quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Blog

Quando ter um blog era ainda e apenas uma ideia permeada principalmente de medo, por não saber exatamente o que era um blog, eu comprei um livro para me ajudar a decidir se concretizaria a ideia.  
Já tinha lido muita coisa na internet sobre blogs. Mas, esse "muita coisa" se resumia a dicas como nunca peça para te seguir de volta, é deselegante; não chame para visitar seu blog, deixe um comentário bom, inteligente, de quem realmente leu a postagem e certamente seu comentário chamará a atenção e você receberá visitas e seguidores.
Era isso o que mais tinha, além de dicas de como inserir uma imagem, etc.
E não era exatamente isso o que eu procurava.
Queria algo mais aprofundado que me desse segurança para ter um blog.
Remexendo prateleiras e gavetas, encontrei o livro que comprei e li nesse processo de decisão.
Não me serviu para nada naquele momento.
O livro tratava dos blogs como diários genuínos que apenas saíram do papel, dos cadernos chaveados e ganharam a tela do computador. Fiz uma leitura "passar de olhos" porque realmente não era aquilo que procurava.
Até hoje eu não encontrei um blog que seja verdadeiramente um diário.
No meu caso seria entediante se fosse assim. Muito de meus dias são simplesmente tarefas cotidianas, outros têm discussões com filhos, marido, uma boca amarga por algo que se comeu no dia anterior, o cocô do cachorro que se modificou depois que passou a comer cereais ancestrais e por aí vai.
"Acordei com o toque do celular. O dia ainda não havia clareado, estamos no começo do horário de verão; é difícil sair da cama, mas as crianças não podem perder a hora da escola"- então decidi que arriscaria a ter um blog mesmo na incerteza do que escrever e sabendo que não queria escrever a minha rotina nua e crua.
Então a gente vai pegando jeito, um jeito que faça sentido para nós mesmos, e vai de foto, de poesia, de uma polêmica, de um livro, do seu olhar para aquele dia a dia tão comum, mas que a gente passa a encontrar um algo a mais para poder escrever.
Porém, o que mais me agrada nos blogs é o aguçar da memória. E isso se dá tanto pelo ato de escrever quanto pela leitura de outros blogs. 
Inúmeras vezes despertou-me sentimentos, me fez lembras de algo que talvez passasse despercebido, ou nem voltasse à luz da consciência. Lendo outras pessoas, encontro situações semelhantes em mim.
O livro, que à época não me serviu a meu propósito, tem agora seu lugar na minha cabeceira.
Voltei à leitura e tenho me surpreendido com o que encontro ali. Desde as reflexões se o estilo diário, confessional, é um estilo literário até a minha constatação de que nós hoje, merecemos aplausos!
Há no final do livro uma lista com vários endereços de blogs que a autora se valeu em sua pesquisa e eu fui buscando a maioria deles. 

A página que você procura não foi encontrada.
Ops, aconteceu um erro.
Foi muito bom escrever por aqui, agradeço a todos os que me leram.
Esse blog está na UTI respirando por aparelhos, acho que não vai resistir.

Pois é. A maioria dos blogs citados deixaram de existir.
O livro é de 2004.
Então se você tem um blog, não desanime! Uma frase, um pensamento, uma inspiração vinda de outro blog.
Além de tudo que já sabemos que é bom, o blog estimula as conexões em nossos neurônios, exercitando nossa memória.
Vamos lá, sem desânimo. "Bora escrever"!

8 comentários:

Bell disse...

Amo blogar mas não penso em fama rs...
E muito menos em lucrar com o blog.


bjokas =)

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Ana Paula
Em 6 anos a gente vê de tudo... aprende muito e vê outro tanto de coisas deselegantes...
Tenho tido a experiência de positividade em relação aos amigos blogueiros que me encanta e que se tornam mais amigos e chegados que irmãos de sangue...
Aprender é todo dia... identificar com o que escrevem outros amigos é diariamente... partilhar o pouco que se sabe é cotidianamente...
Em suma, uma beleza!
A doce arte de blogar só faz bem... o mal é quase imperceptível em vista do saldo super positivo...
Vamos fazer o que gostamos e exercitar a memória só nos trará benefícios...
Bjm fraterno

✿ chica disse...

