segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Parto do coração


É sempre agradável participar de outros blogs. Conhecemos opiniões, trocamos experiências, fazemos novos amigos.
A querida amiga Angi, do blog Mãe de Guri, promove regularmente essas interações virtuais!
Esse mês ela está fazendo um especial sobre partos e convidou quem desejasse escrever sua experiência. Mandei meu relato para ela e hoje já fui lá várias vezes tomar um chimarrão e conhecer as opiniões. Uma gratificante experiência.

Há tempos que eu queria escrever sobre este assunto, mas os acontecimentos se sobrepunham e este texto ficava sempre para depois.
O momento surgiu lá nos pampas gaúchos e eu agradeço a oportunidade e convido os amigos leitores a passarem por lá e conhecerem o meu relato de parto como filha.

Um “chimas”na casa da Angi enquanto lê clicando aqui.
Beijo

imagem google

18 comentários:

Camila Gomes disse...

Eu li Ana, duas vezes. Chorei muito, e olha que estou no trabalho, ninguém entendeu nada!
Que lindo, você sempre me emociona!
Adoro como você consegue transparecer em palavras o seus sentimento.
Parabéns muito lindo!

Patricia disse...

Vou lá ler, depois te conto o que eu achei.
bjs

Patricia disse...

Q lindo relato, Ana!
Tb sou adotiva, que coincidência, mas minha mãe biológica vive ao meu lado desde que nasci, ela se tornou empregada da casa da minha mãe adotiva.
Sempre tive o amor e cuidado das duas, mas só entendi o ato da minha mãe biológica no dia em que me tornei mãe.
Quem sabe me inspiro para escrever sobre isso tb.

Obrigada por compartilhar esta linda história.
bjs

Angi disse...

Eu AMEI, chorei, sorri e só tenho a agradecer por compartilhar tua história conosco!Além da história, um ponto de vista dos dois lados, coisas que nem pensamos...
AMIGA LINDA, MIL BEIJOS

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Ana Paula, lí e adorei. Sinceramente você é um amor de pessoa. Vou colar aquí o comentário que deixei lá. Um beijo carinhoso. Manoel.

Ana Paula, pelo jeito sou o único homem que está participando desse lindo parto. Estou meio sem jeito, mas logo fico à vontade!
Que maravilha de história a sua, Ana Paula. Muito comovente e cheia de doação. É muito gratificante ver uma realidade dessas e o resultado positivo desse episódio maravilhoso. Não tenho nem muitas palavras para dizer porque você já disse tudo. Foi mesmo uma grande graça que você recebeu de Deus por tudo que passou e conseguiu. Ainda por maior prêmio ter os filhos maravilhosos que tem. Não é possível não ficar comovido com essa linda história de amor.
Eu já admirava e gostava muito de você (pelo seu modo de escrever), agora então, gosto "um montão".
Beijos com muito carinho na sua vida.
Manoel.

MÃE DO GUI disse...

Vou lá agora!!!!!!!!

✿ chica disse...

Eu li e me emocionei, adorei!!! História tocante essa tua... beijos,chica

Ivana - coisademae disse...

ana, que relato lindo!!!!!!!! Deixei comentário lá!!!

Bjos!

Imac by Artes disse...

Ana Paula querida!
Sua história é emocionante,amei!!!
Quanto carinho,amor,doação e compreensão.
Escrevestes de uma forma muito linda...
Você é realmente uma dádiva de Deus para nós.
Abraços! Uma semana abençoada pra ti.

Compartilhando Sentidos disse...

Oi Ana. Hoje me proporcionaste 2 alegrias. Primeiro conhecer mais um blog bacana. Segundo ler mais uma história emocionante. Adoro teus textos.
Você é uma pessoa incrivelmente sensível e que consegue passar isso com tuas palavras contadas em histórias.

Obrigada por compartilhar sentidos.
Bjo e eutimia.

Débora disse...

Passarei sim por lá Ana para prestigiar as duas e ter a oportunidade de ler o seu relato e experiência.
Bjão

Débora disse...

