domingo, 17 de abril de 2011

Minha flauta


Ensina-me roubar o teu olhar?
Que tola sou eu!
Quem poderia roubar a imensidão do céu?
Teu olhar é alado
não busca refúgio
no pó desta terra
Pego minha flauta do chão
e deixo que minha música
seja levada pelo vento
na doce angústia
de um reencontro
fugidio momento
eternizado em meu ser.

3 comentários:

Liten disse...

Que beleza de poema!

Encheu meus olhos!!

Beijos e boa semana

Ivani disse...

Que delicia! deve ser muito bom escrever poemas.
Você é boa nisso minha amiga, vamos lá, escreva mais!
Beijos e uma ótima semana.

✿ chica disse...

Lindo e a flauta leva longe o som do coração...beijos,chica