sexta-feira, 25 de novembro de 2011

De perder o fôlego


A tarde hoje estava agradável. Um céu azul de sexta-feira, eu fazendo bolo de laranja e ouvindo música. A música não era propriamente do meu gosto, mas como era meu vizinho de cima que a escutava num bom volume, acabei aproveitando o som.
Assim que fechei a porta do forno e bateram na porta dos fundos. Ou melhor, tocaram a campainha. Coisa estranha. Nunca tocam. Sempre o porteiro interfona antes.
Quando eu abri a porta, simplesmente perdi o fôlego. A vizinha de cima.
Com uma mão segurei o cachorrinho e com a outra o coração que havia saído pro lado de fora.
Ela leu a minha postagem de perder o sono e agora?
Preciso muito falar com você, posso entrar?
Eu, com o coração na mão, o cachorro, nem conseguia falar, apenas fiz que sim com a cabeça.
A cabeça girava à velocidade da Terra, que eu não sei qual é, mas sei que é bem rápida.
Eu e a vizinha frente a frente. Como ela leu? Como ela encontrou meu blog?
Enquanto eu tentava pensar, ela começou a chorar.
Céus, será que foi tão horrível o que eu fiz. Ah sim, foi. Eu desnudei a intimidade dela na rede. Peço perdão já, ou espero o pior acontecer?
Você me desculpa vir assim, tocando sua campainha de repente, é que eu preciso desabafar.
Estava embaraçoso, mas talvez depois que ela leu, sentiu vontade de falar algo, um segredo profundo.
Sabe, eu sou sua vizinha.
Sim, claro que eu sei – apenas pensei, continuava muda, sempre esperando pelo pior.
E eu preciso saber se você ouve barulhos.
Pensei em responder que por causa dos hormônios eu tivesse ficado com uma leve deficiência auditiva e não ouvia os barulhos, mas num momento de lucidez, eu pensei: se ela leu o blog, vai saber que isto foi um comentário da Ivani.
Imaginei-me perante o juízo final e achei melhor dizer a verdade, somente a verdade.
Sim, eu ouço barulhos.
Você estava ouvindo a música?
Sim, inclusive dançando porque não é fácil bater bolo na mão ( nem me ocorreu pedir a batedeira dela emprestada).
Então, ela disse: eu não aguento mais e o choro ficou forte.
Eu ainda estava segurando o cachorro e o coração e não estava entendendo nada.
Eu não aguento mais esse vizinho aí de cima.
Como assim? O vizinho de cima não é você?
Não, eu sou do lado.
E vim aqui saber se você escuta barulhos à noite, porque eu e meu marido não sabemos mais o que fazer.
Neste momento botei o coração pra dentro de volta e só pensava no blog.
Então não são eles?
Ela veio me pedir alguma sugestão, desabafar, porque hoje, justamente hoje no dia do seu aniversário aquela música ensurdecedora.
Tudo o que eu consegui dizer era que nós estávamos praticamente de mudança.
Aí ela me pediu o meu e-mail, porque eu era muito legal, nós nem nos conhecíamos e eu a ouvi, ela precisava desabafar. Eu era tão legal que que convidou para um café ( eu nem ofereci água para ela).
Agradeci; quase pedi para ela ser seguidora do meu blog. Aí eu me lembrei dos cometários sobre seguidores e achei melhor nem falar sobre o blog. Afinal neste momento a última pessoa que eu quero que leia o blog é ela.
Ela me abraçou no final, disse que estava tentando engravidar.
Eu disse que sabia disso e abracei-a desejando um feliz aniversário.
Pedi desculpas por não ter nenhum conselho prático.
Ela se foi.
Eu recobrei meu fôlego perdido.
Penso que isto pode ser um aviso mesmo que hoje não seja sexta-feira 13. Será melhor eu parar com essas coisas de blog? Acho que o blog anda atraindo umas coisas estranhas para mim: aquela assombração na mesma porta dos fundos, o italiano de duas mil palavras, a vizinha de cima, que na verdade é do lado direito.
Vou tomar um fôlego, me benzer e canja. Porque já dizem por aí: canja de galinha não faz mal à ninguém.

10 comentários:

Débora disse...

Hilário Ana!
E você como sempre trazendo coisas do cotidiano de uma maneira natural, divertida e muito bem contada!
E se não fossem esses acontecimentos...talvez o dia a dia fosse um tanto tedioso.
Isso é viver!
Bj no coração!

✿ chica disse...

rsssss...Ainda bem que não era ela.rss Aí queria ver a enroscada...

Mas esses vizinhos Tão que Tão,heim?rs beijos,lindo fds,chica

Patricia disse...

Ai que situação!!!
Até eu perdi o fôlego aqui. rs
Esses vizinhos estão dando o que falar.
E nada de parar com essas coisas de blog, gostamos de vc por aqui. : )
bjs

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, nossa! Ri um bocado! Muito bem escrita essa estória. Você ligou todos os pontinhos das suas postagens. Você deveria escrever um livro. Do modo que escreveu a gente já foi lembrando do "gordinho" no elevador (será que ele está lendo isso?). Do comentário da Ivani, que acha bom estar ouvindo pouco (eu também gostaria! Deus que me perdoe, está bom assim!!!). Do treze que persegue seu blog.
Muito legal sua postagem carregada de ironia e bom humor.
Beijo.
Manoel.

Laiz disse...

hahaha ótimo!!!! Ufaaa ainda bem que a mocinha não "te descobriu" hahaha.
E não é aviso nenhum não, perderíamos muito sem seu bom humor e inteligência por aqui!Adoro viu??? Bjocassss

Ivana disse...

Muito bacana, Ana. Me diverti, estou surpresa. Ainda não conhecia sua veia humorística(não sei se seria esse o termo correto), de qualquer forma, ótimo, adorei, ri muito. Um abraço, e um fds maravilhoso pra todos

mfc disse...

Um conto fantástico!
Surpreendente a cada parágrafo.
E perguntamos... que virá a seguir?!
Gostei imenso.

Ahh... e sabe uma coisa?! Na última frase... não digas a ninguém, mas faz muito mal à galinha!!

Beijinhos.

Compartilhando Sentidos disse...

Aiaiai Ana, quase passei mal de tanto rir! A vizinha chorando? Maneiras diferentes de encarar os problemas do dia-a-dia. Enquanto ela chora e desabafa você escreve no blog e nos diverte com cenas do cotidiano.

Bjo grande.

Ivani disse...

Ai Ana, quase que perco essa otima postagem!
Ri muito com seus comentários ironicos.
Mas que fria em? imagino voce olhando para a coitada sem saber o que dizer.
Tá vendo no que dá sentir culpa? kkkkkkkkk!
entao o gordinho nao mora em cima?
será que entendi direito?
entaouem faz barulho em cima?
Ai, ai, isso é muito divertido.
Canja de galinha e benzimento? nunca é demais, aliás, canja de galinha demais dá dor de barriga, sabia? é muito gorda...
Adorei Ana, e me diverti muito com a citacao da surdez. É verdade, foi a reposicao hormonal que danou com meus ouvidos. Coisas de mulher...beijos querida, amei!
(percebeu que estou sem acentos e cedilhas de novo? Santo Deus, isso um dia vai ter um fim?)

Sandes disse...

Menina, que história louca é essa? uhahuauhauha Agora eu quero saber que é o vizinho de cima já que não era ela, rsrs