sexta-feira, 16 de outubro de 2015

A brisa do mal


Não se engane porque  muitas pessoas não amanheceram assim: deslumbrantes, ensolaradas, cheias de vontade de vier, como este céu que fotografei hoje bem cedinho.
Aos menos aqui onde moro, muitas pessoas amanheceram trovejando e soltando raios que o partam pela boca.
A noite mais quente de toda a primavera que ainda engatinha trás uma maldição: a brisa fresca bufada pelo ar condicionado.
Pois são eles, os aparelhos de ar condicionado que estão fazendo as pessoas fecharem o tempo por aqui.
Três torres de apartamentos. Um de frente para o outro. Caixa de ar condicionado para fora fazendo adentrar o som do funcionamento para dentro do quarto em frente. Pronto, tempestade formada.
Há os que chamam técnicos para regularem seus aparelhos; há quem não os faça pois, nem sei o pois.
Em outras primaveras, eram os sabiás o motivo do incômodo. Cantavam cedo demais.
Agora, a brisa do ar condicionado é a maldição da vez.
E eu amanhaci tão feliz ao som de uma cigarra.
Boa sexta antes do horário de verão.

8 comentários:

✿ chica disse...

Que bom que amanheceste alaranjada e linda. alegre por dentro. Pena dos que não conseguem perceber tais belezas e prestam mais atenção às picuinhas... Bom acordar com os sabiás.Aqui acordo com eles, ou antes deles,rs... Lindo fds! bjs, chica

Tina Bau Couto disse...

Pois é! Eita gente que reclama de tudo e se incomoda com tudo!
O individual em detrimento do coletivo, um mimimi congênito dos diabos (essa palavra renderia polêmicas, td rende, até ficar calada).

Olha-se nesse mundo cheio e tão vazio, para o ruim com lentes de aumento e para o bom, bonito, simples com pressa e muito nem se olha.

Elogios escassos ou superficiais, reclamações fervorosas.
Condicionadas estão as pessoas a achar que esse caminho leva a algum lugar e o lugar, o sol, o laranja, o silêncio ou o barulho e a gratidão por ouvir, satisfação por ter dinheiro para ter um ar, por ter vizinhos que também tem, por ter vizinhos, puxando pelo braço, de mão estendida, todo dia, todavia escolhe-se as birras, alimenta-se amarguras, competições, indisposições.
Como diz o amigo Alexandre semeador: AmarCura.

Mais amor, mais contemplação, menos reclamação por ai, aqui, acolá! Oxalá!

Bell disse...

As pessoas andam tão estressadas, nervosas, só pensam em dinheiro e nas contas pra pagar. Infelizmente vivemos tempos cada vez mais dificéis .

Um lindo dia pra vc =)

Graça Pires disse...

Uma bela fotografia.Ainda bem que amanheceste feliz. Concordo com o que dizes do ar condicionado. É que condiciona mesmo a respiração que a Natureza nos oferece. Até do ponto de vista estético não há aparelho que desfeie tanto as casas...
Um beijo, amiga.

Dra. Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Que linda foto!
Bjs

Beth/Lilás disse...

Ana Paula, vou te contar, não vai ser fácil este verão que se anuncia!
Pois que a primavera por aqui já está batendo na casa do 41 graus e há quem diga que até 50 fez em algum lugar do Rio.
Infelizmente, viver no meio urbano tem estas desvantagens, ou seja, ao invés do canto de pássaros, ouvimos os apitos dos portões eletrônicos se abrindo nas manhãs e finais de tarde. E os aparelhos, a maioria ligados dia e noite, propiciam mais calor nas ruas e mais barulho.
Este é o El Niño em toda sua intensidade este ano, dizem que será o mais forte, Deus nos livre dos desastres na natureza!
um forte abraço carioca


Poesia do Bem disse...

Ninguém merece dormir e acordar com brisa do mal e um raio de raiva caindo no dia. Aqui acordo todo dia com o cachorro da vizinha que acredite se quiser imita galinha? vai ver é a maldição do calorão

O Profeta disse...

É tudo tão breve
Habitamos as pedras
Inventamos sonhos
Vislumbramos quimeras

Mas, falemos dos suspiros dos pássaros
Falemos de ti
Nas irreprimíveis asas dos anjos
Na noite primeira dos mil encantos



Um radioso fim de semana



Doce beijo