Que texto lindo,Ana Paula! Blogar é bom demais e vemos de tudo. Mas acho que nem precisaria uma "cartilha"...O bom senso e deixar o coração falar fazem o resto!

Sinto pena quando vejo os blogs terminando. Mas por vezes é preciso, mesmo contra a vontade! Assim, vamos levando e enquanto der, aqui estamos! bjs, chica

Poesia do Bem disse...

Gostei muito de ver suas dicas e a visão do livro e ver tbm que não há manuais para se escrever um blog, o meu de início seria um diário nunca foi, passou a dar dicas de livro e de moda, recortes da natureza, arrisca-se na fotografia, conta a vida e meu trabalho, traz poesia e sentimento, e eu adoro os laços que construo lendo aqui, ali acolá.É um exercício, é bom pra ajudar a escrever melhor, é inspiração. Pra mim o blog é um lazer e um aprimoramento, reflexão

Tina Bau Couto disse...

Então
Eu comecei para interagir, para me expressar, compartilhar imagens,pensamentos
Tipo caderno de anotar frases, letras de músicas, colar recortes e figurinhas
que não é um diário mas é um dos tipos de agenda, com tds isso dentro e guardanapos de lugares que fomos, planos, listas, registros diversos

E assim vem sendo
Com mais palavras dos outros que minha no começo
Poucos minhas e depois muitas minhas
Poemas
crônicas
Identidade
Identificações, elogios, cr´ticas
peguei gosto
O bichinho do escrever me pegou
E hoje o que os modinhas chamam de blog, são os tipos do tipo vídeos
Muitos blogs legais que em comum seguíamos não tem mais postas, foram cancelados
História de plágios, de vida que virou

Gosto de escrever, de compartilhar, de aprender, ensinar
E ia pausar em novembro, vou pausar em dezembro, talvez janeiro também
Por vc, por mim, pq que só de pensar em não blogar senti que sentirei um vazio

Preciso dizer que é parte de meus dias te ler
Que por mim aqui teria post todo dia

Atelier Wesley Felício disse...

Que post fantástico, escreveu com uma sutileza indescritível. E como já mencionaram nos comentários, acho que não existe um manual, é importante que deixe o coração vir a tona e que haja sinceridade nos escritos o resto é resto.. Parabéns pelo espaço, adorei!! BjoO grande e sucesso sempre!!

Att; Wesley Felício

VitorNani disse...

Realmente, Ana Paula, o que mais estimula a escrever são as visitas que fazemos aos amigos blogueiros.Tem sido um bom passatempo pra mim.
Abraços e boa semana!

Filha de José disse...

Ana...
Como é bom ler as coisas que você escreve.
O livro chamou minha atenção nesse post.
Também tenho esse livro, comprei ele para um trabalho acadêmico que fiz.
Meu TCC da especialização em estudos literários foi sobre blogs.
Tive uma professora super entusiasmada com estudos que envolvessem "escritas sobre si", pessoas que escrevem seus diários.
Fui na raiz da prática do diarismo.
É verdade que existem alguns diários virtuais. Algumas pessoas escrevem por aqui e são anônimas, são fake. Talvez até escrevem suas histórias verdadeiras, mas não mostram seu rosto, sua identidade.
Tipo... querem ser lidos mas não querem ser conhecidos.

Uma outra coisa que lembro das reflexões junto à professora era a prática da escrita do diário e querer que ele fosse secreto. Estudos da psicologia e também da literatura defendem que "quem escreve quer ser lido". Podemos esconder o diário para alguém não ler naquele momento... mas no fundo temos uma vontade que alguém o leia.

Quero dar um jeito no meu trabalho, talvez encadernar em forma de livro para dividir esse estudo com quem interessar.

Abraço pra você.

Ah, será uma alegria trocar cartas com você no projeto Cartas Hoje.