainda assim gostei bastante.
Descrição hilária de quando fala sobre os mais variados tipos de marcadores de páginas que os leitores usam: os tradicionais, bilhetes de metrô, contas de restaurante e preservativo.
Agora, imagine se você recebe um livro emprestado com um preservativo dentro? Situação pra lá de inusitada!

Falando de clássicos que nunca li, hoje saiu uma coluna num jornal local, falando de uma pesquisa feita sobre os clássicos do cinema que as pessoas mais tem vergonha de admitir que não assistiram. E o primeiro da lista é O poderoso chefão ( eu não assisti) e ele segue dizendo que a pesquisa também poderia ser aplicada à livros e que com a maturidade deixou de mentir, omitir sobre o que não leu, ou não gostou só porque todos gostaram.
Um trecho desta coluna de Fernando Leal:

...Nisso não estou sozinho. O escritor francês Daniel Pennac tem uma lista dos dez direitos do leitor, dos quais me lembro com frequencia. De certa forma valem para os filmes também. São eles pela ordem:

o direito de não ler
o direito de pular páginas
o direito de não terminar de ler um livro
o direito de reler
o direito de ler não importa o quê
o direito de amar os heróis dos romances
o direito de ler não importa onde
o direito de saltar de livro em livro
o direito de ler em voz alta
o direito de se calar (ou seja, de não ter a obrigação de falar sobre o que leu).

Como é a sua relação com os livros? Gosta de emprestar? Lê mais de um ao mesmo tempo? O que você usa para marcar as páginas? Beijo!

6 comentários:

Carla Mãe da Maria Clara disse...

Gosto muito de livros, mas tenho que estar inspirada pra começar a ler um..rss Aaamm.. o último q li: O Amor é para os Fortes. Um livro espírita muito bom.. Gostei. O penúltimo foi: De louco cada um tem um pouco. Acho que é este o nome, do Augusto Cury. Gosto de emprestar sim.. Nunca li dois livros ao mesmo tempo.. Me envolvo com a história e acho que seria traição..rss
Eu marco páginas geralmente com foto :-)
E vc??? Beijinhosss!

✿ chica disse...

Ri pois eu também não compro o de cima... Gosto deles cheirando a novo,,, Leio apenas um de cada vez e os folheio antes...beijos,chica

Ivani disse...

meu relacionamento com os livros é de puro amor. Também não compro o primeiro (vou pensar mais agora).
Primeiro leio as orelhas, os créditos, o prefácio ou introdução, e só depois inicio a leitura.
Nunca leio dois de cada vez, e nunca usei preservativo para marcar página rsrsrsrs!
Uso sempre aquela propaganda que a livraria manda com o livro. Senão qualquer papelzinho serve, é irrelevante.
Gosto de emprestar, mas gosto muito mais quando devolvem, sou ciumenta.
E sou completamente louca por leitura. Beijo Ana, adorei a postagem.

Liten disse...

Eu faço isso, pego o de baixo!!

Tadinho do primeiro livro, ele também merece um lar!

beijos

Patricia disse...

Amo ler!
Uma pena estar sem tempo para este hobby agora, mas em breve voltarei a devorá-los.
Uma vez ouvi uma frase que nunca esqueci: Os livros foram feitos para circular, e não para ficarem enfeitando estantes.
Sempre faço meus livros circularem, estão sempre emprestados divertindo, confortando ou emocionando alguém.
bjs

Claudia disse...

Oi Ana querida
Achei que tivesse respondido esta e passou...mas vou responder agora, ta?
Eu AMO ler!!!
Leio todos os dias e sempre.
Nunca pego o primeiro da pilha tbe. Detesto ler as orelhas e leio um livro de cada vez. Nao releio nenhum. Anoto num caderno, que mantenho para isso, todos os livros que eu leio e a data que terminei. Marco com um marcador de paginas que fiz no aniversario da minha filha, em 2008 com a foto dela. Tremo so de pensar em quem faz orelhas nos livros, ou que amassam. Livros devem ser tratados com amor e carinho.
Empresto, mas tento receber de volta. É um caso de amor muito antigo, forte e infinito!
Bjks mil e um otimo final de semana

http://blogdaclauo.blogspot.com/