Ana querida...Não me contive e voltei aqui depois de passar na Angi e ler tua história. Estou aqui emocionada, o coração apertadinho e ao mesmo tempo feliz ao saber dessa história recheada de amor. Escreveu de forma terna e amorosa, sinceridade a flor da pele.
Um beijo no coração. Adorei conhecer mais um pouco de você que a cada dia mais tenho respeito e admiração.
Débora

Paula disse...

Estou partindo para conhecer a história. Lá vem texto bom! Bjs!

Paula disse...

Tá bom, fui até lá e voltei. Ana, Ana, Ana, queria escrever, mas vou apenas deixar um beijo. Um beijo emocionado.

Cris disse...

que historia linda!
ganhou ainda mais minha admiração
um lindo dia pra vc!
;)

Ju Dalzoto disse...

Oi Ana!

Sou amiga da Angi e acabei de ler o seu relato lá no blog. Que coisa mais emocionante, guria!!! Vim aqui para conhecer a Ana que tão bem escreve e tanto nos emocionou com aquele relato!

Linda sua história!!!
Obrigada por compartilhar com a gente!

Beijos
Ju

Laiz disse...

Lindo Ana. Sempre sensível, tocante e lindas suas palavras. Adoro!!!! Bjãooo grandeee

Coisas da Vida disse...

Ana!
Que linda sua história! Emocionei!
Queria aproveitar o momento e também contar uma parte muito importante da minha história. O parto do meu coração!
Em 1978 começa a acelerar o processo de redemocratização, mas as coisas ainda estavam confusas e perigosas ainda mais pra quem era dos movimentos estudantis da esquerda. E foi nesse ano vésperas de natal que um tio que fazia parte desses movimentos nos aparece com um presente de natal, uma criança recém nascida com apenas cinco dias, contando uma história um tanto confusa. Ele nos disse que a criança era seu filho e que a mãe havia morrido no parto. ( nas minhas fantasias já cheguei a imaginar que a mãe biológica estava envolvida também nos movimentos...) assim meu tio perguntou se podia deixá-lo conosco alguns dias até que organizasse sua vida. Foi aquela correria... Roupinhas, fraldas, berço e etc... Eu com os meus sete anos nem percebia que estava acabando de dar a luz de um menino lindo, um parto sem dores sem sofrimento, só encantamento! O que não esperávamos era que meu tio desaparecesse por um bom tempo, e nós assumimos aquela criança como filho, falo nós porque meus pais teve uma grande prole e os filhos mais velhos iam cuidando dos mais novos, enfim... Todos nós irmãos tivemos a nossa participação, mas como meus irmãos eram mais velhos e estavam iniciando suas vidas profissionais, fui oficialmente eleita a pajear a criança, fiquei feliz! Tinha sido caçula durante cinco anos, depois nasceu minha irmã que era especial, e como ela era especial não podia cuidar dela como meus irmãos fizeram comigo. Quanto mais velha ia ficando mais aumentava a minha responsabilidade com ele, minha mãe passava grande parte do seu tempo em clinicas de reabilitação com minha irmã, e eu com ele. O tempo passou, meus irmãos foram casando e nós dois juntos.
Quando casei ficamos separados alguns meses e logo após o meu casamento, meu pai aposentou-se e mudou para uma chácara, e meu “filho” já com seus vinte poucos anos ficou morando comigo. E nós dois juntos de novo!! No ano passado nos separamos porque ele casou, e mesmo com tantas relias e brigas, sinto falta dele me pentelhando. Quando ele mudou, ficou alguns meses me ligando todos os dias pra pedir “a benção”.
Estou contando essa história pra diz que, a vida tira “injustamente” de uns por motivos diversos e presenteiam outros por algum motivo. Penso nos sofrimentos das mães que são sujeitas a tal atitude, para muitas esse momento de separação é a morte! Sinto pena de todas as mães que tiveram de afastar de seus filhos.
...Assim nasceu ele! Filho de todos nós!
Depois te tantos anos esta acontecendo uma reaproximação dele com o pai biológico. Estou na torcida que tudo possa dar certo e que ele possa conhecer a sua família biológica, mesmo sentindo um pouquinho de ciúmes, também pudera trinta e dois anos pajeando.
Ana um super beijo pra vc!